Belivaldo sela hoje ida para o PSD

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Antes da reunião do governador Jackson Barreto e da bancada federal de Sergipe e da Bahia com a direção da Petrobras ontem, em uma das salas das Comissões do Congresso, teve um princípio de tumulto. É que por questão de acomodação, o cerimonial só permiti
Antes da reunião do governador Jackson Barreto e da bancada federal de Sergipe e da Bahia com a direção da Petrobras ontem, em uma das salas das Comissões do Congresso, teve um princípio de tumulto. É que por questão de acomodação, o cerimonial só permiti

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/03/2018 às 23:26:00

 

O vice-governador Belivaldo Chagas (MDB) 
terá hoje uma reunião em Bra-sília com o 
presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab. Ao lado do deputado federal Fábio Mitidieri (PSD), Belivaldo tratará da sua filiação ao partido para disputar o governo em 2018.
A filiação de Belivaldo ao PSD não é nenhuma surpresa. Desde o ano passado que Mitidieri fez o convite como uma forma de contemplar o seu partido na chapa majoritária, que pleiteava a indicação do pré-candidato a vice quando o PRB e PT continuam reivindicando o Senado, que já tem uma vaga consensuada para o governador Jackson Barreto (MDB).
A decisão do vice-governador se filiar ao PSD não visa apenas facilitar a composição da chapa majoritária da base governista, possibilitando que PRB de Heleno Silva e o PT de Rogério Carvalho se entendam de modo que um fique com a indicação para o Senado e o outro com a indicação para vice.
Ela visa, também, a garantia da candidatura de Belivaldo ao governo nas eleições deste ano. É que no MDB, ele corria o risco de não conseguir registrar sua candidatura no caso, por exemplo, de no apagar das luzes do fechamento da janela o líder do governo no Congresso, deputado federal André Moura, deixar o PSC e assumir o comando do MDB em Sergipe. Ou até mesmo, durante as convenções, uma intervenção nacional para que o partido não tivesse candidato próprio ao governo para apoiar o candidato da coligação de André.
Todos sabem que não é das melhores a relação do MDB de Sergipe com o presidente Michel Temer (MDB). O governador Jackson Barreto, mesmo sendo do MDB, se posicionou publicamente contra o impeachment de Dilma Rousseff (PT). Disse que era contrário ao golpe e paga até hoje caro por isso.
Com a aprovação do impeachment em 2016 e Temer no governo, a relação de JB com o MDB nacional e com o governo Temer não é das melhores. Só não é pior em razão do deputado federal Fábio Reis (MDB), seu aliado, vir abrindo portas nos ministérios em Brasília e contendo qualquer investida maior contra o partido em Sergipe.
Trocando em miúdos, nesse momento de insegurança política por conta até da janela partidária, Belivaldo não quer arriscar. Não pestanejou em trocar o MDB, que não tem nem dois anos de filiado, pelo PSD. Matará dois coelhos com uma cajadada só.
Belivaldo fará a troca de partido, como a coluna já informou várias vezes, em comum acordo com o governador Jackson Barreto.

O vice-governador Belivaldo Chagas (MDB)  terá hoje uma reunião em Bra-sília com o  presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab. Ao lado do deputado federal Fábio Mitidieri (PSD), Belivaldo tratará da sua filiação ao partido para disputar o governo em 2018.
A filiação de Belivaldo ao PSD não é nenhuma surpresa. Desde o ano passado que Mitidieri fez o convite como uma forma de contemplar o seu partido na chapa majoritária, que pleiteava a indicação do pré-candidato a vice quando o PRB e PT continuam reivindicando o Senado, que já tem uma vaga consensuada para o governador Jackson Barreto (MDB).
A decisão do vice-governador se filiar ao PSD não visa apenas facilitar a composição da chapa majoritária da base governista, possibilitando que PRB de Heleno Silva e o PT de Rogério Carvalho se entendam de modo que um fique com a indicação para o Senado e o outro com a indicação para vice.
Ela visa, também, a garantia da candidatura de Belivaldo ao governo nas eleições deste ano. É que no MDB, ele corria o risco de não conseguir registrar sua candidatura no caso, por exemplo, de no apagar das luzes do fechamento da janela o líder do governo no Congresso, deputado federal André Moura, deixar o PSC e assumir o comando do MDB em Sergipe. Ou até mesmo, durante as convenções, uma intervenção nacional para que o partido não tivesse candidato próprio ao governo para apoiar o candidato da coligação de André.
Todos sabem que não é das melhores a relação do MDB de Sergipe com o presidente Michel Temer (MDB). O governador Jackson Barreto, mesmo sendo do MDB, se posicionou publicamente contra o impeachment de Dilma Rousseff (PT). Disse que era contrário ao golpe e paga até hoje caro por isso.
Com a aprovação do impeachment em 2016 e Temer no governo, a relação de JB com o MDB nacional e com o governo Temer não é das melhores. Só não é pior em razão do deputado federal Fábio Reis (MDB), seu aliado, vir abrindo portas nos ministérios em Brasília e contendo qualquer investida maior contra o partido em Sergipe.
Trocando em miúdos, nesse momento de insegurança política por conta até da janela partidária, Belivaldo não quer arriscar. Não pestanejou em trocar o MDB, que não tem nem dois anos de filiado, pelo PSD. Matará dois coelhos com uma cajadada só.
Belivaldo fará a troca de partido, como a coluna já informou várias vezes, em comum acordo com o governador Jackson Barreto.

