O JACARÉ - CURITUBA AFUNDA ONDE ESTARIAM A CODEVASF E O INCRA ?

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/02/2018 às 00:31:00

O Jacaré - Curituba, aquela mancha de terra fértil e irrigada em Poço Redondo, desde que inaugurado, só tem encontrado dificuldades pela frente. O projeto irrigado é o primeiro no Brasil, feito especificamente para assentados da reforma agrária. Quando as tensões mais se agudizavam com a ocupação de terras, o governador Albano Franco chamou líderes do MST, e o

Frei Enoque, então prefeito de Poço, e lá se foram juntos, à Brasília para uma conversa com o presidente Fernando Henrique Cardoso. Lembra-se muito do detalhe das sandálias do frade, quase sendo impedidas de pisar nos tapetes do Planalto, até que, chegando aos ouvidos do presidente FHC, ele desautorizou seu cerimonial e as alpercatas de couro entraram ,pela primeira vez, nas salas restritas do poder maior em Brasília. Mais então, dai surgiu o projeto. A inauguração demorou, passou por governos estaduais que o ajudaram, suprindo falhas enormes no comando das obras. Passou por Albano, João Alves, Marcelo Déda, Jackson, este, inclusive, até quando pôde pagava as contas de energia do Jacaré - Curituba, sempre sob ameaça de corte.

O projeto ainda inacabado, transita sem solução entre o INCRA e a CODEVASF, esta, pelo menos, conseguiu uma liminar na Justiça impedindo o corte de energia. E a divida sempre crescendo. No Jacaré- Curituba trabalham e tentam produzir, mais de seiscentas famílias, é o núcleo que mais gera emprego em Poço Redondo. Agora, os problemas se acumulam, há falta de gerenciamento, tudo corre ao Deus dará, e, completando a desdita, uma das bombas do sistema quebrou. e o suprimento foi reduzido. Além do mais, há um ¨gato ¨que teria sido indevidamente autorizado, no trajeto entre a Barragem de Xingó e o projeto. Providencias não chegam. Enquanto isso, Dona Pepeta, uma liderança importante entre os assentados, fica desesperada ao telefone, ligando para todos que possam dar uma ajuda.