Confiança se prepara para estreia da Série C

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 06/04/2018 às 07:11:00

 

Fora da decisão do estadual, o Confiança tem menos de 15 dias para se organizar e preparar o elenco visando a estreia no Campeonato Brasileiro da Série C, contra o Juazeireirense. No início desta semana já começaram as especulações sobre quem fica e quem sai do Dragão do Bairro Industrial.
Um dos artilheiros do Campeonato Sergipano com seis gols, o atacante Frontini seria um dos observados por equipes do sudeste do país, entre elas o São Caetano. O goleiro Genivaldo, outro destaque do time proletário na temporada, teria recebido proposta do CSA, equipe alagoana que disputará a Série B do Brasileiro, e sondado pelo Paysandu, que também está na Série B.
Questionado sobre isso, o presidente do Confiança garantiu que o clube não recebeu nenhuma proposta pelos atletas. Hyago França também falou que em alguns dias o clube deve se pronunciar sobre novidades no elenco que vai disputar a Série C.
- O clube não recebeu nenhuma proposta para eles (Frontini e Genivaldo). Nem para eles, nem para nenhum atleta. Em relação às saídas e chegadas no elenco, ainda estou definindo. Em breve vocês terão notícias. Realmente ainda não definimos nem a porcentagem do elenco que vai permanecer para o Brasileiro - afirmou o presidente Hyago França.
Logo após a eliminação no estadual, surgiu a especulação que o presidente renunciaria ao cargo após uma declaração em rede social. Hyago negou a saída e explicou o real significado da publicação. Ele apontou que ser presidente do Confiança tem sido bem desgastante em alguns momentos.
- Não renunciei. Apenas disse que farei uma avaliação se valeria a pena estar como presidente, onde a diretoria gasta do próprio bolso. Onde já conquistamos muitos títulos como 2014, 2015 e 2017, além de um acesso para a Série C em 2014. E o que só vale é o momento. Um desgaste pessoal, ao troco de nada. Mas tenho um nome de meu pai, Fernando França, para honrar. E não largaria o clube dessa forma. Mas hoje entendo porque nenhum ex-dirigente quer voltar e porque toda eleição não aparece candidato - comentou Hyago França.

Fora da decisão do estadual, o Confiança tem menos de 15 dias para se organizar e preparar o elenco visando a estreia no Campeonato Brasileiro da Série C, contra o Juazeireirense. No início desta semana já começaram as especulações sobre quem fica e quem sai do Dragão do Bairro Industrial.
Um dos artilheiros do Campeonato Sergipano com seis gols, o atacante Frontini seria um dos observados por equipes do sudeste do país, entre elas o São Caetano. O goleiro Genivaldo, outro destaque do time proletário na temporada, teria recebido proposta do CSA, equipe alagoana que disputará a Série B do Brasileiro, e sondado pelo Paysandu, que também está na Série B.
Questionado sobre isso, o presidente do Confiança garantiu que o clube não recebeu nenhuma proposta pelos atletas. Hyago França também falou que em alguns dias o clube deve se pronunciar sobre novidades no elenco que vai disputar a Série C.
- O clube não recebeu nenhuma proposta para eles (Frontini e Genivaldo). Nem para eles, nem para nenhum atleta. Em relação às saídas e chegadas no elenco, ainda estou definindo. Em breve vocês terão notícias. Realmente ainda não definimos nem a porcentagem do elenco que vai permanecer para o Brasileiro - afirmou o presidente Hyago França.
Logo após a eliminação no estadual, surgiu a especulação que o presidente renunciaria ao cargo após uma declaração em rede social. Hyago negou a saída e explicou o real significado da publicação. Ele apontou que ser presidente do Confiança tem sido bem desgastante em alguns momentos.
- Não renunciei. Apenas disse que farei uma avaliação se valeria a pena estar como presidente, onde a diretoria gasta do próprio bolso. Onde já conquistamos muitos títulos como 2014, 2015 e 2017, além de um acesso para a Série C em 2014. E o que só vale é o momento. Um desgaste pessoal, ao troco de nada. Mas tenho um nome de meu pai, Fernando França, para honrar. E não largaria o clube dessa forma. Mas hoje entendo porque nenhum ex-dirigente quer voltar e porque toda eleição não aparece candidato - comentou Hyago França.