Homem que estava armado em camarote se apresenta

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 12/01/2018 às 06:07:00

O cozinheiro João Mário da Silva Santos, que foi flagrado segurando um fuzil dentro de um camarote do Encontro Cultural de Laranjeiras, se apresentou ao final da tarde de ontem na sede da Corregedoria de Polícia Civil, no bairro São José. Ele compareceu ao local acompanhado por seu advogado e prestou depoimento, dentro do inquérito policial que investiga o episódio. Ele é sobrinho do agente de polícia Carlos Alberto Feitosa Magalhães Carneiro, o “China”, que foi afastado de suas funções e teve sua arma recolhida na manhã de quarta-feira, por ordem da delegada-geral de Polícia, KatarinaFeitoza.

De acordo com o advogado Vagnerrogeris Lima de Oliveira, João Mário deu explicações sobre o incidente do último domingo e informou que ‘China’ estava de serviço naquele final de semana, tendo ficado sozinho no Encontro Cultural porque seus parceiros de equipe haviam saído para atender a uma ocorrência. Nesta ocasião, o cozinheiro estava acompanhando o tio. “‘China estava com uma distensão muscular e pediu para ele [o sobrinho] segurar a arma. No dia seguinte, ao comparecer ao local, ‘China’ deu o colete a ele e ele ficou ajudando ao tio, mas em momento algum se apresentou como policial ou fez abordagem. Só fez segurar a arma e ela estava desmuniciada”, informou ele, em entrevista à TV Atalaia.

Mário foi liberado após prestar o depoimento, mas, de acordo com Vagnerrogeris, terá que passar um período fora de Laranjeiras, pois começou a receber ameaças de morte por parte de criminosos, devido à repercussão do caso. Na própria quarta, a Polícia Civil já tinha informado que o homem com a arma não é policial civil e nem segurança do camarote, conforme informou a Prefeitura de Laranjeiras. O inquérito da Corregedoria deve ser concluído nos próximos dias e, segundo a polícia, pode resultar em punições administrativas e criminais tanto para o agente quanto para o sobrinho.