Motoristas de aplicativos protestam contra projeto em tramitação na Câmara

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 28/02/2018 às 02:32:00

Contrários ao Projeto de Lei (PL) número 5587, motoristas do aplicativo Uber promoveram na manhã de ontem mais uma rodada de atos públicos a fim de pressionar os parlamentares sergipanos a apoiarem a luta dos trabalhadores junto à legalidade do serviço. Mobilizados na entrada principal da Câmara Municipal de Aracaju, centro da capital sergipana, os manifestantes cobraram dos vereadores apoio integral ao fim da intitulara 'Lei do Retrocesso'.

Conforme avaliação novamente ressaltada pelos condutores cadastrados, em tempos de instabilidade financeira no país e aumento no índice de desemprego, regularizar o sistema resultará em elevação desses números negativos.
Paralelo ao apelo pela permanência da metodologia operacional do Uber, os manifestantes ressaltaram o apoio dos próprios usuários. Caso as alterações sejam aprovadas pelos deputados federais, senadores, e posteriormente sancionadas pelo presidente Micael Temer, as mudanças aproximariam os novos serviços ao modelo dos táxis convencionais. A direção nacional do Uber altamente que enquanto no fim do ano passado o projeto de lei foi votado e aprovado no Senado com emendas que beneficiariam os motoristas de aplicativos de transporte particular, agora a Câmara quer retomar o projeto original.

O texto inicial impõe a obrigatoriedade de placa vermelha, de autorização perante a prefeitura de cada cidade e de carro registrado no nome do motorista. Estima-se que atualmente 20 milhões de brasileiros possuem cadastros individualizados, e utilizam com frequência o sistema. As mesmas imposições se estendem para aplicativos com metodologia semelhante ao Uber; o 99 pop, já disponível na região metropolitana de Aracaju, se enquadra nessa nova possível composição administrativa. Para o condutor Sérgio Freire, a partir do momento em que as mudanças forem oficializadas, o país estará diante do maior índice de desempregados da história.

"Ao contrário do que alguns poucos insistem em afirmar, nós não estamos retirando o emprego de ninguém, apenas estamos, assim como milhões de colegas ao redor do mundo, ofertando às pessoas uma oportunidade diferenciada do serviço de transporte. Não tenho dúvidas que o índice de desemprego aumentará de forma significativa caso a câmara aprove. Precisamos, também, do apoio dos vereadores", declarou. Essa foi a terceira mobilização unificada dos condutores de Uber em Sergipe somente neste mês de fevereiro. A perspectiva do grupo é seguir unificando os atos e pressionando os deputados federais eleitos pelos sergipanos a votarem contra a PL 5587.

Compartilhando com Sérgio Freire, a também condutora Adriana Gonçalves aponta o Uber como principal responsável pelo retorno ao mercado de trabalho. "Estava desempregada há mais de cinco meses, não consegui uma nova oportunidade na minha área e felizmente o Uber tem sido meu porto seguro para manter minhas contas em dias. Não estou falando de uma remuneração exemplar, tão alta quanto já ouvir falar, mas é o suficiente para pelo menos pagar o combustível do carro e não ficar devendo a seu ninguém", declarou a condutora que concluiu fazendo um pedido: "não queremos brigar ou interferir na vida de nenhum vereador ou deputado, apenas queremos ter a certeza que eles estão ao nosso lado, e ao lado de milhares de sergipanos que apoiam e utilizam o serviço". (Milton Alves Júnior)