 

Janela partidária

Alguns deputados estaduais também devem se beneficiar da janela partidária para trocar de partido até 7 de abril. Entre os que devem mudar de legenda Maria Mendonça, que deve deixar o PP para ingressar no PSDB; Capitão Samuel, que pode deixar o PSL para ingressar no PP; Goretti Reis, que pode sair do MDB para retornar ao DEM; Zezinho Guimarães, que pode sair do MDB para se filiar ao PSC, PRB ou PSB. Tem ainda o deputado Garibaldi Mendonça que, como Goretti e Zezinho, pode deixar o MDB para se filiar a outro partido com a indefinição do chapão na chapa proporcional governista.

 

Lutando pela Fafen 1

O governador Jackson Barreto (MDB) e a bancada federal de Sergipe marcaram presença na reunião ontem à tarde, com o presidente da Petrobras, Pedro Parente, e outros diretores da empresa, para discutir a hibernação da Fafen. A reunião, que contou ainda com a presença do vice-governador da Bahia, João Felipe de Souza Leão, e a bancada federal, teve como mediador o líder do governo no Congresso, deputado federal André Moura (PSC).

 

Lutando pela Fafen 2

Na reunião, após exposição dos dirigentes da Petrobras para hibernação da Fafen em Sergipe e Bahia, a partir de junho, André Moura propôs o adiamento da suspensão das atividades por 90 dias, a partir de 30 de junho, e a criação de uma comissão formada por integrantes dos dois estados para discutir o assunto.

 

Lutando pela Fafen 3

O governador apresentou uma proposta de 120 dias para se encontrar uma solução para evitar a hibernação, mediante formação de comissão com grupos técnicos dessas áreas para analisar o quadro. Disse que o governo fará uma revisão de tributos futuros cobrados a Fafen pelo gás natural,  tarifa de energia elétrica e água para proporcionar a viabilidade da Fafen.

 

Lutando pela Fafen 4

Para JB, é preciso aprofundar o prejuízo de R$ 600 milhões da Fafen em 2017, anunciado pela Petrobras, por avaliar que não chega a R$ 200 milhões, já que foram embutidos ações judiciais futuras. "Bastava a Petrobras abrir um novo poço de petróleo para cobrir esse prejuízo anunciado. Não quero que a Fafen tenha prejuízo, mas que seja forte e importante para Sergipe e o Brasil", frisou.

 

Lutando pela Fafen 5

Jackson criticou ainda a Petrobras por vender um gás muito caro para a Fafen, trabalhando, assim, para inviabilizar a fábrica de fertilizantes. Enfatizou que de 2014 a 2017 o gás comercializado pela empresa teve um reajuste de 117%, que considerava exorbitante.   

 

Colocações irônicas 1

O deputado federal Fábio Mitidieri (PSD), um dos parlamentares de Sergipe a falar na reunião, não poupou criticas a Petrobras e ao governo Temer. Disse que a Petrobras caminha na contramão ao sair do agronegócio fechando a Fafen. Perguntou qual foi o marqueteiro da empresa que propôs o anuncio de um prejuízo milionário da Fafen, o seu fechamento e que depois estaria a venda. "Quem vai comprar prejuízo?", indagou.

