A procura do vice

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Com a Universidade Federal de Sergipe (UFS), a Prefeitura de Aracaju assinou ontem um Termo de Cooperação Técnica para o estabelecimento de parcerias entre a instituição de ensino superior e a Secretaria Municipal da Assistência Social e a Fundação Munici
Com a Universidade Federal de Sergipe (UFS), a Prefeitura de Aracaju assinou ontem um Termo de Cooperação Técnica para o estabelecimento de parcerias entre a instituição de ensino superior e a Secretaria Municipal da Assistência Social e a Fundação Munici

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/03/2018 às 23:27:00

Com a Universidade Federal de Sergipe (UFS), a Prefeitura de Aracaju assinou ontem um Termo de Cooperação Técnica para o estabelecimento de parcerias entre a instituição de ensino superior e a Secretaria Municipal da Assistência Social e a Fundação Municipal de Formação para o Trabalho (Fundat). O compromisso tem como finalidade o desenvolvimento de estudos relacionados à população em situação de rua, a construção de um diagnóstico situacional sobre o trabalho infantil e a oferta de dados mais aprofundados para serem usados de maneira mais qualificada para o mercado de trabalho.

A procura do vice

Chegamos hoje a 7 de março e não teve nenhum avanço com relação a formação da chapa majoritária tanto da base do governo quanto da oposição. Só se fala em pré-candidatos a governador e a senador, mas não em vice.

Por algum tempo o único nome de vice que estava em evidência foi o do deputado federal Valadares Filho (PSB). Seu nome estava bem cogitado  para ser o vice do senador Eduardo Amorim (PSDB) na disputa pelo governo no bloco liderado pelo deputado federal André Moura (PSC) e o próprio Eduardo.
Valadares Filho saiu da possibilidade de ser candidato a vice-governador para disputar o governo, por conta dos desentendimentos políticos, de bastidores, entre André e o senador Antônio Carlos Valadares (PSB). É que um não aceita o outro como companheiro de chapa na disputa para o Senado.

Eduardo gostaria de ter Valadares Filho como vice, por considerar um nome que soma pela boa densidade eleitoral em Aracaju, onde sempre foi muito bem votado para deputado federal e nas duas vezes em que disputou a Prefeitura de Aracaju. O senador, inclusive, tinha a pretensão de torná-lo coordenador da campanha na capital enquanto trabalharia o interior. Mas o impasse entre Valadares e André criou dificuldades para isso.
O senador continua procurando um vice que some, sendo essa a razão de não ter sido anunciada ainda que é o pré-candidato a governador e André o pré-candidato a senador. É que Eduardo somente colocará seu nome para o governo com um vice competitivo, que não achou ainda.

Em 2014, quando disputou o governo com Jackson Barreto, o senador tucano teve dificuldades para achar um vice com a recusa do PSB em não indicar Valadares Filho para o posto. Depois de muito bater cabeça, e com o apoio do ex-governador Albano Franco (PSDB), se chegou ao nome do ex-deputado federal Augusto Franco Neto.
Eduardo Amorim foi para a disputa em 2014 tendo como companheiro de chapa Augusto Franco Neto, um jovem, mas que estava longe da vida política partidária há vários anos. Mesmo com grandes recursos e um agrupamento forte, acabou perdendo as eleições para JB, que tinha Belivaldo Chagas (MDB) como vice, por uma diferença superior a 120 mil votos.

Como gato escaldado tem medo de água fria, Eduardo só pretende confirmar seu nome como pré-candidato a governador com o nome de um vice que realmente faça a diferença, tenha voto e carisma popular.
A prova maior é que o agrupamento político desejava que a definição do pré-candidato a governador ocorresse em janeiro, depois passou para fevereiro e já estamos chegando em meados de março e nada.
Belivaldo também não tem ainda um vice e vai precisar de um que tenha densidade eleitoral, carisma e ética na política.
Nas eleições de 2018, o vice pode fazer a diferença somado à ética.

Novo veto ao líder 1
Depois de lideranças do PSB declararem que o partido não aceitaria disputar uma eleição majoritária com o deputado federal André Moura (PSC) na chapa, por ser o líder de um governo desgastado e rejeitado pela maioria do povo brasileiro, agora é o vice-presidente nacional do PT, Márcio Macedo, que declara que não existe possibilidade de aliança entre o seu partido e o bloco liderado por "André e os irmãos Amorim".

Novo veto ao líder 2
 "Só não vamos discutir com o bloco liderado por André Moura, pois ele é o líder do governo golpista, que está querendo acabar com a aposentadoria do brasileiro, do trabalhador que se esforçou a vida inteira e no final da vida não pode nem se aposentar. André e Amorim são da turma de Temer, que está acabando com o Brasil e Sergipe, gerando desemprego".
No aguardo 1
O presidente de honra do PRB, ex-deputado federal e ex-prefeito Heleno Silva, disse ontem à coluna que o seu partido continua aguardando as definições políticas para tomar uma posição sobre as eleições deste ano. "Estamos aguardando para saber se Belivaldo vai ou não assumir o governo e se Jackson será ou não candidato ao Senado. As articulações ocorrerão a partir daí, quando vamos aprofundar as conversas", afirmou.

No aguardo 2
"Está tudo muito cinzento. Apareceu agora o nome de Eliane [Aquino] para a chapa majoritária e JB pode ou não deixar o governo", avalia Heleno, enfatizando que o quadro sucessório vai ser definido mesmo com a saída ou não de Jackson do governo.

