Luciano Pimentel faz apelo à justiça na apuração de investigação envolvendo seu nome

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 20/03/2018 às 00:56:00

 

"Tenho minha alma limpa, meu nome limpo", essas foram algumas das palavras de desabafo do deputado Luciano Pimentel (PSB), no uso da tribuna do pequeno expediente, da sessão plenária desta segunda- feira (19), a fim de esclarecer fatos de matéria publicada no Estadão -  de São Paulo  envolvendo o seu nome em compra de votos.
Na tribuna, o deputado Luciano indignado explicou que não faz parte de gravação, onde está sendo acusado. Ainda em seu discurso, o deputado disse, se dirigindo ao povo sergipano, amigos e familiares que jamais praticou ato que levasse ao entendimento de compra de votos.
Ainda em tom de desabafo,  Luciano Pimentel pediu a justiça que avalie e apure o mais rápido possível a situação, para que a verdade venha a tona, e que não passe a ser objeto de uma indefinida campanha ou  em alguns casos, até de aproveitadores que buscam denegrir a imagem do político, simplesmente pelo fato de palavras, de ligações entre três pessoas, que em absoluto, jamais fez o entendimento que viesse a caracterizar alguma coisa semelhante ao que foi dito.
"Não há em meu gabinete nenhuma pessoa ligada politicamente ao município de Carira. Podem vir aqui verificar, podem vir buscar nesta Casa que não irão encontrar nenhum assessor ligado a nenhum político do referida cidade, assim como a nenhuma liderança de Carira", disse Pimentel
Entenda o caso - A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, autorizou a quebra de sigilo bancário da campanha de 2014 do líder do Governo no Congresso, André Moura (PSC/SE) em investigação sobre suposta compra de votos. Também é alvo da cautelar o senador Eduardo Amorim (PSDB/SE). Os dois parlamentares e o deputado estadual de Sergipe Luciano Pimentel (PSB), que permanece se defendendo em primeira instância das investigações porque não tem foro na Corte máxima, passaram a ser alvo de inquérito após grampos da Polícia Civil pegarem supostas tratativas no âmbito das eleições 2014 feitas por correligionários com eleitores do sertão do Estado.

"Tenho minha alma limpa, meu nome limpo", essas foram algumas das palavras de desabafo do deputado Luciano Pimentel (PSB), no uso da tribuna do pequeno expediente, da sessão plenária desta segunda- feira (19), a fim de esclarecer fatos de matéria publicada no Estadão -  de São Paulo  envolvendo o seu nome em compra de votos.
Na tribuna, o deputado Luciano indignado explicou que não faz parte de gravação, onde está sendo acusado. Ainda em seu discurso, o deputado disse, se dirigindo ao povo sergipano, amigos e familiares que jamais praticou ato que levasse ao entendimento de compra de votos.
Ainda em tom de desabafo,  Luciano Pimentel pediu a justiça que avalie e apure o mais rápido possível a situação, para que a verdade venha a tona, e que não passe a ser objeto de uma indefinida campanha ou  em alguns casos, até de aproveitadores que buscam denegrir a imagem do político, simplesmente pelo fato de palavras, de ligações entre três pessoas, que em absoluto, jamais fez o entendimento que viesse a caracterizar alguma coisa semelhante ao que foi dito.
"Não há em meu gabinete nenhuma pessoa ligada politicamente ao município de Carira. Podem vir aqui verificar, podem vir buscar nesta Casa que não irão encontrar nenhum assessor ligado a nenhum político do referida cidade, assim como a nenhuma liderança de Carira", disse Pimentel
Entenda o caso - A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, autorizou a quebra de sigilo bancário da campanha de 2014 do líder do Governo no Congresso, André Moura (PSC/SE) em investigação sobre suposta compra de votos. Também é alvo da cautelar o senador Eduardo Amorim (PSDB/SE). Os dois parlamentares e o deputado estadual de Sergipe Luciano Pimentel (PSB), que permanece se defendendo em primeira instância das investigações porque não tem foro na Corte máxima, passaram a ser alvo de inquérito após grampos da Polícia Civil pegarem supostas tratativas no âmbito das eleições 2014 feitas por correligionários com eleitores do sertão do Estado.