Márcio Macêdo critica pressa da justiça brasileira em julgar Lula

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 10/01/2018 às 05:18:00

O vice-presidente nacional do PT e ex-deputado federal, Márcio Macêdo, durante entrevista à rádio Xodó FM, criticou a pressa no julgamento de Lula. Ele questionou a realização da audiência em janeiro, mês em que a corte brasileira não costuma julgar casos.

“É uma tentativa de pegar a população desprevenida. Mas a sociedade está se mobilizando. É natural que os movimentos sociais, a Frente Brasil Popular, MST, o cidadão comum e partidos se organizem a participem do processo. No dia 24 [do julgamento] teremos caravanas em Porto Alegre. E as pessoas que não puderem ir vão se organizar nos seus estados. Os diretórios do PT em todo país se transformaram em comitês em defesa da democracia e do direito de Lula ser candidato, e estão em vigílias permanentes. A Frente Brasil Popular, por sua vez, organizou um calendário de mobilizações em todo o Brasil. Vai ter mobilização e denuncia do processo. Não se pode rasgar a Constituição Federal e jogar o estado democrático brasileiro na vala comum da excrescência sem haver mobilização da sociedade”, ressaltou Macêdo.

Outra critica do vice-presidente nacional do PT foi com relação à postura de juízes no Brasil. Segundo Márcio, ao contrário dos Estados Unidos, grande país capitalista onde nenhum juiz e membro da suprema corte concedem entrevista, no Brasil os magistrados agem diferente. “Aqui são 24 horas ao vivo e às vezes eles julgam de acordo com as palmas que recebem quando vão almoçar no restaurante. Isso é um absurdo, uma distorção. A justiça tem que estar protegida para dar a sentença de forma imparcial. Aqui no Brasil um juiz de primeira instância faz o que quer, o ministro da suprema corte vira popstar, concede entrevista, e isso é algo errado. É preciso que haja uma mudança nesse sentido”, cobrou.

A respeito do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Macêdo afirma que não existe nenhuma prova material e nada que possa condená-lo. Márcio também disse que, há um consenso de boa parte de membros do PT, e que ele defende que Lula lance a pré-candidatura no dia 25 deste mês, independente do resultado da audiência que ocorrerá um dia antes.