Cinco vereadores abrem sessão para manter prazo de CPI

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Presidente da sessão, Américo de Deus assina ata ao lado de outros vereadores
Presidente da sessão, Américo de Deus assina ata ao lado de outros vereadores

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 08/03/2018 às 08:41:00

 

Eram exatamente 
21h38 dessa terça-
feira (06), quando um servidor da Câmara de Vereadores de Aracaju enviou e-mail a todos os parlamentares informando que não haveria a 8ª sessão ordinária nem audiência pública nesta quarta, 7, devido ao falecimento do esposo de uma funcionária da casa legislativa. Mas a sessão aconteceu. Entendendo a urgência da instauração das CPIs do Lixo e da Saúde, os vereadores Lucas Aribé (PSB), Américo de Deus e Kitty Lima (Rede), Emília Correia (Patriota) e Cabo Amintas (PTB) compareceram ao plenário e cumpriram todo o procedimento regimental.
 As presenças foram registradas em ata, devido à ausência de servidores para ligar o painel eletrônico. Para esses vereadores, com isso o prazo para a mesa diretora da Câmara instaurar as comissões parlamentares de inquérito - definido pelo presidente Nitinho Vitale (PSD) - continua mantido até a próxima terça-feira (13).
"Abrimos a sessão entendendo o momento de dor, de pesar, mas não poderíamos nos furtar da nossa responsabilidade perante o povo de Aracaju. A nossa função aqui é representar a população neste momento tão importante. São três sessões ordinárias para instaurar as CPIs, além disso temos proposituras para serem votadas. Portanto, nos consternamos com a dor da perda da servidora, mas não fugimos ao nosso compromisso", afirma o vereador Américo de Deus, que presidiu a sessão.
O vereador Cabo Amintas, líder da oposição na Câmara, foi o primeiro secretário. Para ele, alguns colegas parlamentares se ausentaram como estratégia para adiar o andamento das comissões parlamentares de inquérito. "Considero uma falta de respeito para com a família da servidora se utilizar de um momento de dor para não comparecer ao plenário e protelar a instauração das CPIs. Todos nós, que estamos aqui, fomos ao velório, demos um abraço na querida servidora, na família, continuaremos acompanhando este momento triste, mas querer chamar o povo de Aracaju de besta, isso não vamos admitir. Viemos, abrimos e encerramos a sessão, o que é legal, de acordo com o regimento da casa", diz. 
"Independentemente do momento de dor, que é inquestionável e todos nós sentimos como seres humanos que somos, existe um dever a cumprir e do qual não podemos abrir mão, pois temos uma prestação de contas a fazer ao povo de Aracaju, somos pagos para isso. O pesar da Câmara poderia estar sendo representado por uma comissão de parlamentares, mas não realizar a sessão seria um desrespeito à população", avalia a vereadora Emília Correia.

Eram exatamente  21h38 dessa terça- feira (06), quando um servidor da Câmara de Vereadores de Aracaju enviou e-mail a todos os parlamentares informando que não haveria a 8ª sessão ordinária nem audiência pública nesta quarta, 7, devido ao falecimento do esposo de uma funcionária da casa legislativa. Mas a sessão aconteceu. Entendendo a urgência da instauração das CPIs do Lixo e da Saúde, os vereadores Lucas Aribé (PSB), Américo de Deus e Kitty Lima (Rede), Emília Correia (Patriota) e Cabo Amintas (PTB) compareceram ao plenário e cumpriram todo o procedimento regimental.
 As presenças foram registradas em ata, devido à ausência de servidores para ligar o painel eletrônico. Para esses vereadores, com isso o prazo para a mesa diretora da Câmara instaurar as comissões parlamentares de inquérito - definido pelo presidente Nitinho Vitale (PSD) - continua mantido até a próxima terça-feira (13).
"Abrimos a sessão entendendo o momento de dor, de pesar, mas não poderíamos nos furtar da nossa responsabilidade perante o povo de Aracaju. A nossa função aqui é representar a população neste momento tão importante. São três sessões ordinárias para instaurar as CPIs, além disso temos proposituras para serem votadas. Portanto, nos consternamos com a dor da perda da servidora, mas não fugimos ao nosso compromisso", afirma o vereador Américo de Deus, que presidiu a sessão.
O vereador Cabo Amintas, líder da oposição na Câmara, foi o primeiro secretário. Para ele, alguns colegas parlamentares se ausentaram como estratégia para adiar o andamento das comissões parlamentares de inquérito. "Considero uma falta de respeito para com a família da servidora se utilizar de um momento de dor para não comparecer ao plenário e protelar a instauração das CPIs. Todos nós, que estamos aqui, fomos ao velório, demos um abraço na querida servidora, na família, continuaremos acompanhando este momento triste, mas querer chamar o povo de Aracaju de besta, isso não vamos admitir. Viemos, abrimos e encerramos a sessão, o que é legal, de acordo com o regimento da casa", diz. 
"Independentemente do momento de dor, que é inquestionável e todos nós sentimos como seres humanos que somos, existe um dever a cumprir e do qual não podemos abrir mão, pois temos uma prestação de contas a fazer ao povo de Aracaju, somos pagos para isso. O pesar da Câmara poderia estar sendo representado por uma comissão de parlamentares, mas não realizar a sessão seria um desrespeito à população", avalia a vereadora Emília Correia.