Professora agredida por mãe de aluno presta depoimento

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 11/04/2018 às 05:51:00

 

A polícia de Malhada 
dos Bois (Baixo São 
Francisco) ouviu ontem o depoimento da professora Vânia Bastos Corrêa, que foi agredida dentro da sala de aula pela mãe de uma aluna acusada de furto. O incidente aconteceu quarta-feira passada na Escola Municipal Santa Maria, no povoado Cruz da Donzela, e ganhou repercussão depois que um vídeo gravado por um aluno circulou pelas redes sociais. A aluna envolvida e a mãe delajá foram identificadas e serão ouvidas nos próximos dias pela delegada Michele Araújo, responsável pelo caso. O depoimento foi acompanhado por alunos e professores da Santa Maria e de outras escolas, que fizeram uma manifestação de apoio à professora em frente à delegacia. 
Segundo Vânia, que também é diretora da escola, tudo aconteceu depois que a adolescente foi flagrada furtando a bolsa de uma funcionária e foi repreendida. A mãe da garota foi chamada à escola e, ao ouvir a explicação da vítima, reagiu dando tapas e chutes contra ela. Em um certo momento, a professora acaba encurralada contra a parede e pressionada pelo pescoço, como se estivesse sendo enforcada. Um professor que interveio para tentar defendê-la também foi agredido com um chute. A agressão terminou depois de cerca de dois minutos, com a mulher fazendo ameaças ao sair da sala. 
Após relatar a agressão, Vânia prestou queixa na delegacia e comunicou o caso tanto à Secretaria Municipal de Educação quanto à direção estadual do Sindicato dos Trabalhadores e  Educação da Rede Oficial de Ensino de Sergipe (Sintese). A professora fez um desabafo, atribuindo o episódio à má educação familiar que vem sendo dada pelos pais aos filhos. "Lamentável que nós educadores que lutamos sempre por uma educação, decente, digna e com qualidade para nossos estudantes, tenhamos que passar por situações como essa. Violência gratuita e intolerância... Infelizmente esse não é um fato isolado, todos nós educadores estamos sujeitos a essas situações em nosso local de trabalho, dessa vez fui eu, e amanhã quem será?", questionou.
Em nota, a Prefeitura de Malhadados Bois repudiou a violência sofrida pela professora. "É inadmissível que qualquer profissional, especialmente o educador, que tem a missão de ensinar e formar cidadão, seja atacado de forma covarde e violenta por aqueles que o deveriam respeitar e valorizar", diz o comunicado. O Sintese, por sua vez, acompanha o caso através de sua assessoria jurídica.

A polícia de Malhada  dos Bois (Baixo São  Francisco) ouviu ontem o depoimento da professora Vânia Bastos Corrêa, que foi agredida dentro da sala de aula pela mãe de uma aluna acusada de furto. O incidente aconteceu quarta-feira passada na Escola Municipal Santa Maria, no povoado Cruz da Donzela, e ganhou repercussão depois que um vídeo gravado por um aluno circulou pelas redes sociais. A aluna envolvida e a mãe delajá foram identificadas e serão ouvidas nos próximos dias pela delegada Michele Araújo, responsável pelo caso. O depoimento foi acompanhado por alunos e professores da Santa Maria e de outras escolas, que fizeram uma manifestação de apoio à professora em frente à delegacia. 
Segundo Vânia, que também é diretora da escola, tudo aconteceu depois que a adolescente foi flagrada furtando a bolsa de uma funcionária e foi repreendida. A mãe da garota foi chamada à escola e, ao ouvir a explicação da vítima, reagiu dando tapas e chutes contra ela. Em um certo momento, a professora acaba encurralada contra a parede e pressionada pelo pescoço, como se estivesse sendo enforcada. Um professor que interveio para tentar defendê-la também foi agredido com um chute. A agressão terminou depois de cerca de dois minutos, com a mulher fazendo ameaças ao sair da sala. 
Após relatar a agressão, Vânia prestou queixa na delegacia e comunicou o caso tanto à Secretaria Municipal de Educação quanto à direção estadual do Sindicato dos Trabalhadores e  Educação da Rede Oficial de Ensino de Sergipe (Sintese). A professora fez um desabafo, atribuindo o episódio à má educação familiar que vem sendo dada pelos pais aos filhos. "Lamentável que nós educadores que lutamos sempre por uma educação, decente, digna e com qualidade para nossos estudantes, tenhamos que passar por situações como essa. Violência gratuita e intolerância... Infelizmente esse não é um fato isolado, todos nós educadores estamos sujeitos a essas situações em nosso local de trabalho, dessa vez fui eu, e amanhã quem será?", questionou.
Em nota, a Prefeitura de Malhadados Bois repudiou a violência sofrida pela professora. "É inadmissível que qualquer profissional, especialmente o educador, que tem a missão de ensinar e formar cidadão, seja atacado de forma covarde e violenta por aqueles que o deveriam respeitar e valorizar", diz o comunicado. O Sintese, por sua vez, acompanha o caso através de sua assessoria jurídica.