Dias difíceis para JB

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Durante solenidade de reinauguração do CEAC do Shopping Riomar, ocorrida no final da tarde de ontem, o governador Jackson Barreto se referiu ao secretário Rosman Pereira (Planejamento, Orçamento e Gestão) como uma pessoa que se revelou como secretário e c
Durante solenidade de reinauguração do CEAC do Shopping Riomar, ocorrida no final da tarde de ontem, o governador Jackson Barreto se referiu ao secretário Rosman Pereira (Planejamento, Orçamento e Gestão) como uma pessoa que se revelou como secretário e c

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 04/04/2018 às 06:28:00

 

Estes últimos dias de Jackson Barreto (MDB) 
no governo, que poderiam ser somente 
de festa pelas várias obras que vem inaugurando na capital e interior, estão sendo de preocupações e angustias para JB.
Primeiro o próprio Jackson cria uma problema desnecessário com o PT ao declarar que quando assumiu o governo em 2013, com o agravamento da doença do governador Marcelo Déda, encontrou a conta única do estado zerada e sem recursos do Proinveste.
Essas declarações provocaram reação de indignação da viúva de Déda, a vice-prefeita Eliane Aquino (PT); do presidente estadual do PT, ex-deputado federal Rogério Carvalho, e do vice-presidente nacional do PT, ex-deputado federal Márcio Macedo.
As declarações também foram um prato cheio para a oposição, com parlamentares criticando a postura de JB por afetar indiretamente o aliado falecido Déda. O líder da oposição na Assembleia, deputado estadual Georgeo Passos, chegou a pedir na última segunda-feira, na tribuna da Alese, a instalação de uma CPI para investigar os recursos do polêmico Proinveste, que Déda lutou muito para conseguir sua aprovação na Casa.
Jackson saiu com nota esclarecendo declarações e pedindo desculpas à família do ex-governador Déda, aos amigos e admiradores.
Logo depois, na quinta-feira que antecedeu a Semana Santa, JB ficou ciente do bloqueio da conta única do Estado a pedido da Secretaria do Tesouro Nacional. Com o bloqueio, o Estado não pode nem pagar o salário de março dos servidores públicos, aposentados e pensionistas.   
Ontem, durante solenidade de lançamento dos editais dos concursos públicos para Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Guarda Prisional e Gestor Público, o governador falou do bloqueio da conta a pedido da Secretaria do Tesouro Nacional. E qualificou como "revanchismo".
Explicou que o estado estava fazendo um acordo de renegociação da dívida de julho de 2016 a novembro de 2017 e que, portanto, não podia ter suas contas bloqueadas. "Se estamos no processo de renegociação compreende-se que todo o prazo está dentro da renegociação. Então não tinha que cobrar o passado, porque o passado estava sob efeito de uma liminar, de uma ação em andamento no Supremo Tribunal Federal. Essa ação, de livre e espontânea vontade, foi o estado quem retirou com base do entendimento para que se firmasse o processo de renegociação da dívida. Logo após a retirada da ação no Supremo, o Tesouro Nacional manda bloquear as contas", protestou.
Segundo JB, a Procuradoria Geral do Estado já recorreu e tem a fé em Deus que conseguirá ainda esta semana uma liminar desbloqueando a conta única do Estado para que os compromissos possam ser honrados. "Não foi negligência, mas uma atitude inexplicável da Secretaria do Tesouro Nacional", frisou.
Como se não bastasse esses dois problemas, na próxima sexta-feira, véspera de deixar o governo, JB ainda enfrentará o último protesto dos servidores públicos insatisfeitos com atraso dos salários e falta de reajuste salarial. Será a partir das 8h, em frente ao Palácio de Despachos.
JB assumiu o governo num período de crise econômica e instabilidade política no país. Apesar das inúmeras obras realizadas, não conseguiu agradar aos servidores públicos, sempre com voz ativa nos órgãos de comunicação e redes sociais. Essa insatisfação dos servidores deverá atravessar toda a campanha eleitoral.

