Criança morre eletrocutada ao tocar em fio que caiu em área de Propriá

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Milena Rayane Silva Santos tinha apenas nove anos
Milena Rayane Silva Santos tinha apenas nove anos

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 05/03/2018 às 22:12:00

 

Milton Alves Júnior
Pela terceira vez somen-
te neste inicio de 2018, 
mais uma pessoa perde a vida após ser atingida por fios de alta tensão que se rompem e atingem pedestres. O caso mais recente foi registrado no último final de semana no bairro Remanso, município de Propriá, quando Milena Rayane Silva Santos, de apenas nove anos de idade, recebeu o impacto. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES) a criança chegou a ser rapidamente encaminhada para a unidade hospitalar da cidade, mas não resistiu à descarga. Sob protesto contra a empresa Energisa, responsável pelo sistema elétrico, o corpo de Milena Rayane foi velado e sepultado na manhã de ontem.
Gestores do grupo empresarial não concederam entrevista sobre o caso. Apenas por meio de nota encaminhada aos veículos de comunicação a Assessoria de Imprensa da Energisa informou que lamenta profundamente o mais novo ocorrido e que está disposta a colaborar com as autoridades policiais que estão investigando o caso. A empresa informou também que já deu início ao processo de apuração quanto às causas que levaram ao rompimento do cabo. A Energisa não informou se está disposta a arcar com as despesas da família de Milena; optou por destacar que o fornecimento de energia foi restabelecido e a rede que alimenta a comunidade da região é nova e está com a manutenção em dia.
Neste mesmo episódio trágico outra pessoa também sofreu consequências. Trata-se de um jovem de 18 anos, com identidade não revelada, o qual presenciou o acidente e tentou resgatar a criança segundos após sofrer com o rompimento do cabo. Sobre este paciente a SES confirmou que o jovem foi encaminhado às pressas ao hospital regional e em seguida encaminhado ao Hospital de Urgências de Sergipe (Huse), onde necessitou passar por cirurgia plástica. Até a noite de ontem não havia perspectiva de quando o rapaz deve receber alta médica. Ele seguia sendo acompanhado em uma sala pós-cirúrgica, e o quadro clinico era estável.
Reincidência - O triste caso enfrentado pela família de Milena Rayane Silva Santos apenas se confunde com a vivenciada pela de Érica Soares dos Santos, e a de Jailton Veríssimo Cardoso. No primeiro caso do ano, registrado no dia 25 de janeiro, a jovem de 25 anos morreu eletrocutada após pisar em um fio de alta tensão no povoado Lagoa Redonda, em Pirambu. A vítima estava em companhia de familiares, em momento de lazer, em busca de um ambiente apropriado para realizar um acampamento. Já no dia primeiro de fevereiro o empresário Jailton Veríssimo Cardoso, conhecido como 'Jabá', 39 anos, morreu após ser atingido por um fio que se rompeu espontaneamente.
A vítima chegou a receber os primeiros socorros realizados por uma guarnição do Grupamento de Ações Táticas do Interior (Gati) que transitava pelo local no momento do sinistro, mas também não resistiu ao impacto. No mês de julho do ano passado, Márcio dos Santos Torres, de 43 anos, cidadão que trabalhava em uma feira livre no município de Aquidabã, também foi atingido por um fio da rede o qual se partiu com característica semelhantes aos deparados por Milena e Jailton. A Energisa não apresentou novidades quanto aos inquéritos em que investigam as causas dos rompimentos de cabos nos municípios de Barra dos Coqueiros, Propriá e Aquidabã.

Milton Alves Júnior
Pela terceira vez somen- te neste inicio de 2018,  mais uma pessoa perde a vida após ser atingida por fios de alta tensão que se rompem e atingem pedestres. O caso mais recente foi registrado no último final de semana no bairro Remanso, município de Propriá, quando Milena Rayane Silva Santos, de apenas nove anos de idade, recebeu o impacto. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES) a criança chegou a ser rapidamente encaminhada para a unidade hospitalar da cidade, mas não resistiu à descarga. Sob protesto contra a empresa Energisa, responsável pelo sistema elétrico, o corpo de Milena Rayane foi velado e sepultado na manhã de ontem.Gestores do grupo empresarial não concederam entrevista sobre o caso. Apenas por meio de nota encaminhada aos veículos de comunicação a Assessoria de Imprensa da Energisa informou que lamenta profundamente o mais novo ocorrido e que está disposta a colaborar com as autoridades policiais que estão investigando o caso. A empresa informou também que já deu início ao processo de apuração quanto às causas que levaram ao rompimento do cabo. A Energisa não informou se está disposta a arcar com as despesas da família de Milena; optou por destacar que o fornecimento de energia foi restabelecido e a rede que alimenta a comunidade da região é nova e está com a manutenção em dia.Neste mesmo episódio trágico outra pessoa também sofreu consequências. Trata-se de um jovem de 18 anos, com identidade não revelada, o qual presenciou o acidente e tentou resgatar a criança segundos após sofrer com o rompimento do cabo. Sobre este paciente a SES confirmou que o jovem foi encaminhado às pressas ao hospital regional e em seguida encaminhado ao Hospital de Urgências de Sergipe (Huse), onde necessitou passar por cirurgia plástica. Até a noite de ontem não havia perspectiva de quando o rapaz deve receber alta médica. Ele seguia sendo acompanhado em uma sala pós-cirúrgica, e o quadro clinico era estável.
Reincidência - O triste caso enfrentado pela família de Milena Rayane Silva Santos apenas se confunde com a vivenciada pela de Érica Soares dos Santos, e a de Jailton Veríssimo Cardoso. No primeiro caso do ano, registrado no dia 25 de janeiro, a jovem de 25 anos morreu eletrocutada após pisar em um fio de alta tensão no povoado Lagoa Redonda, em Pirambu. A vítima estava em companhia de familiares, em momento de lazer, em busca de um ambiente apropriado para realizar um acampamento. Já no dia primeiro de fevereiro o empresário Jailton Veríssimo Cardoso, conhecido como 'Jabá', 39 anos, morreu após ser atingido por um fio que se rompeu espontaneamente.A vítima chegou a receber os primeiros socorros realizados por uma guarnição do Grupamento de Ações Táticas do Interior (Gati) que transitava pelo local no momento do sinistro, mas também não resistiu ao impacto. No mês de julho do ano passado, Márcio dos Santos Torres, de 43 anos, cidadão que trabalhava em uma feira livre no município de Aquidabã, também foi atingido por um fio da rede o qual se partiu com característica semelhantes aos deparados por Milena e Jailton. A Energisa não apresentou novidades quanto aos inquéritos em que investigam as causas dos rompimentos de cabos nos municípios de Barra dos Coqueiros, Propriá e Aquidabã.