Aposta na saída
Quem esteve com o governador Jackson Barreto no final de semana não tem dúvidas de que ele deixará o governo. O entendimento é que JB só fará isso no final do prazo estabelecido pela legislação eleitoral, que é 7 de abril. "Jackson não quer deixar o governo sem inaugurar algumas obras e sem resolver a questão do salário dos servidores, aposentados e pensionistas", afirmou um amigo aliado de JB à coluna.

Otimista
Na sua concepção, mesmo Belivaldo assumindo o governo a partir de 8 de abril conseguirá dar uma guinada na gestão "por ser mais prático e não ter os dinossauros do MDB travando a administração".

Homenagem
póstuma 1

No próximo domingo, no Parque da Sementeira, o governador Jackson Barreto vai inaugurar o Monumento Marcelo Déda.  Será às 17h, com a presença de familiares do ex-governador petista que faleceu em dezembro de 2013, apresentação artística, iluminação especial e show pirotécnico.

Homenagem
póstuma 2

Para JB, a construção de um monumento em homenagem a Déda em um espaço abandonado da Sementeira e a inauguração no dia em que completaria 58 anos, 11 de março, é uma demonstração de que não esquece do amigo. Vale lembrar que no ano passado o governador inaugurou um conjunto que denominou de José Eduardo Dutra, também um amigo que faleceu e foi senador por Sergipe.

Saiu de pauta
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) retirou ontem da pauta dessa quinta-feira o julgamento das preliminares dos processos contra cinco deputados e uma ex-deputada no caso da subvenção da Assembleia Legislativa em 2014. Deve ser mantido o julgamento previsto para o dia 13 de março.

Janela-partidária 1
A partir de hoje abre-se uma janela para políticos trocarem de partido sem correr o risco de perder o mandato.  A chamada janela partidária vai se estender até 7 de abril.

Janela partidária 2
Na Câmara dos Deputados e no Senado não tem nenhum parlamentar de Sergipe com a pretensão de mudar de partido. Na Assembleia Legislativa, existe a possibilidade de mudança de legenda dos deputados Augusto Bezerra (PHS), Gustinho Ribeiro (PRP) e alguns parlamentares do MDB, no caso de não se fechar um entendimento de que na coligação encabeçada por Belivaldo Chagas não haverá chapão para deputado estadual, mas chapinhas.

Janela partidária 3
O Congresso em Foco noticiou ontem que com a abertura da janela partidária, a Câmara deverá se tornar uma espécie de "feira livre". Diz que há partidos, como o PTB e o PR, que oferecem até R$ 2,5 milhões - teto do gasto da campanha de um candidato a deputado federal - para bancar integralmente os custos da eleição. E que o MDB, do presidente Michel Temer, acena com a doação R$ 1,5 milhão, mesmo valor a ser destinado aos atuais emedebistas. Também tem sido oferecido espaço garantido em inserções no horário eleitoral.

Janela partidária 4
Em 2016, na última janela partidária, foram registradas mais de 70 mudanças partidárias. A tendência, porém, é que esse número seja superado este ano devido às novas regras eleitorais.  Os partidos querem atrair mais deputados para os seus quadros por proporcionar mais recursos do fundo partidário e tempo de TV.

Janela partidária 5
A janela será fundamental também para as pretensões de dois dos três primeiros colocados nas pesquisas de intenção de voto: Jair Bolsonaro (PSL), que aparece na segunda colocação, e Marina Silva (Rede), terceira colocada. Hoje os dois partidos têm apenas três representantes no Congresso. Caso não alcancem ao menos cinco representantes no Congresso, Bolsonaro e Marina correm o risco de ficar fora dos debates eleitorais. Nesse caso, as emissoras de rádio e TV ficam desobrigadas de chamá-los para participar do momento de maior projeção da campanha eleitoral.

Veja essa...
Uma liderança política afirmou à coluna ser muito difícil o PSB viabilizar uma eleição majoritária com o deputado federal Valadares Filho concorrendo ao governo e o senador Valadares à reeleição. No seu entendimento, ninguém vai aceitar que duas vagas da majoritária fiquem com os Valadares.

Curtas
No final da manhã de ontem, a Câmara Municipal de Aracaju foi notificada pela Justiça para instalação da CPI do Lixo. Com a notificação, a Mesa Diretora terá apenas três sessões plenárias para instalar a Comissão, que vai apurar possível irregularidade na coleta do lixo na capital.

A vereadora Emília Corrêa (Patriota) cobra que na formação dos cinco membros da CPI do Lixo a oposição ocupe o mínimo de duas das cinco vagas. "Se for de maneira diferente a comissão não avança", ressaltou.

Para a vereadora Kitty Lima (Rede) é "um momento histórico para Aracaju" o início das atividades do Castramóvel na capital, visando o combate de zoonoses e o controle populacional dos animais por meio da castração. Ela é autora da lei que regulamenta o serviço em Aracaju.

Vagas não ocupadas em faculdades e universidades poderão ser preenchidas por pessoas com mais de 60 anos.  A proposta (PLS 254/2016) é de autoria do senador Eduardo Amorim (PSDB).

Ontem, em Brasília, o ex-prefeito Ezequiel Leite (PR/Capela) reafirmou seu compromisso político com a oposição em Sergipe. Disse que o seu agrupamento no município só está aguardando definição entre o senador Eduardo Amorim e o deputado federal André Moura sobre quem será o pré-candidato a governador.