Secretarias de Educação e da Fazenda têm novos titulares

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Belivaldo Chagas cumprimenta Ademário Alves de Jesus, novo secretário da Fazenda
Belivaldo Chagas cumprimenta Ademário Alves de Jesus, novo secretário da Fazenda

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 11/04/2018 às 06:01:00

 

O governador Belivaldo 
Chagas empossou os 
novos secretários de Estado da Fazenda (Sefaz), Ademário Alves de Jesus, e da Educação, Josué Modesto dos Passos Subrinho, nesta terça-feira. Ademário substitui na Sefaz o professor Josué Modesto, que assume a Seed, substituindo o professor Jorge Carvalho. 
Belivaldo afirmou que a escolha de Ademário foi orientada por aspectos técnicos ao observar o currículo do sergipano. O governador agradeceu a contribuição de Josué Modesto à pasta. "Reconheço a dedicação e os esforços de Josué como secretário da Sefaz e tenho certeza que fará uma ótima gestão na Educação a partir de agora. Quanto a Ademário, fomos buscar um sergipano que está fazendo uma carreira brilhante no Banco do Nordeste. Ele gerenciava a terceira maior agência de todo o BNB, a maior de Pernambuco, com captação de recursos da ordem de R$ 4 bilhões. Tem experiência na área de finanças e, portanto, é alguém que se propõe a ajudar. Foi uma escolha eminentemente técnica. O que eu espero do secretário é que ele dialogue bem com a sociedade, com todos que fazem a Secretaria da Fazenda e que melhoremos a arrecadação. Vamos fazer a nossa parte a respeito da redução de despesas", garantiu.
Segundo o novo gestor da Fazenda, sua administração será pautada pela ética e respeito às pessoas. "Trabalho desde os 10 anos e tenho orgulho de dizer que o maior patrimônio que estou construindo é a minha biografia, pautada em ética, trabalho e respeito às pessoas. Há cerca de um mês, tive a oportunidade de conhecer o agora governador Belivaldo Chagas e confesso que fiquei positivamente impressionado com a pessoa pública que ali estava, demonstrando conhecimento profundo dos principais desafios do Estado e uma vontade latente de fazer cada vez mais e melhor pelo povo sergipano. Nossa energia estará sempre focada na busca de soluções, soluções estruturantes, deixando de lado as medidas simplistas e de curto prazo. Buscaremos ações que melhorem a produtividade e se revertam em desenvolvimento econômico social e que sejam sustentáveis a médio e longo prazos", defendeu Ademário Alves de Jesus.     
Educação - Para Belivaldo, o novo gestor da Educação traz a experiência adquirida na área ao longo da sua vida com docente e depois reitor da Universidade Federal de Sergipe (UFS). "Quero dizer da minha tranquilidade e felicidade ao empossar Josué nesta pasta que considero uma das mais importantes. Sei que competência não lhe falta e tenho certeza que dedicação também não faltará no desempenho das atividades da Secretaria. Sei da importância de ser secretário da Educação, aqui aprendi a conviver com o contraditório, aprendi a ouvir. E peço que mantenha um excelente diálogo com os sindicatos que compõem a Educação, porque os servidores têm que ser ouvidos".
Em seu discurso de posse, Josué Modesto questionou sobre o que aconteceu nos últimos 40 anos no Brasil com a escola pública e citou o exemplo do Atheneu como formador de grandes homens e mulheres à frente hoje de órgãos, empresas, cargos e funções de reconhecimento em Sergipe. "Somos a geração que testemunhou o auge do prestígio da escola pública no Brasil, que deu mais crédito e observou a escola pública como alavanca de transformação social, da construção de uma sociedade maior. É doloroso constatar sua contínua degradação e também o surgimento e difusão de pensamentos que negam o papel transformador da Educação".
No entanto, o novo chefe da Seed, explicou que há conquistas que devem ser consideradas e que servem como estímulo para busca de uma realidade melhor. "O descrédito da escola pública, a agressão a professores e funcionários administrativos não é, felizmente, a única fase desta complexa realidade no Brasil. No aspecto positivo, temos avanços consideráveis na formação dos professores, no estabelecimento de um piso salarial nacional. Acredito em ações articuladas que passam necessariamente pelo papel central dos professores e das famílias no processo educacional. Faz-se preciso resgatar a confiança, a esperança, a profunda vontade de mudar, de recolocar nossas escolas no lugar de prestígio que desfrutaram no passado". 

