“O Brasil precisa de Lula e Lula precisa do povo”, Márcio Macêdo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/02/2018 às 06:18:00

“O Brasil precisa de Lula e Lula precisa do povo”. A frase do vice-presidente nacional do PT e ex-deputado, Márcio Macêdo, dita durante entrevista à rádio Fan FM na manhã desta quarta-feira, 31, é uma síntese da importância da população na retomada da democracia e do retorno de Luiz Inácio à presidência da República. Segundo o representante do Partido dos Trabalhadores, o povo tem a força para cobrar eleições diretas e mudanças no país, que seriam implementadas por Lula, possibilitando assim que o Brasil volte a ser potência mundial.

“Quem reúne condições políticas de liderar a reconstrução nacional é Lula. Ele tem capacidade de tirar o país do atoleiro no qual se encontra. É a única liderança com força real, apoio da maioria da população, e com alternativas para reunificar o Brasil, através de geração de empregos e renda, promoção de desenvolvimento regional e aquecimento da economia. É verdade que o Brasil precisa de Luiz Inácio, mas ele precisa do povo. Como dizem meus colegas biólogos, é uma relação simbiótica da população com Lula e dele com as pessoas”, afirmou Macêdo.

Márcio relembra que Lula tornou o Brasil 5ª economia do mundo, proporcionou que 42 milhões de pessoas saíssem da miséria e tivessem direito a fazer refeições três vezes ao dia, tendo condições de vida digna. Ele ainda acrescentou que o ex-presidente incentivou as indústrias naval e aeronáutica, criou universidades e institutos de ensino superior, possibilitou que os filhos do povo pudessem ter acesso a graduações, se formassem e tivessem dignidade.

Exemplo da força da população e do apoio dos brasileiros à reeleição de Lula é o resultado da mais recente pesquisa da Datafolha que, segundo informa o vice-presidente nacional do PT, Luiz Inácio desponta em todos os cenários, ganhando em primeiro lugar e derrotando todos os candidatos em segundo turno. Márcio também conta que, mesmo que Lula seja impedido de concorrer ao pleito eleitoral, algum candidato indicado por ele lideraria também a disputa pela presidência.

“E ainda existe outra possibilidade. Devido à crise que estamos vivenciando, se por acaso Lula não for candidato, temos a maior indicação de votos nulos e brancos da história do Brasil, que chega a 32% e 36%, segundo a pesquisa. Ou seja, a população brasileira está dizendo que quer votar em Luiz Inácio e que se ele não for candidato, não há legitimidade. Seria como se houvesse uma eleição sem o principal concorrente, ou até, comparando à seleção brasileira, se nosso país fosse à Copa do Mundo sem escalar Neymar. É por isso que vamos seguir o calendário que a legislação manda e, no dia 15 de agosto, oficializar a candidatura dele, fazer campanha na rua e na TV. O nome de Lula vai entrar na cédula e ele vai disputar a eleição presidencial”, confirmou Macêdo.

“O que está ocorrendo é uma aberração jurídica. O julgamento do dia 24 de janeiro foi político. Três juízes combinaram o voto com Moro. Não existe nenhum crime cometido por Lula e nenhuma prova contra ele. O que houve em Porto Alegre no TRF-4 foi com o objetivo central de tirar o presidente Lula do processo de eleição de 2018. E não acredito que ele será preso. Creio, sinceramente, que o Supremo Tribunal Federal vai corrigir essa injustiça e reestabelecer o pacto democrático de 1988, garantido pela Constituição Federal”, pontuou.