João Daniel diz que mobilizações são fundamentais na defesa da democracia e de Lula

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 25/01/2018 às 06:03:00

Acompanhando as mobilizações que acontecem em Porto Alegre (RS), desde o início da semana, em torno do julgamento do recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o deputado federal João Daniel (PT/SE) ressaltou que este, para ser um julgamento justo, deveria ter como resultado a absolvição de Lula. “Temos confiança absoluta na inocência do presidente Lula, o maior líder popular da história do Brasil”, disse.

João Daniel ressaltou a importância das manifestações que acontecem em todo país e também na capital gaúcha. “Toda atenção e todas as mobilizações que estão acontecendo no Brasil e em várias partes do mundo são fundamentais na defesa de Lula, da democracia e da soberania nacional”, afirmou. Em Porto Alegre desde a terça-feira, onde acompanha os atos realizados no acampamento, na Esquina Democrática e no entorno do TRF4, João Daniel acrescentou que a energia da multidão que se concentra no local dá esperança a toda militância.

Para ele, o julgamento desse recurso, se fosse para ser justo, o ex-presidente deveria ser inocentado. Mas, independente do resultado, o deputado ressalta que as mobilizações são muito importantes. “A nossa esperança está aqui, nas grandes mobilizações nas ruas de todo país e denúncias internacionais de que a justiça não pode ser partidarizada, não pode ter lado, precisa respeitar a Constituição. Por isso Lula é inocente e eleição sem Lula é fraude. Vamos à luta em defesa da democracia, do Brasil e por um país com soberania nacional”, ressaltou.

Na avaliação de João Daniel esse processo contra Lula tem como objetivo apenas inviabilizar sua candidatura à Presidência da República. “Esse processo é uma farsa, apenas para retirar a possibilidade de o povo brasileiro ter uma candidatura popular em 2018. Por isso vamos enfrentar nas ruas, nas mobilizações em todo Brasil e no mundo inteiro denunciar essa injustiça”, frisou.