O governador Belivaldo  Chagas empossou os  novos secretários de Estado da Fazenda (Sefaz), Ademário Alves de Jesus, e da Educação, Josué Modesto dos Passos Subrinho, nesta terça-feira. Ademário substitui na Sefaz o professor Josué Modesto, que assume a Seed, substituindo o professor Jorge Carvalho. 
Belivaldo afirmou que a escolha de Ademário foi orientada por aspectos técnicos ao observar o currículo do sergipano. O governador agradeceu a contribuição de Josué Modesto à pasta. "Reconheço a dedicação e os esforços de Josué como secretário da Sefaz e tenho certeza que fará uma ótima gestão na Educação a partir de agora. Quanto a Ademário, fomos buscar um sergipano que está fazendo uma carreira brilhante no Banco do Nordeste. Ele gerenciava a terceira maior agência de todo o BNB, a maior de Pernambuco, com captação de recursos da ordem de R$ 4 bilhões. Tem experiência na área de finanças e, portanto, é alguém que se propõe a ajudar. Foi uma escolha eminentemente técnica. O que eu espero do secretário é que ele dialogue bem com a sociedade, com todos que fazem a Secretaria da Fazenda e que melhoremos a arrecadação. Vamos fazer a nossa parte a respeito da redução de despesas", garantiu.
Segundo o novo gestor da Fazenda, sua administração será pautada pela ética e respeito às pessoas. "Trabalho desde os 10 anos e tenho orgulho de dizer que o maior patrimônio que estou construindo é a minha biografia, pautada em ética, trabalho e respeito às pessoas. Há cerca de um mês, tive a oportunidade de conhecer o agora governador Belivaldo Chagas e confesso que fiquei positivamente impressionado com a pessoa pública que ali estava, demonstrando conhecimento profundo dos principais desafios do Estado e uma vontade latente de fazer cada vez mais e melhor pelo povo sergipano. Nossa energia estará sempre focada na busca de soluções, soluções estruturantes, deixando de lado as medidas simplistas e de curto prazo. Buscaremos ações que melhorem a produtividade e se revertam em desenvolvimento econômico social e que sejam sustentáveis a médio e longo prazos", defendeu Ademário Alves de Jesus.     
Educação - Para Belivaldo, o novo gestor da Educação traz a experiência adquirida na área ao longo da sua vida com docente e depois reitor da Universidade Federal de Sergipe (UFS). "Quero dizer da minha tranquilidade e felicidade ao empossar Josué nesta pasta que considero uma das mais importantes. Sei que competência não lhe falta e tenho certeza que dedicação também não faltará no desempenho das atividades da Secretaria. Sei da importância de ser secretário da Educação, aqui aprendi a conviver com o contraditório, aprendi a ouvir. E peço que mantenha um excelente diálogo com os sindicatos que compõem a Educação, porque os servidores têm que ser ouvidos".
Em seu discurso de posse, Josué Modesto questionou sobre o que aconteceu nos últimos 40 anos no Brasil com a escola pública e citou o exemplo do Atheneu como formador de grandes homens e mulheres à frente hoje de órgãos, empresas, cargos e funções de reconhecimento em Sergipe. "Somos a geração que testemunhou o auge do prestígio da escola pública no Brasil, que deu mais crédito e observou a escola pública como alavanca de transformação social, da construção de uma sociedade maior. É doloroso constatar sua contínua degradação e também o surgimento e difusão de pensamentos que negam o papel transformador da Educação".
No entanto, o novo chefe da Seed, explicou que há conquistas que devem ser consideradas e que servem como estímulo para busca de uma realidade melhor. "O descrédito da escola pública, a agressão a professores e funcionários administrativos não é, felizmente, a única fase desta complexa realidade no Brasil. No aspecto positivo, temos avanços consideráveis na formação dos professores, no estabelecimento de um piso salarial nacional. Acredito em ações articuladas que passam necessariamente pelo papel central dos professores e das famílias no processo educacional. Faz-se preciso resgatar a confiança, a esperança, a profunda vontade de mudar, de recolocar nossas escolas no lugar de prestígio que desfrutaram no passado".