"A violência só se resolve com investimentos em serviços públicos", diz João Daniel

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O deputado federal João Daniel
O deputado federal João Daniel

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 22/02/2018 às 03:04:00

 Preocupado com os rumos da intervenção federal na segurança pública no Rio de Janeiro, o deputado federal João Daniel (PT/SE), em discurso durante a sessão desta quarta-feira, lembrou que, pela Constituição federal, o presidente da República é o comandante maior das Forças Armadas. Segundo ele, quando um comandante quando não sabe o que quer fazer ou utiliza as Forças Armadas para atingir outros objetivos coloca em risco não só elas, mas, em especial, a sua população.

O deputado João Daniel disse que a história do Brasil, em todos os momentos de longa crise pelos quais passou, a elite encontrou como caminho sua resolução a utilização da repressão e a polícia contra o povo. Para ele, o que o Rio de Janeiro precisa nesse momento é de um estado democrático e popular. "A violência no Rio de Janeiro e no Brasil só se resolve com investimentos profundos do estado nos serviços públicos, em saúde, educação e moradia", afirmou.
Ele avaliou que o que o governo federal está fazendo com a utilização das Forças Armadas no RJ não é nada mais nada menos do que o que sempre se fez no país em momentos de crise. "Se utiliza a polícia e a repressão e se privatiza as estatais", disse, referindo-se a intenção do governo federal em privatizar o Sistema Eletrobras. Inclusive, na manhã desta terça-feira, o deputado participou de um grande ato em defesa do sistema elétrico, pela sua continuação com o público. "Tivemos um grande debate, com a participação de movimentos sociais, trabalhadores e parlamentares quando discutimos sobre o risco do grande crime que é a privatização do Sistema Eletrobras".

De acordo com o parlamentar, neste momento não se pode ter dúvidas. "Devemos estar ao lado da democracia, ao lado do povo brasileiro, de um Estado que dê garantia de programas e projetos sociais e que olhe para o povo como o único responsável possível para encontrar saída para os problemas sociais. Se quiser resolver o problema da segurança, primeiro ouça a população e invista em projetos em que essa população possa ser incluída", afirmou João Daniel.