Jackson é recebido por comunidade indígena Xokó de Porto da Folha

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Jackson durante visita a tribo dos índios Xokó
Jackson durante visita a tribo dos índios Xokó

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 05/03/2018 às 22:47:00

 

O governador Jackson Barreto, atendendo um convite dos índios Xokó, de Porto da Folha, dirigiu-se à comunidade indígena, localizada na Ilha de São Pedro, que fica às margens do Rio São Francisco, para discutir as demandas da aldeia. Acompanhado do ex-prefeito de Poço Redondo, Roberto Araújo, e do ex-prefeito de Porto da Folha, Manoel de Rosinha, o governador foi recebido com festa pela comunidade local e se colocou à disposição em ajudar nos pleitos da comunidade. 
"Hoje foi um dia excepcional. Visitei meus amigos e pude dialogar com a aldeia Xokó sobre as demandas da região. Muito mais que um encontro fraterno entre um governador e membros de uma tribo indígena. Hoje acontece aqui um encontro de velhos companheiros de luta. Somos companheiros de muito tempo, da época do saudoso bispo Dom José Brandão de Castro, que foi um grande bispo das causas sociais de Sergipe, de Frei Enoque quando era o pároco da paróquia de Porto da Folha de Nossa Senhora da Conceição. Lutei muito por eles no meu mandato de deputado, depois como vice-governador e agora como governador. Sempre estive ao lado dos trabalhadores, ao lado dos lutadores pela posse da terra. Eu venho aqui cheio de boas lembranças dos que participaram da luta, como bispo Dom José Brandão de Castro, de Frei Enoque e de Marcelo Déda que deu a sua contribuição, deixou obras aqui na ilha de São Pedro. Digo ao nosso povo que a nossa ligação não é uma ligação apenas de um governador do Estado, mas um amigo, companheiro histórico de luta", frisou o governador Jackson Barreto. 
Na oportunidade, o governador ouviu atento aos anseios da comunidade, que reivindicou entre outras coisas, melhorias estruturais para a comunidade e para a estrada que dá acesso à região. Além disso, a comunidade reivindicou adequações para o Colégio Indígena Estadual Dom José Brandão de Castro e no ensino indígena. 
Para o chefe da tribo indígena, Cacique Bah, a visita do governador representa a conquista de melhorias para a aldeia.  "Jackson sempre foi um homem sensível, que nos ajudou nos nossos momentos de luta e dificuldades. Hoje ele esteve aqui conosco, ouvindo nossas principais reivindicações, principalmente na questão da educação, tanto na estrutura da nossa escola, como na questão do preenchimento das vagas dos professores, assim como melhorias para a estrada que dá acesso a nossa região. Tenho certeza que ele lutará pelos interesses da nossa comunidade", declarou. 
O encontro com o governador Jackson Barreto deixou a todos os presentes muitos comovidos, em particular, o índio Nilo Acácio. "Essa visita do governador me trouxe várias recordações. Lembro como se fosse hoje, de  uma manifestação na cidade Propriá, quando ele era deputado federal. Na ocasião, ele foi, sem dúvidas, um dos políticos mais atuante na luta pelos direitos do nosso povo", recordou o senhor.
 
Para a índia Daniele Silva dos Santos, "Jackson já tem uma história com a comunidade, pelo fato de ter estado conosco na luta pela retomada das nossas terras. Então, essa visita tem um intuito de estreitarmos mais ainda a nossa relação. Além disso, é uma forma de apresentarmos nossas principais demandas". 
Outro que ficou satisfeito com a visita do governador foi o índio Lindomar. "Jackson é um grande irmão para a nossa comunidade. Este é um momento de muita alegria para toda nossa comunidade por receber um homem que faz parte da história de liberdade do povo Xokó", ressaltou. 
A aldeia Xokó tem 95 hectares e fica a 186 quilômetros da capital na ilhota de São Pedro do rio São Francisco. Tem 500 índios que moram em casas de alvenaria, se comunicam por telefone celular, fazem faculdade e se locomovem por meio de carros e motocicletas. A comunidade sobrevive através da pesca, agricultura e  criação de animais. Os cerca de 80 indiozinhos estudam em escola sediada na aldeia e que leva o nome de Dom José Brandão de Castro, um dos grandes incentivadores e apoiadores na luta dos índios.

