O foco é a reforma previdenciária

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O presidente da Assembleia Legislativa, Luciano Bispo (MDB-SE), participou ontem, em Brasília, de reunião de presidentes do Poder Legislativo dos Estados com o presidente Michel Temer.
O presidente da Assembleia Legislativa, Luciano Bispo (MDB-SE), participou ontem, em Brasília, de reunião de presidentes do Poder Legislativo dos Estados com o presidente Michel Temer.

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/02/2018 às 00:44:00

O presidente da Assembleia Legislativa, Luciano Bispo (MDB-SE), participou ontem, em Brasília, de reunião de presidentes do Poder Legislativo dos Estados com o presidente Michel Temer. Na pauta do encontro organizado pela UNALE, o fortalecimento das Assembleias com a transferência da adoção de medidas que visam transferir para os Estados a responsabilidade de legislar sobre temas que hoje apenas o Congresso Nacional tem a prerrogativa.
"Desde a realização do encontro que fizemos aqui em nosso Estado, da UNALE, que esse movimento ganhou força, já há no Congresso Nacional algumas correntes que estão trabalhando para que isso aconteça, mas também é preciso que a Presidência da República se some conosco, e foi isso que fomos dizer ao Presidente Temer", disse Luciano. Para ele, as Assembleias podem contribuir muito mais com o Brasil, abrindo discussões importantes e aliviando o Congresso Nacional, que passará a legislar sobre os temas macros da nação.

O foco é a reforma previdenciária

Como o dia 02 de fevereiro caiu em uma sexta-feira, o ano legislativo no Congres-so Nacional iniciou ontem com a realização da sessão solene de abertura dos trabalhos legislativos, às 17 horas. Com o fim do recesso parlamentar dos deputados e senadores, as atenções estão voltadas para a reforma da Previdência em análise na Câmara dos Deputados (PEC 287/16).

A reforma da previdência será o tema central deste começo de legislatura, já que o presidente Michel Temer insiste que a votação ocorra logo após o Carnaval, no dia 19 ou 20 de fevereiro. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, já reafirmou ontem na reabertura dos trabalhos que vai manter o calendário anunciado no ano passado.
O governo está otimista que conseguirá os votos necessários para aprovação da reforma. Ontem o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que o governo precisa de cerca de mais 40 votos para aprovar a reforma da Previdência na Câmara dos Deputados e conseguirá alcançar o total necessário - 308 votos - até o dia da votação, em fevereiro.

"No dia 20 [de fevereiro] teremos os 308 votos necessários para aprovar a reforma da Previdência", afirmou Marun em entrevista. "Quinze dias, para quarenta votos, em meio a um universo de 80, 100 indecisos, não é uma missão impossível e não é um desafio que nos assuste ou nos faça fugir", afirmou, garantindo que a votação não ficará para março.

Questionado sobre o que dá ao governo a confiança de que terá os votos para aprovar o texto, Marun respondeu que um dos motivos é o apoio cada vez mais crescente da sociedade. "É um contexto que fica cada vez mais favorável a partir do momento que aumenta o esclarecimento", acredita.
Sobre possíveis mudanças no texto, Marum destacou que o governo pode aceitar apoiar propostas, desde que não firam o espírito da reforma, como o estabelecimento da idade mínima para aposentadoria e o fim de privilégios. "Isso estando presente, podemos ouvir propostas e podemos até apoiá-las, haja vista que a decisão cabe ao Congresso Nacional."

O deputado federal Valadares Filho (PSB) é um dos que acredita que o governo Temer não deve ter os votos necessários na Câmara para aprovar a reforma da previdência, que na sua avaliação prejudica o trabalhador brasileiro. Ele já se posicionou contrário à reforma, a exemplo dos deputados federais de Sergipe Fábio Mitidieri (PSD), Jony Marcos (PRB), Adelson Barreto (PR) e João Daniel (PT).
Dos oito deputados federais de Sergipe é tido como certo que votarão a favor da reforma previdenciária apenas André Moura (PSC), líder do governo no Congresso, e Laércio Oliveira (SD).
Agora é aguardar se o governo desgastado de Temer ganhará essa queda de braço contra o povo brasileiro, que em sua grande maioria é contrario a reforma, por só prejudicar a grande massa do trabalhador brasileiro.

