Oficina mistura dança e teatro para o desenvolvimento de interpretação

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/04/2018 às 07:13:00

 

Além de oferecer uma séria de espetáculos gratuitos para os mais diversificados tipos de públicos, o IV Festival Sergipano de Artes Cênicas está promovendo uma série de oficinas para formação e qualificação. Nesta terça-feira, 03 de abril, teve início a oficina "Em busca da cena", ministrada pela atriz e bailarina, Juana de Miranda, vinda do Distrito Federal.
O curso é voltado para atores, bailarinos e interessados nas artes cênicas, que buscam trabalhar, sobretudo, a expressão corporal na construção da interpretação.  "Minha base é toda no teatro físico e pensando teorias dele utilizadas na dança, por isso a oficina traz muito a questão do corpo para atores e bailarinos. O objetivo principal é de estar construindo uma cena, a qual vamos apresentar na sexta-feira, com o encerramento da oficina, e que isso sirva de estímulo para eles irem construindo uma identidade ou um espetáculo", explicou a ministrante. 
A turma, com 30 as vagas preenchidas, demonstrou o interesse dos artistas locais em novas oportunidades de formação. O ator, Wenysson Sá, conta que soube da oficina através das redes sociais da Secult, e ficou muito interessado. "Meu interesse é sempre o de me aperfeiçoar, pois isso é muito importante para a gente que trabalha com o teatro e com a dança. Além disso, é um momento de troca de experiências, não só com a Juana, que já demonstrou ter muito conhecimento, como entre nós mesmos", afirmou.
A atriz Anne Samara contou que sempre acompanha as edições do Festival Sergipano de Artes Cênicas e participa de algumas oficinas. "Acho muito importante que os festivais ofereçam, não só visualmente os espetáculos, mas também tragam possibilidades para os atores e artistas, de modo geral, se reciclarem e trocarem ideias com os profissionais de fora. Eu acho esta uma iniciativa essencial para o trabalho da cultura e do artista", argumentou.
Para Juana de Miranda, "o Festival já é fundamental pelos espetáculos que são apresentados, e as oficinas trazem esta possibilidade de troca nos colocando em contato tanto com alguém de fora, como é meu caso, como internamente entre os atores e bailarinos que estão produzindo por aqui", acrescentou.  A oficina segue todos os dias, das 9 às 12h e das 13h às 16h, até a sexta-feira, 06 de abril, quando os participantes irão apresentar o trabalho desenvolvido ao longo das aulas.
A ministrante - Juana Miranda também é pesquisadora da cena e produtora cultural da empresa Chang Produções. Em 2009 teve a oportunidade, junto à diretora de teatro Luciana Martuchelli, de fazer o curso Odin Teatret na Dinamarca, onde conheceu o teatro físico do diretor Eugênio Barba. Após esse marco iniciou projetos de pesquisa, tendo realizado os espetáculos: A Despedida (2010), Ciranda das Horas (2013), O Silêncio do Mundo - Velejando Em Solitário (2016).
O IV Festival Sergipano de Artes Cênicas é uma realização do Governo de Sergipe através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), que reúne apresentações diversas em mais de um mês de atividade. Todas as atividades são gratuitas, viabilizadas pelo Fundo de Desenvolvimento Cultural e Artístico (Funcart) e aprovado pelo Conselho Estadual de Cultura. A programação completa e mais informações podem ser acompanhadas pelo site www.cultura.se.gov.br e pela página do Facebook: Secult Sergipe.

Além de oferecer uma séria de espetáculos gratuitos para os mais diversificados tipos de públicos, o IV Festival Sergipano de Artes Cênicas está promovendo uma série de oficinas para formação e qualificação. Nesta terça-feira, 03 de abril, teve início a oficina "Em busca da cena", ministrada pela atriz e bailarina, Juana de Miranda, vinda do Distrito Federal.
O curso é voltado para atores, bailarinos e interessados nas artes cênicas, que buscam trabalhar, sobretudo, a expressão corporal na construção da interpretação.  "Minha base é toda no teatro físico e pensando teorias dele utilizadas na dança, por isso a oficina traz muito a questão do corpo para atores e bailarinos. O objetivo principal é de estar construindo uma cena, a qual vamos apresentar na sexta-feira, com o encerramento da oficina, e que isso sirva de estímulo para eles irem construindo uma identidade ou um espetáculo", explicou a ministrante. 
A turma, com 30 as vagas preenchidas, demonstrou o interesse dos artistas locais em novas oportunidades de formação. O ator, Wenysson Sá, conta que soube da oficina através das redes sociais da Secult, e ficou muito interessado. "Meu interesse é sempre o de me aperfeiçoar, pois isso é muito importante para a gente que trabalha com o teatro e com a dança. Além disso, é um momento de troca de experiências, não só com a Juana, que já demonstrou ter muito conhecimento, como entre nós mesmos", afirmou.
A atriz Anne Samara contou que sempre acompanha as edições do Festival Sergipano de Artes Cênicas e participa de algumas oficinas. "Acho muito importante que os festivais ofereçam, não só visualmente os espetáculos, mas também tragam possibilidades para os atores e artistas, de modo geral, se reciclarem e trocarem ideias com os profissionais de fora. Eu acho esta uma iniciativa essencial para o trabalho da cultura e do artista", argumentou.
Para Juana de Miranda, "o Festival já é fundamental pelos espetáculos que são apresentados, e as oficinas trazem esta possibilidade de troca nos colocando em contato tanto com alguém de fora, como é meu caso, como internamente entre os atores e bailarinos que estão produzindo por aqui", acrescentou.  A oficina segue todos os dias, das 9 às 12h e das 13h às 16h, até a sexta-feira, 06 de abril, quando os participantes irão apresentar o trabalho desenvolvido ao longo das aulas.
A ministrante - Juana Miranda também é pesquisadora da cena e produtora cultural da empresa Chang Produções. Em 2009 teve a oportunidade, junto à diretora de teatro Luciana Martuchelli, de fazer o curso Odin Teatret na Dinamarca, onde conheceu o teatro físico do diretor Eugênio Barba. Após esse marco iniciou projetos de pesquisa, tendo realizado os espetáculos: A Despedida (2010), Ciranda das Horas (2013), O Silêncio do Mundo - Velejando Em Solitário (2016).
O IV Festival Sergipano de Artes Cênicas é uma realização do Governo de Sergipe através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), que reúne apresentações diversas em mais de um mês de atividade. Todas as atividades são gratuitas, viabilizadas pelo Fundo de Desenvolvimento Cultural e Artístico (Funcart) e aprovado pelo Conselho Estadual de Cultura. A programação completa e mais informações podem ser acompanhadas pelo site www.cultura.se.gov.br e pela página do Facebook: Secult Sergipe.