Ponte em fase final

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
OBRA JÁ FOI CONCLUÍDA E AGORA VAI COMEÇAR A INTERLIGAÇÃO DAS ADUTORAS
OBRA JÁ FOI CONCLUÍDA E AGORA VAI COMEÇAR A INTERLIGAÇÃO DAS ADUTORAS

Jacson e o presidente da Deso na obra da nova ponte de Pedra Branca
Jacson e o presidente da Deso na obra da nova ponte de Pedra Branca

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 01/03/2018 às 00:13:00

O governador Jackson Barreto visitou on-tem as obras de reconstrução da ponte de Pedra Branca, entre os municípios de Laranjeiras e Maruim, e de recomposição do trecho original Adutora do São Francisco, responsável por 67,19% do volume produzido para o abastecimento do sistema integrado da Grande Aracaju.
Acompanhado do presidente da Companhia de Saneamento de Sergipe, Carlos Melo, o governador percorreu o canteiro de obras da intervenção que é realizada com recursos oriundos do Programa Águas de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) e o Banco Mundial, um aporte de R$ 18.820.509,70.

"Como todos se lembram, essa obra surgiu de um desastre acontecido em 2015, quando a ponte cedeu, rompendo a adutora do São Francisco, que abastece Aracaju e a Grande Aracaju, causando problemas no abastecimento de água. O governo do Estado deu atestado de muita competência, porque através do Banco Mundial, com a Secretaria de Meio Ambiente, foi capaz de fazer um projeto, buscar recurso, fazer a obra e entregar. Uma obra que, do ponto de vista técnico, é bastante complicada, principalmente no sentido das fundações", disse o governador Jackson Barreto.

O governador destacou, ainda, que a população terá uma nova ponte moderna, que permitirá a passagem de pedestres, bicicletas e animais. "O fundamental em tudo isso é que nós temos agora uma obra nova, altamente moderna, feita em prazo recorde, e os moradores de Aracaju e da Grande Aracaju não sofreram com a falta de água. Estamos vendo uma adutora improvisada, mas que deu resultados positivos para a população de Sergipe. Eu me considero extremamente satisfeito com esse trabalho. Afinal de contas, são praticamente R$19 milhões. Significa dizer que nós estamos fazendo uma obra para as futuras gerações. Quando muitos pensam que o estado não planeja, a gente dá o atestado de rapidez e competência. A ponte cedeu, a adutora caiu, a cidade não ficou sem água. Tivemos que planejar rapidamente, fazer projeto rapidamente, alocar recursos e, em menos de três anos, estamos entregando a obra. É preciso que as pessoas tenham a compreensão da dimensão do governo que trabalha em todas as direções", destacou.

O diretor-presidente da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), Carlos Melo, informou que a previsão é que, dentro de 30 dias, dê início ao processo de interligação das duas linhas da Adutora do São Francisco. A conclusão da ponte vai possibilitar a liberação da nova ponte rodoviária da BR-101, que hoje é utilizada como suporte para a linha provisória que abastece Aracaju. "A Adutora esta quase concluída. Foi uma obra bastante complexa. Tivemos que reconstruir tudo depois da queda. Tiramos a ponte velha. Refizemos as fundações, mantendo os projetos originais. Desta vez, utilizamos o aço, que vai garantir uma qualidade e durabilidade à obra", informou.  

Em 2015, ocorreu o colapso da estrutura da ponte sobre o rio Sergipe no povoado Pedra Branca, Laranjeiras, com a paralisação total do sistema adutor do São Francisco, sistema responsável por 67,19% do volume produzido para o abastecimento do sistema Integrado de Aracaju. O sistema abastece Aracaju, Barra dos Coqueiros, São Cristóvão, Nossa Senhora do Socorro e Malhada dos Bois, atingindo aproximadamente 900.000 pessoas.
Como solução temporária, a adutora provisória do Sistema São Francisco foi instalada diretamente sobre o pavimento da 2ª ponte construída pelo DNIT para duplicação da BR-101. Na ocasião, o Banco Mundial realizava missão de supervisão em Sergipe referente ao Projeto. Consultado pela Semarh sobre a possibilidade do Banco auxiliar na reconstrução do sistema adutor, o Banco Mundial assentiu, viabilizando a inclusão da obra no Programa Águas de Sergipe.