Jackson fala sobre nova situação da Fafen e concursos públicos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 29/03/2018 às 04:58:00

 

Em entrevista, o governador Jackson Barreto falou ontem sobre a reunião ocorrida em Brasília, junto com o presidente da Petrobras, Pedro Parente, a bancada federal e políticos da Bahia sobre o fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados em Sergipe (Fafen/SE). Atendendo ao pedido do governador, a Petrobras concedeu 120 dias - contados a partir de 30 de junho -, para que seja formada uma comissão com o intuito de buscar soluções para que a Fafen se mantenha nos dois estados. 
"Fizemos algumas propostas. Não se pode fechar a Fafen sem garantir empregos dos funcionários que estão lá, além de terceirizados, sem falar das nove empresas que funcionam ao longo da BR-101, aí vão mais de quatro mil empregos. Pedimos 120 dias e Pedro Parente aceitou nossa proposta. Aproveito para agradecer todos os parlamentares de Sergipe que participaram da reunião em Brasília. Nesse momento, a união da bancada é fundamental. O governo do Estado levou propostas concretas", frisou o governador.
Desde que recebeu o anúncio do possível fechamento da Fafen no final do semestre, o governador tem mobilizado toda a bancada federal em Sergipe para evitar esse desfecho negativo para o estado. "O que nós queremos é não prejudicar o desenvolvimento do estado, num momento em que se recebe uma termelétrica, que pode amanhã fornecer um gás muito barato a Fafen, um preço muito abaixo do que cobra a Petrobras, mantendo essa cadeia produtiva, salvando empregos, os trabalhadores, mantendo a qualidade de vida para os sergipanos", defendeu.
Jackson considera que o que encarece a Fábrica de Fertilizantes são os custos com o gás que a Petrobras vende à empresa, e sugeriu que essa questão também pudesse ser revista. Além disso, outro ponto que pesa no processo de negociação diz respeito à dívida da Petrobras com relação aos impostos estaduais. 
"Nós temos duas questões. Uma jurídica, que estava parada no Superior Tribunal de Justiça, que conseguiu andar graças ao trabalho do governador Jackson Barreto, e hoje, está julgado. A ação está no Supremo, porque a Petrobras entrou com recurso, e essa questão está em torno de R$ 1, 5 bilhão, só que esse é um processo que diz respeito à Sergás, ou seja, o governo do Estado tem a menor participação, apenas 17%. Se recebêssemos esses recursos, ajudaria a colocar em dia o pagamento do salário dos servidores", pontua o governador.
A outra situação levantada por Jackson durante a entrevista está relacionada ao pagamento do ICMS. "Nós temos outra questão que é a falta de pagamento de ICSM do gás, que a Sergás oferece a Fafen e nós estamos com quase R$ 600 milhões de reais para receber da Petrobrás. Ainda vão trazer uma proposta. A Petrobrás tem muito dinheiro, o estado de Sergipe é pequeno, pobre e precisa desses recursos, porque se recebêssemos esses recursos, tudo seria empregado na folha de pagamento e a situação do estado estaria muito melhor", avalia.
Concursos - Outra notícia anunciada pelo governador diz respeito ao lançamento do edital para o concurso da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Guardas Prisionais. "Na próxima terça-feira, pela manhã, estarei assinando a autorização para publicação dos editais dos Concursos dos Agentes Prisionais, Polícia Militar e Corpo de Bombeiro. Todos os três serão anunciados na próxima terça-feira", antecipou Jackson. 
Serão 300 vagas para soldados da PM e 30 para aspirante; 200 vagas para bombeiro e 12 para aspirante e 100 para guarda prisional.

Em entrevista, o governador Jackson Barreto falou ontem sobre a reunião ocorrida em Brasília, junto com o presidente da Petrobras, Pedro Parente, a bancada federal e políticos da Bahia sobre o fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados em Sergipe (Fafen/SE). Atendendo ao pedido do governador, a Petrobras concedeu 120 dias - contados a partir de 30 de junho -, para que seja formada uma comissão com o intuito de buscar soluções para que a Fafen se mantenha nos dois estados. 
"Fizemos algumas propostas. Não se pode fechar a Fafen sem garantir empregos dos funcionários que estão lá, além de terceirizados, sem falar das nove empresas que funcionam ao longo da BR-101, aí vão mais de quatro mil empregos. Pedimos 120 dias e Pedro Parente aceitou nossa proposta. Aproveito para agradecer todos os parlamentares de Sergipe que participaram da reunião em Brasília. Nesse momento, a união da bancada é fundamental. O governo do Estado levou propostas concretas", frisou o governador.
Desde que recebeu o anúncio do possível fechamento da Fafen no final do semestre, o governador tem mobilizado toda a bancada federal em Sergipe para evitar esse desfecho negativo para o estado. "O que nós queremos é não prejudicar o desenvolvimento do estado, num momento em que se recebe uma termelétrica, que pode amanhã fornecer um gás muito barato a Fafen, um preço muito abaixo do que cobra a Petrobras, mantendo essa cadeia produtiva, salvando empregos, os trabalhadores, mantendo a qualidade de vida para os sergipanos", defendeu.
Jackson considera que o que encarece a Fábrica de Fertilizantes são os custos com o gás que a Petrobras vende à empresa, e sugeriu que essa questão também pudesse ser revista. Além disso, outro ponto que pesa no processo de negociação diz respeito à dívida da Petrobras com relação aos impostos estaduais. 
"Nós temos duas questões. Uma jurídica, que estava parada no Superior Tribunal de Justiça, que conseguiu andar graças ao trabalho do governador Jackson Barreto, e hoje, está julgado. A ação está no Supremo, porque a Petrobras entrou com recurso, e essa questão está em torno de R$ 1, 5 bilhão, só que esse é um processo que diz respeito à Sergás, ou seja, o governo do Estado tem a menor participação, apenas 17%. Se recebêssemos esses recursos, ajudaria a colocar em dia o pagamento do salário dos servidores", pontua o governador.
A outra situação levantada por Jackson durante a entrevista está relacionada ao pagamento do ICMS. "Nós temos outra questão que é a falta de pagamento de ICSM do gás, que a Sergás oferece a Fafen e nós estamos com quase R$ 600 milhões de reais para receber da Petrobrás. Ainda vão trazer uma proposta. A Petrobrás tem muito dinheiro, o estado de Sergipe é pequeno, pobre e precisa desses recursos, porque se recebêssemos esses recursos, tudo seria empregado na folha de pagamento e a situação do estado estaria muito melhor", avalia.
Concursos - Outra notícia anunciada pelo governador diz respeito ao lançamento do edital para o concurso da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Guardas Prisionais. "Na próxima terça-feira, pela manhã, estarei assinando a autorização para publicação dos editais dos Concursos dos Agentes Prisionais, Polícia Militar e Corpo de Bombeiro. Todos os três serão anunciados na próxima terça-feira", antecipou Jackson. 
Serão 300 vagas para soldados da PM e 30 para aspirante; 200 vagas para bombeiro e 12 para aspirante e 100 para guarda prisional.