O governador Jackson Barreto, atendendo um convite dos índios Xokó, de Porto da Folha, dirigiu-se à comunidade indígena, localizada na Ilha de São Pedro, que fica às margens do Rio São Francisco, para discutir as demandas da aldeia. Acompanhado do ex-prefeito de Poço Redondo, Roberto Araújo, e do ex-prefeito de Porto da Folha, Manoel de Rosinha, o governador foi recebido com festa pela comunidade local e se colocou à disposição em ajudar nos pleitos da comunidade. 
"Hoje foi um dia excepcional. Visitei meus amigos e pude dialogar com a aldeia Xokó sobre as demandas da região. Muito mais que um encontro fraterno entre um governador e membros de uma tribo indígena. Hoje acontece aqui um encontro de velhos companheiros de luta. Somos companheiros de muito tempo, da época do saudoso bispo Dom José Brandão de Castro, que foi um grande bispo das causas sociais de Sergipe, de Frei Enoque quando era o pároco da paróquia de Porto da Folha de Nossa Senhora da Conceição. Lutei muito por eles no meu mandato de deputado, depois como vice-governador e agora como governador. Sempre estive ao lado dos trabalhadores, ao lado dos lutadores pela posse da terra. Eu venho aqui cheio de boas lembranças dos que participaram da luta, como bispo Dom José Brandão de Castro, de Frei Enoque e de Marcelo Déda que deu a sua contribuição, deixou obras aqui na ilha de São Pedro. Digo ao nosso povo que a nossa ligação não é uma ligação apenas de um governador do Estado, mas um amigo, companheiro histórico de luta", frisou o governador Jackson Barreto. 
Na oportunidade, o governador ouviu atento aos anseios da comunidade, que reivindicou entre outras coisas, melhorias estruturais para a comunidade e para a estrada que dá acesso à região. Além disso, a comunidade reivindicou adequações para o Colégio Indígena Estadual Dom José Brandão de Castro e no ensino indígena. 
Para o chefe da tribo indígena, Cacique Bah, a visita do governador representa a conquista de melhorias para a aldeia.  "Jackson sempre foi um homem sensível, que nos ajudou nos nossos momentos de luta e dificuldades. Hoje ele esteve aqui conosco, ouvindo nossas principais reivindicações, principalmente na questão da educação, tanto na estrutura da nossa escola, como na questão do preenchimento das vagas dos professores, assim como melhorias para a estrada que dá acesso a nossa região. Tenho certeza que ele lutará pelos interesses da nossa comunidade", declarou. 
O encontro com o governador Jackson Barreto deixou a todos os presentes muitos comovidos, em particular, o índio Nilo Acácio. "Essa visita do governador me trouxe várias recordações. Lembro como se fosse hoje, de  uma manifestação na cidade Propriá, quando ele era deputado federal. Na ocasião, ele foi, sem dúvidas, um dos políticos mais atuante na luta pelos direitos do nosso povo", recordou o senhor. Para a índia Daniele Silva dos Santos, "Jackson já tem uma história com a comunidade, pelo fato de ter estado conosco na luta pela retomada das nossas terras. Então, essa visita tem um intuito de estreitarmos mais ainda a nossa relação. Além disso, é uma forma de apresentarmos nossas principais demandas". 
Outro que ficou satisfeito com a visita do governador foi o índio Lindomar. "Jackson é um grande irmão para a nossa comunidade. Este é um momento de muita alegria para toda nossa comunidade por receber um homem que faz parte da história de liberdade do povo Xokó", ressaltou. 
A aldeia Xokó tem 95 hectares e fica a 186 quilômetros da capital na ilhota de São Pedro do rio São Francisco. Tem 500 índios que moram em casas de alvenaria, se comunicam por telefone celular, fazem faculdade e se locomovem por meio de carros e motocicletas. A comunidade sobrevive através da pesca, agricultura e  criação de animais. Os cerca de 80 indiozinhos estudam em escola sediada na aldeia e que leva o nome de Dom José Brandão de Castro, um dos grandes incentivadores e apoiadores na luta dos índios.