Abrindo caminhos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/04/2018 às 23:32:00

 

O investimento realizado pelo 
Governo de Sergipe para abrir 
os caminhos na capital sergipana ao longo dos últimos anos foram concentrados em duas obras de grande monta: A duplicação das avenidas Euclides Figueiredo e Gasoduto, ligando os extremos da cidade, a zona norte e a zona sul. A realização do governo Jackson Barreto promove a mobilidade urbana, um dos mais graves problemas no dia a dia de Aracaju.
A duplicação da Euclides Figueiredo faz parte de um complexo viário e de urbanização da zona norte da capital, que compreende a Orlinha do Bairro Industrial, a Avenida Tancredo Campos, o Residencial Santa Tereza, o Chica Chaves, ruas do bairro Porto D'Anta e a Avenida João Rodrigues, formando, assim, a maior intervenção urbana já executada na Zona Norte de Aracaju por um Governo Estadual.
Já a duplicação da Avenida Gasoduto começa na bifurcação da Avenida Tancredo Neves, nas imediações do Detran, seguindo no sentido do Conjunto Orlando Dantas. Ela tem 3,57 quilômetros e se estende até o bairro Santa Maria. A obra contempla duas pontes sobre o rio Poxim e mais um elevado que fica ao lado do elevado Manoel Celestino Chagas. Os investimentos são da ordem de R$ 40 milhões. Os recursos são provenientes do Programa de Infraestrutura de Transporte e Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades (Pro-Transporte).
É certo que governar é tarefa muito mais complicada do que sair abrindo estradas, para evocar a sentença equivocada de um ex-presidente de grandes feitos. As obras realizadas pelo Governo de Sergipe, no entanto, enfrentam problemas concretos, com benefícios de curto e longo prazo, atentas aos calos no cotidiano sacrificado da população. Não à toa, prometem mudar a face de Aracaju.

O investimento realizado pelo  Governo de Sergipe para abrir  os caminhos na capital sergipana ao longo dos últimos anos foram concentrados em duas obras de grande monta: A duplicação das avenidas Euclides Figueiredo e Gasoduto, ligando os extremos da cidade, a zona norte e a zona sul. A realização do governo Jackson Barreto promove a mobilidade urbana, um dos mais graves problemas no dia a dia de Aracaju.
A duplicação da Euclides Figueiredo faz parte de um complexo viário e de urbanização da zona norte da capital, que compreende a Orlinha do Bairro Industrial, a Avenida Tancredo Campos, o Residencial Santa Tereza, o Chica Chaves, ruas do bairro Porto D'Anta e a Avenida João Rodrigues, formando, assim, a maior intervenção urbana já executada na Zona Norte de Aracaju por um Governo Estadual.
Já a duplicação da Avenida Gasoduto começa na bifurcação da Avenida Tancredo Neves, nas imediações do Detran, seguindo no sentido do Conjunto Orlando Dantas. Ela tem 3,57 quilômetros e se estende até o bairro Santa Maria. A obra contempla duas pontes sobre o rio Poxim e mais um elevado que fica ao lado do elevado Manoel Celestino Chagas. Os investimentos são da ordem de R$ 40 milhões. Os recursos são provenientes do Programa de Infraestrutura de Transporte e Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades (Pro-Transporte).
É certo que governar é tarefa muito mais complicada do que sair abrindo estradas, para evocar a sentença equivocada de um ex-presidente de grandes feitos. As obras realizadas pelo Governo de Sergipe, no entanto, enfrentam problemas concretos, com benefícios de curto e longo prazo, atentas aos calos no cotidiano sacrificado da população. Não à toa, prometem mudar a face de Aracaju.