Com reabertura de clínica em Itabaiana, Huse passa a ter 39 leitos disponíveis

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 09/01/2018 às 05:40:00

Os 39 pacientes internados no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) para tratamento de hemodiálise estarão deixando a unidade hospitalar após a reabertura do Centro de Nefrologia de Itabaiana, que estava interditado desde o dia 4 de setembro, por parte da Diretoria Estadual de Vigilância Sanitária (Divisa), em Sergipe, em função de problemas técnicos. Esses pacientes já estavam em condição de alta hospitalar, segundo o coordenador do Pronto Socorro do Huse, Vinícius Vilela, e deveriam ter sido assistidos pela rede municipal de saúde de Aracaju.

“O Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Saúde [SES], esteve à frente da resolução do problema que geraria desassistência aos pacientes no período de interdição do Centro de Nefrologia, no caso, quatro meses. O objetivo foi contribuir para que o tratamento de que tanto necessitam não fosse interrompido. A partir do momento que esses cidadãos passam a realizar hemodiálise ambulatorial em outras unidades, o Huse se torna apto a receber novos pacientes, reocupando leitos e oferecendo atendimentos com mais conforto para os usuários do Sistema Único de Saúde [SUS]”, explicou Vilela.

Durante a interdição da unidade em Itabaiana, os 39 pacientes ocuparam leitos em diferentes áreas do Huse, a exemplo da azul e da verde clínica. Desse total, 10 pacientes darão continuidade ao tratamento no próprio Centro de Nefrologia e outros 20 seguirão para uma clínica particular especializada da capital, cuja assistência acontecerá mediante contrato com a Prefeitura de Aracaju, através da Secretaria Municipal de Saúde. Os outros nove pacientes que permaneceram no Huse estarão aguardando o surgimento de novas vagas na rede municipal de Saúde, conforme critérios estabelecidos para a triagem desses casos.

Vinícius Vilela ressalta ainda que, atualmente, o Huse mantém total de 65 pacientes em tratamento de hemodiálise e que a remoção dos que chegaram após a interdição do centro, em Itabaiana, gerará assistência sem sobrecargas aos profissionais locais. “O grande volume de usuários do SUS para tratamentos de hemodiálise gerou sobrecarga nas equipes do Huse, que passaram a atender os próprios pacientes juntamente com os provenientes daquela unidade. Sendo esses últimos redistribuídos, os serviços oferecidos pelo hospital nessa área voltam à normalidade e tendem a ser mais qualificados”, afirmou.