Estes últimos dias de Jackson Barreto (MDB)  no governo, que poderiam ser somente  de festa pelas várias obras que vem inaugurando na capital e interior, estão sendo de preocupações e angustias para JB.
Primeiro o próprio Jackson cria uma problema desnecessário com o PT ao declarar que quando assumiu o governo em 2013, com o agravamento da doença do governador Marcelo Déda, encontrou a conta única do estado zerada e sem recursos do Proinveste.
Essas declarações provocaram reação de indignação da viúva de Déda, a vice-prefeita Eliane Aquino (PT); do presidente estadual do PT, ex-deputado federal Rogério Carvalho, e do vice-presidente nacional do PT, ex-deputado federal Márcio Macedo.
As declarações também foram um prato cheio para a oposição, com parlamentares criticando a postura de JB por afetar indiretamente o aliado falecido Déda. O líder da oposição na Assembleia, deputado estadual Georgeo Passos, chegou a pedir na última segunda-feira, na tribuna da Alese, a instalação de uma CPI para investigar os recursos do polêmico Proinveste, que Déda lutou muito para conseguir sua aprovação na Casa.
Jackson saiu com nota esclarecendo declarações e pedindo desculpas à família do ex-governador Déda, aos amigos e admiradores.
Logo depois, na quinta-feira que antecedeu a Semana Santa, JB ficou ciente do bloqueio da conta única do Estado a pedido da Secretaria do Tesouro Nacional. Com o bloqueio, o Estado não pode nem pagar o salário de março dos servidores públicos, aposentados e pensionistas.   
Ontem, durante solenidade de lançamento dos editais dos concursos públicos para Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Guarda Prisional e Gestor Público, o governador falou do bloqueio da conta a pedido da Secretaria do Tesouro Nacional. E qualificou como "revanchismo".
Explicou que o estado estava fazendo um acordo de renegociação da dívida de julho de 2016 a novembro de 2017 e que, portanto, não podia ter suas contas bloqueadas. "Se estamos no processo de renegociação compreende-se que todo o prazo está dentro da renegociação. Então não tinha que cobrar o passado, porque o passado estava sob efeito de uma liminar, de uma ação em andamento no Supremo Tribunal Federal. Essa ação, de livre e espontânea vontade, foi o estado quem retirou com base do entendimento para que se firmasse o processo de renegociação da dívida. Logo após a retirada da ação no Supremo, o Tesouro Nacional manda bloquear as contas", protestou.
Segundo JB, a Procuradoria Geral do Estado já recorreu e tem a fé em Deus que conseguirá ainda esta semana uma liminar desbloqueando a conta única do Estado para que os compromissos possam ser honrados. "Não foi negligência, mas uma atitude inexplicável da Secretaria do Tesouro Nacional", frisou.
Como se não bastasse esses dois problemas, na próxima sexta-feira, véspera de deixar o governo, JB ainda enfrentará o último protesto dos servidores públicos insatisfeitos com atraso dos salários e falta de reajuste salarial. Será a partir das 8h, em frente ao Palácio de Despachos.
JB assumiu o governo num período de crise econômica e instabilidade política no país. Apesar das inúmeras obras realizadas, não conseguiu agradar aos servidores públicos, sempre com voz ativa nos órgãos de comunicação e redes sociais. Essa insatisfação dos servidores deverá atravessar toda a campanha eleitoral.

 

Agora é pra valer 1

O cerimonial do governo já emitiu ontem convite para a solenidade de posse do vice-governador Belivaldo Chagas como governador do Estado, com a renúncia de Jackson Barreto (MDB) para concorrer ao Senado. Será no próximo sábado, 7, às 10h, no plenário da Assembleia Legislativa.

 

Agora é pra valer 2

Antes da cerimônia de posse haverá uma missa em Ação de Graças na Paróquia Santuário Nossa Senhora Aparecida, no Conjunto Bugio, às 8h30. Já depois da posse na Assembleia Belivaldo passará pela Revista a Tropa, às 11h, na Praça Fausto Cardoso.

 

Presente na inauguração

Já como ex-governador, Jackson Barreto participará no sábado à tarde da entrega da reforma do Centro de Criatividade. Disse que estava feliz pelo investimento de mais de R$ 2 milhões na reforma do centro, que fica no bairro em que nasceu, o Cirurgia.

 

Pé na estrada

Segundo JB, a partir do próximo sábado ele será um cidadão comum. "Não vou mais usar as dependências públicas, terei meu escritório particular, carro particular. Irei viajar, caminhar, articular, fazer o que sempre fiz e gostei de fazer: política. Vou continuar na vida pública trabalhando, pois acho que ainda tenho muito para dar ao meu estado".

 

Justificando candidatura

Ressaltou o governador: "Em um dado momento cheguei a dizer que não seria candidato, mas em outro momento tive consciência que o Brasil de hoje não é o mesmo do momento que falei que não seria mais candidato. O país está em outro estágio democrático de direito, mudou muito nesses quatro anos. Aqueles combatentes testados na luta contra a ditadura continuam tendo espaço. É hora de todos darem as mãos, os que foram combatentes no passado e os que são no presente, se unir e dar sua contribuição ao país. Esse país é da solidariedade, não o que está ai, um país da radicalização, de tanto ódio e resentimento".               

 

Foco do novo governo

Ao assumir o governo Belivaldo Chagas vai priorizar a saúde e segurança pública, sem investimentos em prédios públicos. Quer medidas que beneficiem, a curto prazo, a população. Na área de saúde, por exemplo, vai realizar mutirões para acabar com as filas de cirurgias.

 

Festa de filiação 1

Em um grande ato político hoje o PSC estará filiando lideranças políticas ao partido, visando às eleições deste ano. Será a partir das 15h, na Associação dos Engenheiros Agrônomos de Sergipe (AEASE), com a presença do presidente estadual do partido, o deputado federal André Moura.

