Corpo de Marielle deixa Câmara do Rio sob aplausos e pedidos de justiça

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O corpo da vereadora Marielle Franco deixa Câmara do Rio sob aplausos
O corpo da vereadora Marielle Franco deixa Câmara do Rio sob aplausos

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 15/03/2018 às 22:54:00

 

Vladimir Platonow 
Agência Brasil
O corpo da vereadora Marielle Franco deixou a Câmara Municipal do Rio às 16h05, depois de ser velado por cerca de 1h30. A imprensa não teve acesso ao local da cerimônia, que foi reservada aos familiares, amigos próximos, políticos e lideranças comunitárias.
Na saída a multidão se concentrou na Cinelândia, em frente à Câmara. O caixão saiu sob intenso aplauso e pedidos de justiça.
O enterro foi realizado no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, zona portuária.
Marielle foi assassinada com quatro tiros na cabeça, quando ia para casa no bairro da Tijuca, zona norte do Rio, retornando de um evento ligado ao movimento negro, na Lapa. A parlamentar viajava no banco de trás do carro, quando os criminosos emparelharam com o carro da vítima e atiraram nove vezes. Além da vereadora, também morreu no ataque Anderson Gomes, que trabalhava como motorista para o aplicativo Uber e prestava serviços eventuais para Marielle. Uma assessora que também estava no carro sobreviveu ao ataque.
A vereadora era moradora do Complexo da Maré e defensora dos direitos humanos, autora de frequentes denúncias de violações cometidas contra negros, moradores de favela, mulheres e pessoas LGBT.

O corpo da vereadora Marielle Franco deixou a Câmara Municipal do Rio às 16h05, depois de ser velado por cerca de 1h30. A imprensa não teve acesso ao local da cerimônia, que foi reservada aos familiares, amigos próximos, políticos e lideranças comunitárias.
Na saída a multidão se concentrou na Cinelândia, em frente à Câmara. O caixão saiu sob intenso aplauso e pedidos de justiça.
O enterro foi realizado no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, zona portuária.
Marielle foi assassinada com quatro tiros na cabeça, quando ia para casa no bairro da Tijuca, zona norte do Rio, retornando de um evento ligado ao movimento negro, na Lapa. A parlamentar viajava no banco de trás do carro, quando os criminosos emparelharam com o carro da vítima e atiraram nove vezes. Além da vereadora, também morreu no ataque Anderson Gomes, que trabalhava como motorista para o aplicativo Uber e prestava serviços eventuais para Marielle. Uma assessora que também estava no carro sobreviveu ao ataque.
A vereadora era moradora do Complexo da Maré e defensora dos direitos humanos, autora de frequentes denúncias de violações cometidas contra negros, moradores de favela, mulheres e pessoas LGBT.