Novo governador diz que prioridade será para Saúde e Segurança Pública

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
AUTORIDADES ACOMPANHAM O DISCURSO DO NOVO GOVERNADOR DO ESTADO, BELIVALDO CHAGAS, EM SUA POSSE NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA
AUTORIDADES ACOMPANHAM O DISCURSO DO NOVO GOVERNADOR DO ESTADO, BELIVALDO CHAGAS, EM SUA POSSE NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Mesa diretora durante a posse do novo governador Belivaldo Chagas
Mesa diretora durante a posse do novo governador Belivaldo Chagas

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 08/04/2018 às 00:58:00

Segurança, diálogo com ser-vidores e manutenção da Fafen nortearam o discurso de posse do governador Belivaldo Chagas, na Assembleia Legislativa neste sábado (07).  Após afastamento de Jackson Barreto, Belivaldo assume o executivo estadual com a experiência de quem atuou por quatro vezes como deputado estadual, foi secretário de Estado de Educação e da Casa Civil e vice-governador por dois mandatos. A solenidade de posse reuniu autoridades políticas e representantes dos poderes Judiciário.
Belivaldo agradeceu a confiança do ex-governador Jackson Barreto, que se afasta para disputar vaga no Senado, e, ao afirmar que manterá o debate com as diversas categorias, pontuou o diálogo com os servidores estaduais como característica administrativa das pastas que coordenou.

"Creio ter sido Jackson o governador que enfrentou a maior avalanche de inesperados problemas. Nesse tempo de uma convivência, pude conhecer a sua absoluta fidelidade ao ofício a que se dedicou e continuará se dedicando: o ofício nobre de usar o poder para servir ao povo. Nos governos Marcelo Déda e Jackson Barreto, ocupei a pasta da Educação. Pelo diálogo, consegui pacificar o entendimento de que os confrontos não devem ultrapassar os limites do interesse público. Pudemos nos dedicar ao processo de atualização pedagógica do nosso sistema de ensino e aparelhamos a estrutura física do sistema educacional. Vamos continuar conversando, dialogando. Nos próximos dias, iniciarei o diálogo com todas as camadas representativas da nossa arquitetura social. Com os trabalhadores, os empresários, os intelectuais, os estudantes, os servidores públicos estaduais.  Especialmente, a esses, terei muito que dizer, mais ainda a ouvir e também a lhes explicar com detalhes, com absoluta transparência, quais são os problemas que hoje impedem o estado de pagar em dia os salários. Sou, a partir de agora, o primeiro servidor do povo sergipano e me farei sempre devedor de esclarecimentos e prestador solícito das atenções requeridas".

Desenvolvimento econômico - O desenvolvimento econômico de Sergipe também foi destaque. Belivaldo ressaltou o investimento de R$ 5 bilhões na termoelétrica Porto de Sergipe, na Barra dos Coqueiros, que gera 180 empregos na fase de implantação e tem previsão de  ofertar 2 mil empregos diretos quando começar a operar.
"Sergipe terá perspectivas favoráveis para a montagem de um parque industrial moderno, com um elevado potencial de geração de empregos. Por outro lado, os leilões das áreas no pós-sal da nossa plataforma marítima revelaram o interesse de grandes multinacionais de petróleo para a exploração das jazidas de óleo e gás. Assim, teremos a terceira e altamente  promissora fase de produção de petróleo e gás  nas nossas jazidas em águas profundas, cujo potencial aproxima-se da capacidade dos campos da Venezuela e do médio oriente. Voltaremos a nos situar entre os maiores produtores de petróleo e gás do País. Para atender a demanda de pessoal qualificado que ocorrerá em virtude do processo de industrialização em curso, Sergipe tem hoje  instaladas  17 escolas técnicas de ensino profissionalizante", disse.

A análise econômica apresentada pelo governador ressaltou o impacto da Fafen na economia do estado e a liberação do Finisa, operação de crédito no valor de R$ 560 milhões para execução de obras de infraestrutura.
O compromisso do governo com a manutenção das atividades da Fafen foi ratificado. No último dia 27, o governo do Estado conseguiu, junto à Petrobras, um prazo para apresentação de alternativas para manutenção da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados. O prazo de 120 dias começa a contar a partir do dia 30 de junho, data na qual seria iniciada a hibernação da fábrica em Laranjeiras. O acordo também envolve o Governo da Bahia.
 "A partir de agora, coloco-me à frente da luta sergipana pela manutenção e funcionamento da unidade fabril que é estratégica para a nossa economia. Faço uma convocação a todos, sem discriminações partidárias ou ideológicas, para que intensifiquemos a luta pela manutenção dessa indústria", declarou.
Sobre o Finisa, ele disse estar confiante na concretização da liberação de recursos. "Espero confiante que, no decorrer das próximas semanas, teremos a boa notícia da liberação do empréstimo para cuja concretização tanto se empenhou o governador Jackson Barreto. Temos obras inadiáveis que deverão ser iniciadas como a recuperação da nossa malha viária, o início de novas rodovias, um conjunto de projetos essenciais para a geração de empregos e dinamização da nossa economia".

Segurança - Belivaldo voltou a enfatizar que a segurança pública continuará sendo prioridade e informou que fará reuniões quinzenais com a equipe da Secretaria de Segurança Pública a fim de acompanhar os avanços. "Indiscutivelmente, a segurança pública é uma prioridade. Eu não deixarei de olhar para o governo como um todo, mas devo dizer aqui que terei um foco especial tanto para a área de segurança pública, quanto pra área de saúde. A partir da reunião que teremos com o secretariado, vamos estabelecer metas e vamos cobrar quinzenalmente".
Sob aplausos, Belivaldo pediu empenho das polícias no esclarecimento da morte do comandante do Pelotão da Caatinga, capitão Oliveira. "Nessa quinta-feira, dia 4, foi emboscado e morto o capitão Manoel Oliveira Santos. Ele era o comandante do valoroso e combatente Pelotão da Caatinga, que se tornou sinônimo da ação pronta e eficaz contra o crime na região sertaneja. Quero, com ênfase e sentimento de honra ferida, lhes afiançar que o governo garantirá os meios adequados para subjugar aos que afrontaram e desafiaram a Polícia e a toda sociedade sergipana. Vamos usar todos os instrumentos necessários para abater a violência dos bandidos que ousarem desafiar o aparelho policial e imaginarem que poderão nos intimidar. Eles vão sentir, de imediato, o peso da resposta".

Questionado sobre mudanças na administração, o governador empossado afirmou que imprimirá seu estilo sem mudanças bruscas.
 "O mais importante é contar com o apoio da sociedade e dos poderes. Vamos unir toda a equipe, discutir e empreender meu estilo próprio. Vou trocar o pneu com o carro andando. Não há necessidade de mudança brusca nesse primeiro momento, até porque conheço o funcionamento da máquina administrativa e conheço os secretários e dirigentes de órgãos. Claro que irei empreender um estilo diferente. Não estou dizendo que melhor, nem pior, estou dizendo que empreenderei um estilo próprio. Quem se adaptar ao meu estilo, continuará ao meu lado. Quem não se adaptar, automaticamente faremos as devidas substituições. O maior patrimônio da minha vida é a credibilidade, a honra que preservo do meu nome e é dessa forma que iremos administrar".