Sede de companhia é arrombada e viatura da PM atingida por tiros

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
BAGUNÇA NA SEDE DA POLÍCIA FAZENDÁRIA, NO BAIRRO SIQUEIRA CAMPOS: A PRÓPRIA POLÍCIA FOI VÍTIMA DOS BANDIDOS NO FINAL DE SEMANA
BAGUNÇA NA SEDE DA POLÍCIA FAZENDÁRIA, NO BAIRRO SIQUEIRA CAMPOS: A PRÓPRIA POLÍCIA FOI VÍTIMA DOS BANDIDOS NO FINAL DE SEMANA

Marcas dos tiros na lateral da viatura
Marcas dos tiros na lateral da viatura

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/02/2018 às 00:13:00

Gabriel Damásio

Dois ataques de crimi-nosos contra a polí-cia neste final de semana chamaram a atenção pela ousadia. Um deles, descoberto na manhã de ontem, foi o arrombamento da sede da Companhia de Polícia Fazendária (CPFaz), da Polícia Militar, que funciona dentro do Posto Fiscal da Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz) na Rua Acre, bairro Siqueira Campos (zona oeste da capital). O outro, na manhã do domingo, envolveu um carro do Instituto de Criminalística, que foi atingido por um tiro na BR-101, ao passar pelo povoado Pedra Branca, em Laranjeiras (Vale do Cotinguiba). Os dois casos são investigados pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) e ainda não há pistas sobre a autoria dos crimes.

A invasão à Sefaz teria acontecido durante a madrugada, mas não se sabe se foi no sábado ou no domingo. Segundo o comandante da companhia, tenente Almir, a invasão foi constatada no começo da manhã, quando alguns policiais e funcionários perceberam que parte do telhado estava quebrado e que dois dos cadeados estavam serrados. Com os portões abertos, os bandidos reviraram praticamente todos os compartimentos da CPFaz, que é uma unidade administrativa da PM. Pastas e arquivos foram completamente revirados, portas foram arrombadas e equipamentos foram arrancados.

Os bandidos levaram, ao todo, cinco computadores (incluindo o do gabinete do comando), um frigobar, uma geladeira e pastas com documentos.O tenente informou que há a suspeita de que os criminosos teriam vindo de uma favela próxima ao local, pois outros casos de assaltos e arrombamentos vêm sendo registrados na mesma região. A polícia não confirmou a informação de que, dentre os computadores roubados, estariam alguns que continham dados de investigações do Departamento de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap), a unidade anticorrupção da Polícia Civil.

Armados - O caso do povoado Pedra Branca, por sua vez, quase terminou em tragédia. Os tiros contra a viatura da Criminalística foram dados por dois homens armados que assaltavam uma família que estava a caminho de Piaçabuçu (AL). As vítimas foram abordadas pelos assaltantes depois de reduzirem a velocidade do carro, um Fiat Uno Vivace, para passar por um radar.A caminhonete da Criminalística estava a caminho de um caso de homicídio em Neópolis (Baixo São Francisco) e passou pela família no momento que o assalto acontecia.
Os bandidos disparam um primeiro tiro, que não acertou nada. A equipe parou quilômetros depois para avisar sobre o que aconteceu ao motorista do carro do Instituto Médico Legal (IML) que seguia para a mesma ocorrência. Os assaltantes, que já tinham roubado o carro da família, voltaram ao local e deram mais três tiros, fugindo por um matagal logo em seguida. Um atingiu a parte traseira da viatura, mas ninguém ficou ferido.A suspeita é de que os bandidos tenham escapado com a ajuda de um comparsa que dava cobertura em outro carro.

Além do carro, foram levados R$ 1.800 em dinheiro e a pistola de um agente penitenciário que acompanhava as vítimas. Equipes da PM e da Polícia Rodoviária Federal realizaram buscas pela localidade e encontraram o carro horas mais tarde, abandonado em um canavial de Laranjeiras. O diretor do Instituto de Criminalística, Nestor Joaquim, disse que pretende discutir com o secretário da SSP, João Eloy de Menezes, formas de melhorar as condições de segurança dos peritos e servidores da Perícia Criminal em ocorrências de rua.