Esplanada dos Ministérios tem atos pró e contra Lula

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Manifestantes a favor de Lula protestam na Esplanada dos Ministérios durante julgamento de habeas corpus
Manifestantes a favor de Lula protestam na Esplanada dos Ministérios durante julgamento de habeas corpus

Manifestantes contra Lula protestam na Esplanada dos Ministérios durante julgamento do habeas corpus
Manifestantes contra Lula protestam na Esplanada dos Ministérios durante julgamento do habeas corpus

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 05/04/2018 às 02:11:00

 

Pedro Rafael Vilela 
Agência Brasil
No momento em que ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) julgam o pedido de habeas corpus preventivo para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, manifestantes contra e a favor de Lula protestam no gramado da Esplanada dos Ministérios, em frente ao Congresso Nacional. Até agora, cinco dos 11 ministros votaram: sendo quatro contra a concessão do habeas corpus e um a favor. 
De acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal, cerca de 2 mil pessoas, somando os dois grupos, estavam na área até o início da noite, com metade para cada lado. A expectativa é que número de participantes aumente com o fim do expediente de trabalho, segundo os organizadores. 
Contra o habeas corpus - Do lado do grupo contrário à concessão do habeas corpus, os manifestantes, convocados pelos movimentos Vem Pra Rua e Limpa Brasília, se revezaram no carro de som elétrico para defender a prisão de Lula e intervenção militar no país.
Antes de iniciar discurso no trio, por exemplo, o general da reserva do Exército Paulo Chagas foi recebido aos gritos de "Intervenção Já" pelos presentes. Após sua fala, ele disse aos jornalistas que não defende a tomada de poder pelos militares, mas criticou o STF caso aceite o habeas corpus de Lula. "O problema é a sociedade perder o respeito e a confiança na nossa estrutura legal e aí ninguém vai respeitar mais ninguém", argumentou.
Mais cedo, produtores rurais, que vieram a Brasília para protestar contra o pagamento retroativo do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural), também participaram do ato. Diversos parlamentares subiram ao trio elétrico dos produtores para reforçar o discurso contra o Funrural, mas também contra Lula. Entre eles, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) e o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO).
A favor do habeas corpus - Já os manifestantes a favor do ex-presidente reforçaram o discurso de que a prisão de Lula é uma tentativa de afastá-lo da disputa eleitoral e fere a democracia.
"Que prevaleça a hierarquia das leis, com a validade da Constituição. O Lula tem direito de ser candidato", afirmou Rodrigo Britto, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) de Brasília.
A manifestação também contou com a presença de diversos parlamentares, principalmente de integrantes do PT, PSOL e PCdoB. "Nós somos a favor da justiça, mas não de uma justiça seletiva", afirmou o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ).
Para o parlamentar, o ex-presidente Lula tem o direito de ser julgado pelo "melhor tribunal que já inventaram: o tribunal das urnas", acrescentou.

No momento em que ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) julgam o pedido de habeas corpus preventivo para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, manifestantes contra e a favor de Lula protestam no gramado da Esplanada dos Ministérios, em frente ao Congresso Nacional. Até agora, cinco dos 11 ministros votaram: sendo quatro contra a concessão do habeas corpus e um a favor. 
De acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal, cerca de 2 mil pessoas, somando os dois grupos, estavam na área até o início da noite, com metade para cada lado. A expectativa é que número de participantes aumente com o fim do expediente de trabalho, segundo os organizadores. 
Contra o habeas corpus - Do lado do grupo contrário à concessão do habeas corpus, os manifestantes, convocados pelos movimentos Vem Pra Rua e Limpa Brasília, se revezaram no carro de som elétrico para defender a prisão de Lula e intervenção militar no país.
Antes de iniciar discurso no trio, por exemplo, o general da reserva do Exército Paulo Chagas foi recebido aos gritos de "Intervenção Já" pelos presentes. Após sua fala, ele disse aos jornalistas que não defende a tomada de poder pelos militares, mas criticou o STF caso aceite o habeas corpus de Lula. "O problema é a sociedade perder o respeito e a confiança na nossa estrutura legal e aí ninguém vai respeitar mais ninguém", argumentou.
Mais cedo, produtores rurais, que vieram a Brasília para protestar contra o pagamento retroativo do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural), também participaram do ato. Diversos parlamentares subiram ao trio elétrico dos produtores para reforçar o discurso contra o Funrural, mas também contra Lula. Entre eles, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) e o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO).
A favor do habeas corpus - Já os manifestantes a favor do ex-presidente reforçaram o discurso de que a prisão de Lula é uma tentativa de afastá-lo da disputa eleitoral e fere a democracia.
"Que prevaleça a hierarquia das leis, com a validade da Constituição. O Lula tem direito de ser candidato", afirmou Rodrigo Britto, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) de Brasília.
A manifestação também contou com a presença de diversos parlamentares, principalmente de integrantes do PT, PSOL e PCdoB. "Nós somos a favor da justiça, mas não de uma justiça seletiva", afirmou o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ).
Para o parlamentar, o ex-presidente Lula tem o direito de ser julgado pelo "melhor tribunal que já inventaram: o tribunal das urnas", acrescentou.