Samuel lamenta morte de militares e oferece recompensa por informações

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 10/04/2018 às 05:51:00

 

O deputado estadual Capitão Samuel Barreto (PSC) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa, na tarde dessa segunda-feira (9), para lamentar o assassinato do Guarda Municipal de Aracaju e para cobrar da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) por um desfecho nas investigações de homicídios praticados contra policiais militares, dentre eles o comandante do Pelotão da Companhia Especializada em Operações Policiais em Área de Caatinga (Ceopac), capitão Manoel Oliveira, executado semana passada, dentro de um veículo, próximo ao município de Porto da Folha.
Ao fazer seu pronunciamento, Samuel Barreto voltou a lamentar a morte do Capitão da PM e trouxe a tona sua revolta com o assassinato do Guarda Municipal em Aracaju. "São profissionais da Segurança que estão mortos e eu remonto aos homicídios do Cabo Valdomiro de Passos Filho e do Cabo Arnaldo de Mendonça Morais, ambos mortos em 2015 e já temos mais de dois anos sem qualquer resposta da SSP. A gente espera que o crime contra o Capitão Oliveira também não fique sem uma definição por muitos anos", cobrou.
Por fim, Capitão Samuel lembrou que a sociedade cobra o desfecho dos crimes e, no caso do Guarda Municipal, a Polícia Militar conseguiu elucidar o caso. "Os bandidos que tiraram a vida do Guarda, foram identificados e abordados. Eles reagiram e findaram mortos. Bandido que tira a vida de um homem de bem e que tem coragem de atirar para matar um PM ou que faz emboscada, eu acho que merece o mesmo tratamento. Esse é o meu entendimento, é olho por olho e dente por dente".
Por fim Samuel cobrou uma solução para os crimes contra os três militares e chegou a oferecer uma recompensa por informações. "O nosso gabinete e as Associações Unidas dos Militares estamos oferecendo o valor de R$ 5 mil por informações concretas sobre esses três assassinatos. Basta ligar para o 181 da Polícia Civil ou para o 190 da Polícia Militar. É uma força que estamos dando para tentar elucidar esses crimes. É preciso dar uma resposta à sociedade porque o bandido mata um PM fardado em seu serviço e nada acontece? Aí a SSP vai de mal a pior!", completou.

O deputado estadual Capitão Samuel Barreto (PSC) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa, na tarde dessa segunda-feira (9), para lamentar o assassinato do Guarda Municipal de Aracaju e para cobrar da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) por um desfecho nas investigações de homicídios praticados contra policiais militares, dentre eles o comandante do Pelotão da Companhia Especializada em Operações Policiais em Área de Caatinga (Ceopac), capitão Manoel Oliveira, executado semana passada, dentro de um veículo, próximo ao município de Porto da Folha.
Ao fazer seu pronunciamento, Samuel Barreto voltou a lamentar a morte do Capitão da PM e trouxe a tona sua revolta com o assassinato do Guarda Municipal em Aracaju. "São profissionais da Segurança que estão mortos e eu remonto aos homicídios do Cabo Valdomiro de Passos Filho e do Cabo Arnaldo de Mendonça Morais, ambos mortos em 2015 e já temos mais de dois anos sem qualquer resposta da SSP. A gente espera que o crime contra o Capitão Oliveira também não fique sem uma definição por muitos anos", cobrou.
Por fim, Capitão Samuel lembrou que a sociedade cobra o desfecho dos crimes e, no caso do Guarda Municipal, a Polícia Militar conseguiu elucidar o caso. "Os bandidos que tiraram a vida do Guarda, foram identificados e abordados. Eles reagiram e findaram mortos. Bandido que tira a vida de um homem de bem e que tem coragem de atirar para matar um PM ou que faz emboscada, eu acho que merece o mesmo tratamento. Esse é o meu entendimento, é olho por olho e dente por dente".
Por fim Samuel cobrou uma solução para os crimes contra os três militares e chegou a oferecer uma recompensa por informações. "O nosso gabinete e as Associações Unidas dos Militares estamos oferecendo o valor de R$ 5 mil por informações concretas sobre esses três assassinatos. Basta ligar para o 181 da Polícia Civil ou para o 190 da Polícia Militar. É uma força que estamos dando para tentar elucidar esses crimes. É preciso dar uma resposta à sociedade porque o bandido mata um PM fardado em seu serviço e nada acontece? Aí a SSP vai de mal a pior!", completou.