Permanece contra 1
O deputado federal Adelson Barreto (PR) disse ontem que mesmo após analisar as mudanças no texto da Proposta Constitucional que trata da Reforma da Previdência, mantém seu voto contrário a ela, conforme voto anunciado em junho do ano passado.  Para ele, a reforma trará prejuízos aos trabalhadores por acabar com direitos adquiridos há anos.

Permanece contra 2
De acordo com Adelson, ele entende a dificuldade financeira da Previdência Social no país, mas defende que haja uma solução que não prejudique os contribuintes.

Apoio a Belivaldo 1
Segundo os organizadores do evento, mais de 200 lideranças políticas marcaram presença na reunião realizada no último sábado em apoio à pré-candidatura de Belivaldo Chagas (MDB) ao governo do Estado, ocorrida em uma chácara no Povoado Pedreiras, em São Cristovão. Entre os presentes, cerca de 20 prefeitos, vários ex-prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, deputados estaduais, deputados federais e o governador Jackson Barreto (MDB).

Apoio a Belivaldo 2
Entre os prefeitos presentes: o anfitrião Marcos Santana (MDB-São Crisovão), Airton Martins (MDB-Barra dos Coqueiros), Jeferson Andrade (MDB-Maruim), Diógenes Almeida (MDB-Tobias Barreto), Adinaldo (MDB-Indiaroba), Nena (PRB-Monte Alegre), Chico dos Correios (PT-Nossa Senhora da Glória), Marcos Costa (MDB-Moita Bonita), Dr Thiago (MDB- Nossa Senhora das Dores), Valmir (PSD-General Maynard), Duilio Siqueira (PSB-Salgado), Luciano de Vital (PT-Macambira), Manoel do Arroz (PSD-Canhoba), Vera (MDB-Nossa Senhora Aparecida), Dadau (PSB-Santo Amaro das Brotas), Júnior Macarrão (PSD-Santa Rosa de Lima), Pedrinho (PT-São Domingos), Magno (PTN-Japoatã) e Clysmer (PSB-Brejo Brande).    

O que falar...
O prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB), que já declarou publicamente apoio ao pré-candidato a governador apoiado pelo governador Jackson Barreto (MDB), não compareceu a reunião do sábado levando a várias especulações pela sua proximidade com o deputado federal André Moura (PSC), líder do governo no Congresso. Foi dito que estava em Brasília participando do Encontro Nacional do PCdoB sobre Eleições 2018.

Outras lideranças 1
Entre os ex-prefeitos que marcaram presença no evento que referendou o nome de Belivaldo como pré-candidato a governador: Jerônimo Reis (MDB-Lagarto), Fábio Henrique (PDT-Nossa Senhora do Socorro), Esmeralda (PT-Carmópolis) e Agripino (Areia Branca).

Outras lideranças 2                                   
Estavam ainda presentes os deputados federais Fábio Reis (MDB), Jony Marcos (PRB) e João Daniel (PT); o ex-deputado federal Sérgio Reis (MDB); os deputados estaduais Luciano Bispo (MDB), presidente da Assembleia Legislativa, Zezinho Guimarães (MDB) e Silvia Fontes (PDT). Jony justificou a ausência do deputado federal Fábio Mitidieri (PSD) a sua viagem desde o recesso parlamentar.

JB para o Senado
Durante os discursos de apoio a Belivaldo, o prefeito Marcos Santana, o deputado Jony Marcos e o próprio Belivaldo defenderam o nome do governador Jackson Barreto para o Senado. Destacaram que ele ainda tem muito a contribuir para o Estado.

