Procura por vacina contra febre amarela está aumentando

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Fila para tomar a vacina no ipes. Foto: Divulgação
Fila para tomar a vacina no ipes. Foto: Divulgação

Homem recebe vacina no posto de saúde do Ipes. Foto: Divulgação
Homem recebe vacina no posto de saúde do Ipes. Foto: Divulgação

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 26/01/2018 às 06:47:00

Milton Alves Júnior

 

A procura por vacina contra a Febre Amarela segue em ritmo acelerado no Estado de Sergipe. Durante a manhã de ontem centenas de aracajuanos se dirigiram até a sede do Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais (IPES) a fim de buscar pela imunização realizada todas as quintas-feiras nas dependências do órgão estadual, porém administrada pela Secretaria Municipal de Saúde. Somente na manhã de ontem cerca de 150 doses do medicamento foram aplicadas em moradores e turistas que em breve estarão em território com registro oficializado da doença. De acordo com o Ministério da Saúde, o índice em elevação da Febre Amarela tem contribuído para que unidades básicas de saúde em todo o país registrem aumento na demanda.

Segundo o último balanço semestral apresentado pelo Governo Federal, entre julho do ano passado até o dia 24 deste mês, foram confirmados 130 casos da doença e 53 mortes. Desde o último dia 15, os órgãos públicos de saúde enaltecem que Sergipe ainda se encontra fora da zona de risco e que apenas viajantes oriundos das áreas afetadas, ou aqueles que vão para as áreas com risco real, são os que devem buscar pela imunização. O fato é: como muitos sergipanos pretendem passar as festas carnavalescas em estados como Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo, por exemplo, a perspectiva é que essa procura siga ampliando nos próximos dias.

"Uma vez que o carnaval começa dia 09 e o efeito da vacina começa a funcionar somente depois de dez dias de injetado no organismo, é provável que até o próximo dia primeiro de fevereiro essa procura continue em expansão em todos os postos de vacinação. Apesar do grande fluxo, até o momento não há risco das vacinas faltarem nos postos", declarou Dânia Porto, enfermeira da rede municipal. Com um cenário bastante semelhante ao Ipes, a tradicional Unidade de Saúde Sinhazinha, em Aracaju, segue registrando filas desde as primeiras horas do dia. No local são distribuídas diariamente 400 senhas, sendo 200 para o turno da manhã e mais 200 para a tarde.

Dos 75 municípios sergipanos apenas a cidade de Canindé de São Francisco foi apresentada como área de risco pelo Ministério da Saúde. Recentemente o órgão federal apresentou uma relação completa dos municípios que estão em alerta para a doença. Em risco estão cidades dos estados de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, Tocantins, Maranhão, Piauí, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás. Assim como Sergipe, Alagoas também aparece com apenas o município de Demilro Gouvêia como área de recomendação da vacina.

Ao Jornal do Dia, a coordenadora do Sinhazinha, Maiara Melo Pereira, informou que: “Entendemos que existe certa preocupação por parte dos aracajuanos, mas deixamos claro que diariamente vamos atender as pessoas conforme planejamento estratégico. Essas senhas estão sendo distribuídas no início de cada turno. Tem vacina suficiente para a atual demanda”. Sobre a demora no atendimento, criticado por alguns usuários do sistema, a gestora enalteceu que todos os esforços estão sendo adotados a fim de gerar conforto a todos. “Infelizmente não temos mais como evitar as filas e a espera pelo atendimento já que a procura tem sido grande. Destinamos uma sala só para essa demanda. Garantimos assistência a todos, mas não de forma instantânea”, explicou.