Drogas e celulares

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
REVISTA NO COPENCAM LOCALIZOU DROGAS, CELULARES E ARMAS
REVISTA NO COPENCAM LOCALIZOU DROGAS, CELULARES E ARMAS

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/02/2018 às 02:11:00

Vinte e quatro celulares, 80 papelotes de maconha, cerca de 30 carregadores e diversas armas brancas como chuchos e serras foram encontrados em revista realizada neste domingo, 25, no Complexo Penitenciário Dr. Manoel Cavalho Neto (Copemcan) em São Cristóvão.
Cerca de 36 agentes e guardas prisionais participaram de uma revista realizada no pavilhão 3, na ala A da unidade que abriga aproximadamente 220 internos. A ação teve início às 07 h e acabou as 18h. Sete internos foram transferidos para o Complexo Penitenciário Advogado Antônio Jacinto Filho (Compajaf) no bairro Santa Maria e outros 30 enviados para o isolamento no próprio Copemcan.
Segundo o secretário de Justiça, Cristiano Barreto, ações como essa são necessárias para evitar a morte de mais internos, possíveis fugas e rebeliões. "Revistas são necessárias rotineiramente para evitar que aconteçam eventos trágicos dentro da unidade. Felizmente estamos há um ano sem qualquer fuga no sistema prisional sergipano e isso se deve a esse tipo de ações", afirma.
Atualmente o Copemcan abriga 2.549 internos, divididos em cinco pavilhões.

Sem fugas - Pela primeira vez em toda sua história, a Secretaria de Justiça e de Defesa do Consumidor (Sejuc) registra um ano sem nenhuma fuga no sistema penitenciário. Desde que assumiu a pasta, há pouco mais de um ano, Cristiano Barreto, delegado da Polícia Civil de Sergipe, implementou um ritmo de trabalho para coibir os eventos de fuga e, desde então, vem contando com o apoio dos agentes e guardas prisionais no dia a dia de fiscalização dos nove presídios do Estado.
"A não existência de fugas em um ano, é um marco para nós que fazemos a Secretaria de Justiça e vamos continuar trabalhando incessantemente para continuemos assim. Alcançamos esse número zero de fugas graças, principalmente, ao comprometimento e responsabilidade dos agentes e guardas prisionais que entenderam o nosso ritmo de trabalho e somaram para dar o melhor à sociedade, que é a segurança", ressaltou Cristiano Barreto.