Secretário de Planejamento reafirma que governo prioriza o servidor público

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 08/03/2018 às 08:57:00

 

O secretário de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), Rosman Pereira, rebate as acuações de alguns dirigentes sindicais de que o Governo do Estado prioriza obras e não pagamento de salários dos servidores públicos. "Não compreendo a afirmação, de quem quer que seja, de que o governo possui recursos e não paga o salário em dias dos servidores, aposentados e pensionistas porque não quer", afirma.
Segundo Rosman, todos sabem da situação de crise econômica que vive o país, bem como Sergipe.  "A crise ainda se agrava em todos os estados pelo regime próprio de previdência. O déficit da previdência em Sergipe é superior aos R$ 100 milhões mensais", lembra.
"É uma inverdade dizer que o governo prioriza obras. Historicamente esse governo sempre priorizou os servidores e jamais priorizaria qualquer outra área em detrimento do pagamento dos servidores, aposentados e pensionistas", afirma, ressaltando o esforço enveredado pelo governo para fazer economia, a exemplo de todos os cortes de gastos feitos recentemente na tentativa de regularizar o pagamento de pessoal.

O secretário de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), Rosman Pereira, rebate as acuações de alguns dirigentes sindicais de que o Governo do Estado prioriza obras e não pagamento de salários dos servidores públicos. "Não compreendo a afirmação, de quem quer que seja, de que o governo possui recursos e não paga o salário em dias dos servidores, aposentados e pensionistas porque não quer", afirma.
Segundo Rosman, todos sabem da situação de crise econômica que vive o país, bem como Sergipe.  "A crise ainda se agrava em todos os estados pelo regime próprio de previdência. O déficit da previdência em Sergipe é superior aos R$ 100 milhões mensais", lembra.
"É uma inverdade dizer que o governo prioriza obras. Historicamente esse governo sempre priorizou os servidores e jamais priorizaria qualquer outra área em detrimento do pagamento dos servidores, aposentados e pensionistas", afirma, ressaltando o esforço enveredado pelo governo para fazer economia, a exemplo de todos os cortes de gastos feitos recentemente na tentativa de regularizar o pagamento de pessoal.