Monumento em homenagem a Marcelo Déda recebe os últimos ajustes

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 08/03/2018 às 22:31:00

 

Com inauguração prevista para o próximo domingo (11), o Monumento Governador Marcelo Déda está recebendo os últimos ajustes para se tornar o mais novo atrativo do Parque Augusto Franco (Sementeira). O projeto faz uma ligação entre o contato com a natureza, e a trajetória de um dos gestores que marcou a história política de Sergipe. No local, estrategicamente escolhido entre as árvores plantadas pelo ex-governador e sua esposa, a vice-prefeita Eliane Aquino, será fixada uma estátua fiel de Marcelo Déda, com o jornal 'A Semana', de Simão Dias, em seu colo.
"O pano de fundo desse local, que é uma obra de arte, é o plantio de árvores que aconteceu quando Déda era prefeito. E isso vai ficar marcado para o resto da vida com um significado muito especial da homenagem da gente sergipana a figura do saudoso governador Marcelo Déda. É uma obra diferente, assim como ele era, e que nos leva para um mundo extremamente moderno, com uma arquitetura bastante avançada, sinalizando as pessoas que têm compromisso com o novo tempo, com o futuro. Assumi o compromisso de retomar essa obra junto a Eliane Aquino e estamos entregando no dia que Déda completaria 58 anos", destacou o governador Jackson Barreto em uma das visitas à obra.
Ainda compõem a área onde foi erguido o monumento um espelho d'água e um grande disco, com o mapa de Sergipe gravado em granito. Para marcar a terra natal de Déda, uma nascente foi colocada exatamente em cima a localização do município de Simão Dias. Ao redor do espelho d´água, 52 duas estrelas, mais uma 53ª, localizada na nascente, representam os anos vividos por Déda. O moderno projeto de iluminação será conduzido através de sensores, onde cada estrela ficará acesa todas as noites.
De acordo com o diretor presidente do Instituto Banese, Ézio Déda, a ideia do monumento surgiu a partir do pedido feito pelo próprio Marcelo Déda, de que suas cinzas fossem depositadas na árvore que ele plantou enquanto prefeito de Aracaju. Após o seu falecimento, era preciso pensar sobre como fazer isso, sem criar uma atmosfera fúnebre.

Com inauguração prevista para o próximo domingo (11), o Monumento Governador Marcelo Déda está recebendo os últimos ajustes para se tornar o mais novo atrativo do Parque Augusto Franco (Sementeira). O projeto faz uma ligação entre o contato com a natureza, e a trajetória de um dos gestores que marcou a história política de Sergipe. No local, estrategicamente escolhido entre as árvores plantadas pelo ex-governador e sua esposa, a vice-prefeita Eliane Aquino, será fixada uma estátua fiel de Marcelo Déda, com o jornal 'A Semana', de Simão Dias, em seu colo.
"O pano de fundo desse local, que é uma obra de arte, é o plantio de árvores que aconteceu quando Déda era prefeito. E isso vai ficar marcado para o resto da vida com um significado muito especial da homenagem da gente sergipana a figura do saudoso governador Marcelo Déda. É uma obra diferente, assim como ele era, e que nos leva para um mundo extremamente moderno, com uma arquitetura bastante avançada, sinalizando as pessoas que têm compromisso com o novo tempo, com o futuro. Assumi o compromisso de retomar essa obra junto a Eliane Aquino e estamos entregando no dia que Déda completaria 58 anos", destacou o governador Jackson Barreto em uma das visitas à obra.
Ainda compõem a área onde foi erguido o monumento um espelho d'água e um grande disco, com o mapa de Sergipe gravado em granito. Para marcar a terra natal de Déda, uma nascente foi colocada exatamente em cima a localização do município de Simão Dias. Ao redor do espelho d´água, 52 duas estrelas, mais uma 53ª, localizada na nascente, representam os anos vividos por Déda. O moderno projeto de iluminação será conduzido através de sensores, onde cada estrela ficará acesa todas as noites.
De acordo com o diretor presidente do Instituto Banese, Ézio Déda, a ideia do monumento surgiu a partir do pedido feito pelo próprio Marcelo Déda, de que suas cinzas fossem depositadas na árvore que ele plantou enquanto prefeito de Aracaju. Após o seu falecimento, era preciso pensar sobre como fazer isso, sem criar uma atmosfera fúnebre.