Socioeducação ambiental. Um caminho necessário

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 29/03/2018 às 05:05:00

 

* Genisson Cruz da Silva
O meio ambiente ecologicamente equilibrado é direito fundamental que se caracteriza como bem de uso comum do povo, integrante da ordem social, e previsto de maneira expressa na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, em seu artigo 225. Sua importância, entretanto, ultrapassa o plano teórico de estar contido na Carta Magna que rege a República Brasileira, passando a possuir caráter prático e contínuo, vez que se encontra intimamente ligado à qualidade de vida e ao desenvolvimento sustentável de toda uma sociedade já concretamente estruturada.
A relevância de se manter a efetividade do meio ambiente equilibrado, então, coaduna-se não somente com a ideia de dispor atenção e proteção devidas às fauna e flora, ou realizar a fiscalização das atividades econômicas lesivas aos recursos ambientais, mas, também, e não menos importante, em "promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e conscientização pública para a preservação do meio ambiente", nos termos do artigo 225, inciso IV, da CRFB/88.
Isto porque, nos dias atuais, observa-se em considerada e larga escala a ininterrupta degradação pela qual perpassa o meio ambiente e seu ecossistema, em nível não só nacional, mas mundial, de modo que o estudo e a consequente implantação da socioeducação ambiental, de maneira interdisciplinar, mormente face à juventude, constitui método e meio de garantir a conscientização e capacitação da sociedade no que tange à crise ambiental contemporânea e, consequentemente, quanto à qualidade de vida humana.
Nesse sentido, o estudo da promoção da educação ambiental, bem como sua efetiva implantação em favor de jovens e adultos,  seja em níveis formais ou informais de disseminação de conteúdo, constitui tarefa imprescindível à formação gradativa de uma consciência ecológica por parte da sociedade, levando-se em consideração, precipuamente, os meios socioculturais inerentes à globalização e à tecnologia que embasam o planeta, atualmente.
Assim, levando-se em consideração a redução dos custos e degradações ambientais, a melhoria da qualidade de vida humana, o progressivo desenvolvimento sustentável, a harmonização entre as necessidades do homem e as possibilidades da natureza e, por fim, a crescente conscientização acerca da importância do meio ambiente ecologicamente equilibrado para a manutenção do ecossistema mundial, é que se demonstra, nos presentes dias, urgente e imperioso o estudo e a implantação da socioeducação ambiental para a presente e demais gerações.
* Genisson Cruz da Silva é advogado e professor

* Genisson Cruz da Silva


O meio ambiente ecologicamente equilibrado é direito fundamental que se caracteriza como bem de uso comum do povo, integrante da ordem social, e previsto de maneira expressa na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, em seu artigo 225. Sua importância, entretanto, ultrapassa o plano teórico de estar contido na Carta Magna que rege a República Brasileira, passando a possuir caráter prático e contínuo, vez que se encontra intimamente ligado à qualidade de vida e ao desenvolvimento sustentável de toda uma sociedade já concretamente estruturada.
A relevância de se manter a efetividade do meio ambiente equilibrado, então, coaduna-se não somente com a ideia de dispor atenção e proteção devidas às fauna e flora, ou realizar a fiscalização das atividades econômicas lesivas aos recursos ambientais, mas, também, e não menos importante, em "promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e conscientização pública para a preservação do meio ambiente", nos termos do artigo 225, inciso IV, da CRFB/88.
Isto porque, nos dias atuais, observa-se em considerada e larga escala a ininterrupta degradação pela qual perpassa o meio ambiente e seu ecossistema, em nível não só nacional, mas mundial, de modo que o estudo e a consequente implantação da socioeducação ambiental, de maneira interdisciplinar, mormente face à juventude, constitui método e meio de garantir a conscientização e capacitação da sociedade no que tange à crise ambiental contemporânea e, consequentemente, quanto à qualidade de vida humana.
Nesse sentido, o estudo da promoção da educação ambiental, bem como sua efetiva implantação em favor de jovens e adultos,  seja em níveis formais ou informais de disseminação de conteúdo, constitui tarefa imprescindível à formação gradativa de uma consciência ecológica por parte da sociedade, levando-se em consideração, precipuamente, os meios socioculturais inerentes à globalização e à tecnologia que embasam o planeta, atualmente.
Assim, levando-se em consideração a redução dos custos e degradações ambientais, a melhoria da qualidade de vida humana, o progressivo desenvolvimento sustentável, a harmonização entre as necessidades do homem e as possibilidades da natureza e, por fim, a crescente conscientização acerca da importância do meio ambiente ecologicamente equilibrado para a manutenção do ecossistema mundial, é que se demonstra, nos presentes dias, urgente e imperioso o estudo e a implantação da socioeducação ambiental para a presente e demais gerações.
* Genisson Cruz da Silva é advogado e professor