Esclarecendo
boatos
Jony aproveitou o discurso, representando os deputados, para dizer que a cada dia saia alguma informação das eleições deste ano atribuída ao PRB, mas reafirmava que o partido apoia a pré-candidatura de Belivaldo e não vai se deixar levar por "fofoca". Ressaltou que ninguém fala pelo PRB, a não ser o próprio partido, em uma indireta a uma declaração atribuída ao senador Eduardo Amorim (PSDB) de que a legenda estaria com a oposição no pleito 2018.

Mais discurso para especulações 1
Ontem, mais uma vez, o deputado federal André Moura (PSC), líder do governo no Congresso, esteve na Prefeitura de Aracaju participando de mais uma assinatura de ordem de serviço para obra de infraestrutura na capital, no Loteamento Barroso, na ordem de R$ 2.905.424,9. E, mais uma vez, o prefeito Edvaldo Nogueira (PcdoB) agradeceu o trabalho e o empenho de André para liberação dos recursos necessários para as obras que estão sendo feitas na capital.
Mais discurso para especulações 2
Ressaltou Edvaldo que vai continuar buscando quem quer ajudar com a reconstrução de Aracaju. "Precisamos descer do palanque e unir forças. Por isso, faço questão de reconhecer o trabalho de André Moura. O meu foco é todo em conseguir recursos para Aracaju", frisou.

Alfinetando
a parceria
Do pré-candidato a governador, ex-deputado federal Mendonça Prado (DEM), nas redes sociais, em uma indireta a parceria entre Edvaldo Nogueira e André Moura pela liberação de recursos para Aracaju: "É importante que Sergipe receba recursos oriundos do governo federal. Mas, mais importante ainda é o povo saber repudiar aqueles que imaginam que o dinheiro arrecadado do próprio povo compra sua consciência e faz esquecer os atos de bandidagem praticados em Brasília".

Em Brasília
O governador Jackson Barreto (PMDB) participou ontem da reunião de governadores com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para tratar o pedido de prioridade para a votação do projeto que trata da securitização das dívidas, que vai permitir que os estados "vendam" a bancos os chamados "direitos creditórios", ou seja, as dívidas de contribuintes com o governo. No encontro, Maia sugeriu a construção de uma pauta mínima comum para enfrentar a crise fiscal que atinge os estados e a União.

Veja essa...
Entre os prefeitos que marcaram presença no ato político em apoio a pré-candidatura de Belivaldo Chagas (MDB) ao governo do Estado três são do PSB do senador Antônio Carlos Valadares. São eles: Duílio Siqueira (Salgado), Dadau (Santo Amaro das Brotas) e  Clysmer (Brejo Brande).     

Curtas
Durante reunião de lideranças políticas em apoio a Belivaldo Chagas, no último sábado, em uma chácara no município de São Cristovão, foi servido uma suculenta feijoada no almoço.

A vereadora Kitty Lima (Rede) esteve reunida com a vice-prefeita Eliane Aquino discutindo assuntos relacionados ao impacto social oriundo do fim gradativo da circulação das carroças em Aracaju na vida das famílias que dependem financeiramente desta atividade. Na pauta, o cadastro social dos carroceiros e o pedido desses trabalhadores para pagamento de 'bolsas de incentivo' ao estudo, além da reabertura do Centro de Equoterapia.
O ex-candidato a prefeito da capital e suplente de vereador, professor Anderson Gois (PRB), vai comandar as atividades do Instituto Brasileiro de Coaching e Consultoria (IBCC) em Aracaju. O primeiro curso na capital sergipana será de Formação em Coaching e acontece entre os dias 19 e 22 de abril.

Além da reforma da previdência, um tema que deve mobilizar os debates do primeiro semestre no Congresso Nacional é a privatização da Eletrobras, objeto de uma medida provisória que estava suspensa pela Justiça e do Projeto de Lei 9463/18.