 

Festa de filiação 2

Entre os filiados o filho do prefeito Valmir Monteiro (PSC), Ibraim Monteiro, que é pré-candidato a deputado estadual;  o presidente do Sindicato dos Motoristas de São Paulo, Valdevan 90, pré-candidato a deputado federal; e  o deputado Paulinho da Varzinhas. Podem se filiar a legenda a vice-prefeita Janier Mota (Itabaianinha) e o ex-prefeito João Marcelo (Nossa Senhora das Dores).

 

Ainda indeciso

O deputado estadual Gilmar Carvalho, sem partido, até ontem ainda não tinha decidido sobre qual sigla iria se filiar até o próximo sábado, quando fecha a janela partidária e todos os que desejam se candidatar nas eleições deste ano têm de estar filiado a alguma legenda. Está em dúvida entre o PSC, PSD, PSB e PRB.

 

Troca-troca 1

A esposa do prefeito Diógenes Almeida (MDB/Tobias Barreto), Diná Almeida, será mesmo candidata a deputada estadual. Até ontem não tinha definido a legenda que vai se filiar, uma vez que já se desfiliou do PP.

 

Troca-troca 2

O ex-prefeito Sukita (Capela), ex-Podemos, estava ontem em Brasília procurando um partido para chamar de seu. Esteve conversando com o presidente nacional do PTB, Roberto Jeferson.

 

Encontro de emedebistas

O governador Jackson Barreto tomou café anteontem com os quatro deputados do MDB: Luciano Bispo, Zezinho Guimarães, Garibaldi Mendonça e Goretti Reis. Diante da ameaça de alguns deixarem o partido se não ficar fechado o chapão nas eleições deste ano, JB fez um apelo para que permanecessem na legenda.

 

Ministro em Sergipe

A convite do deputado federal André Moura (PSC) o ministro Osmar  Terra (Desenvolvimento Social) esteve ontem em Sergipe para a assinatura da autorização de construção de diversos Centros de Referência à Assistência Social (CRAS) e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), Centros de Convivência, cisternas, aquisição de equipamentos e veículos para unidades já existentes. Na solenidade, na presença de diversos prefeitos, foram anunciados investimentos de R$ 41 milhões.

 

Nem um nem outro

Do senador Valadares (PSB) sobre as composições políticas: "Nem um nem outro. A nossa aliança será com o povo. Paciência, humildade e proposta. Com responsabilidade e compromisso ganharemos a confiança da maioria do eleitorado. Sejamos otimistas, lutemos juntos com um só pensamento. A causa é boa. A nossa bandeira é Sergipe!".

 

Só Maria

Diante do julgamento hoje, no STF, do habeas corpus protocolado pela defesa do ex-presidente Lula para evitar a execução provisória da pena de 12 anos e um mês de prisão nos processos da Operação Lava Jato, um  grupo de 20 senadores entregou ontem uma carta ao Supremo na qual defendem a manutenção do entendimento da Corte que autoriza a execução da pena de condenados criminalmente pela segunda instância da Justiça. A senadora Maria do Carmo Alves (DEM) é a única dos três senadores de Sergipe que assinou o documento.

 

Veja essa ...

Do senador Valadares, em mais uma indireta com relação ao líder do governo no Congresso, André Moura (PSC), ter trazido mais um ministro a Sergipe, o Osmar Terra, para liberação de recursos para prefeitos: "Já convicto de que se for candidato à reeleição, ou apresentar um substituto em 2018, será derrotado, o presidente Temer injeta recursos em Sergipe, e em outros Estados para ajudar aliados. Quer eleger uma grande bancada de deputados federais e senadores para a defesa de seu legado. Esmola grande, cego desconfia".

 

Curtas

O relator do pedido de liminar para desbloqueio da conta única do Estado, no STF, é o ministro Dias Tofoli. A expectativa do governador é que Tofoli decida em favor do salário dos servidores ainda nessa quarta-feira.

 

O governador Jackson Barreto já conversou com os petistas Eliane Aquino, Márcio Macedo, Francisco Gualberto e Rogério Carvalho com relação as suas declarações sobre o Proinveste. Com Rogério, a conversa ocorreu ontem à tarde no Palácio de Veraneio.

 

Márcio Macedo disse ontem que espera que esse episódio seja superado e que fique registrado apenas como um momento infeliz do debate político.  "Vamos seguir adiante", afirmou.

 

Ressalta o vice-presidente nacional do PT que nas eleições deste ano defende que o PT possa debater junto ao bloco liderado por Belivaldo e Jackson, caso o partido tenha espaço para contribuir com o projeto político de Sergipe. "É um processo natural", disse, frisando que o que pode garantir é que o partido não irá se aproximar politicamente da turma ligada ao presidente Temer.