 

Colocações irônicas 2

Ironizou ainda Mitidieri: "Não vi a diretoria da Petrobras anunciar uma solução. A situação da Fafen não deve ser vista como um negócio, mas como um compromisso social. A onde está o presidente Pôncio Temer Pilatos, que lavou as mãos?".  Se referiu a Temer como o governador romano que lavou as mãos na condenação a morte na cruz de Jesus Cristo.

 

Acatando sugestão de JB

Ao final da reunião, por volta das 19h, o presidente da Petrobras acatou a sugestão do governador Jackson Barreto de conceder um prazo de 120 dias para se discutir a hibernação da Fafen, que já tinha sido referendada pelo vice-governador da Bahia.

 

Concurso público 1

No  próximo dia 3 de abril, o governador Jackson Barreto estará lançando o edital para realização de concurso público para polícia militar, corpo de bombeiros, agente penitenciário e gestor público.

 

Concurso público 2

Serão 300 vagas para soldado da PM e 30 para aspirante; 200 vagas para bombeiro soldado e 12 para aspirante; 100 vagas para guarda prisional; e 19 para gestor público. No concurso da Polícia Militar haverá 20% das vagas destinada para mulher soldado e 10% para afrodescendente.

 

Reunião da oposição

No final da manhã da segunda-feira passada teve uma reunião às portas fechadas na sede do PSDB em Aracaju. O senador Eduardo Amorim (PSDB) e André Moura (PSC) chegaram juntos para uma reunião com o ex-deputado federal José Carlos Machado (PSDB), o prefeito Fernandinho Franco (Macambira), a deputada estadual Maria Mendonça (PP), o advogado Manoel Cacho e o pastor Virgínio, suplente de senador de Maria do Carmo Alves (DEM).   Discutiram a formação da chapa majoritária e a crise com o PSB

 

De volta

O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) retornou ontem às atividades parlamentar no Senado, após 120 dias de licença médica e depois para interesse particular. Em discurso na tribuna, falou sobre o cenário político atual e fez análise de como trabalhar para o desenvolvimento de Sergipe e do Brasil. Destacou que voltava ao Senado com a consciência redobrada de que é obrigação mobilizar o povo brasileiro a ser o juiz do seu destino e dos destinos da Nação.

 

Depois da Fafen a Eletrobras 1

A Eletrobras fechou 2017 com prejuízo líquido de R$ 1,726 bilhão ante um lucro líquido de R$ 3,5 bilhões em 2016. Em comunicado divulgado ontem, a estatal informou que o resultado foi influenciado, principalmente, pelas provisões operacionais de R$ 4,646 bilhões e pelo prejuízo do segmento de distribuição de R$ 4,179 bilhões. Segundo a empresa, a receita operacional líquida foi de R$ 37,876 bilhões no ano passado.

 

Depois da Fafen a Eletrobras 2

Mais cedo, os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, disseram que o governo espera que o projeto de lei que trata da privatização da Eletrobras seja aprovado pelo Congresso Nacional ainda este ano. Segundo Oliveira, é possível que a aprovação ocorra antes das eleições, em outubro. Essa é a política do governo Temer.

 

Veja essa ..

Os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, da Secretaria de Governo, Carlos Marun, e do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, todos do MDB, tiveram seus telefones clonados por uma pessoa que passava mensagem dos seus telefones pedindo dinheiro. A farsa foi percebida pelos próprios contatos do ministro, que passaram a alertá-los a respeito do golpe.

 

Curtas

O deputado André Moura acompanhou ontem o prefeito Edvaldo Nogueira na visita ao ministro Max Beltrão (Turismo), onde foi tratado da liberação de obras visando o desenvolvimento do turismo na capital.

 

Ao usar da palavra na reunião sobre o fechamento da Fafen, o deputado Fábio Mitidieri registrou a deselegância de não permitir a entrada de várias autoridades e representantes da sociedade civil.

 

Da bancada federal de Sergipe estavam na reunião ontem com a Petrobras: os senadores Eduardo Amorim e Valadares; e os deputados federais André Moura, Fábio Reis, Fábio Mitidieri, João Daniel, Valadares Filho, Laércio Oliveira e Jony Marcos. 

 

O deputado federal Fábio Reis entregou ao Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Lagarto, novos equipamentos hospitalares que vão ampliar e modernizar os serviços prestados à população local. A aquisição foi feita através de emendas parlamentares de Fábio no valor de R$ 1,6 milhão.

 

O Governo do Estado e a Prefeitura de Aracaju decretaram ponto facultativo nessa quinta-feira, por conta da Semana Santa.