Temer dá posse a novos ministros e afirma que Brasil está no rumo certo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O presidente Michel Temer dá posse a novos ministros, em cerimônia no Palácio do Planalto
O presidente Michel Temer dá posse a novos ministros, em cerimônia no Palácio do Planalto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 11/04/2018 às 06:02:00

 

Marcelo Brandão 
Agência Brasil
O presidente Michel Temer deu posse a dez ministros na tarde de ontem (10), no Palácio do Planalto. Em discurso, ele afirmou que o Brasil está no rumo certo e frisou a manutenção da estrutura político-partidária na reforma ministerial. Disse que a ideia era dar continuidade ao que já vinha sendo feito em cada pasta.
"Não interrompemos a administração. Ao escolhermos os ministérios, mantivemos a mesma composição político-partidária. Nosso objetivo é construir um novo Brasil, e não interromper o que foi feito até agora. Vamos completar a obra que começamos. O governo tem rumo, o país tem rumo. O novo Brasil veio para ficar", disse.
Tomaram posse Eduardo Guardia (Fazenda), Rossieli Soares da Silva (Educação), Alberto Beltrame (Desenvolvimento Social), Marcos Jorge (Indústria, Comércio Exterior e Serviços), Esteves Colnago (Planejamento), Leandro Cruz Fróes da Silva (Esporte), Vinicius Lummertz (Turismo), Antônio de Pádua de Deus (Integração Nacional) e Moreira Franco (Minas e Energia). Além desses nove, Helton Yomura, que ocupava interinamente o ministério do Trabalho, foi efetivado no cargo.
Temer discursou por 16 minutos, nos quais reservou espaço para falar um pouco de cada ministro, tanto os que saíram quanto os que assumem. Desejou sucesso aos que chegam e agradeceu ao trabalho dos que deixam o governo. A reforma ministerial foi conduzida por Temer em virtude da saída dos ministros que pretendem disputar as eleições deste ano, na chamada desincompatibilização.
Temer lembrou o trabalho do ex-ministro Mendonça Filho à frente do Ministério da Educação, com a aprovação da Base Nacional Comum Curricular, a reforma do ensino médio, as mudanças no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e a ampliação das vagas para o ensino médio em tempo integral. O presidente desejou êxito ao novo ministro, Rossieli Soares, ressaltando que ele é um "conhecedor" da educação do Brasil. "À altura do que merecem nossas crianças e jovens, à altura do potencial do Brasil", disse Temer.
Temer disse que o trabalho de Meirelles à frente da pasta da Fazenda foi essencial para que o Brasil recuperasse a credibilidade das contas públicas e retomasse o crescimento. Acrescentou ainda que o país, hoje, tem bases firmes graças à atuação de Meirelles na área econômica. Sobre Guardia, Temer disse que ele assume um "navio que está no rumo certo", o rumo do crescimento e da geração de empregos e renda.
O presidente elogiou o trabalho de Osmar Terra e citou o que chamou de "revalorização do Bolsa Família" como um de seus legados. Temer citou o fato de Beltrame, assim como Terra, também ser médico e disse que "os médicos sempre trazem para a vida pública a preocupação de cuidar das pessoas".

O presidente Michel Temer deu posse a dez ministros na tarde de ontem (10), no Palácio do Planalto. Em discurso, ele afirmou que o Brasil está no rumo certo e frisou a manutenção da estrutura político-partidária na reforma ministerial. Disse que a ideia era dar continuidade ao que já vinha sendo feito em cada pasta.
"Não interrompemos a administração. Ao escolhermos os ministérios, mantivemos a mesma composição político-partidária. Nosso objetivo é construir um novo Brasil, e não interromper o que foi feito até agora. Vamos completar a obra que começamos. O governo tem rumo, o país tem rumo. O novo Brasil veio para ficar", disse.
Tomaram posse Eduardo Guardia (Fazenda), Rossieli Soares da Silva (Educação), Alberto Beltrame (Desenvolvimento Social), Marcos Jorge (Indústria, Comércio Exterior e Serviços), Esteves Colnago (Planejamento), Leandro Cruz Fróes da Silva (Esporte), Vinicius Lummertz (Turismo), Antônio de Pádua de Deus (Integração Nacional) e Moreira Franco (Minas e Energia). Além desses nove, Helton Yomura, que ocupava interinamente o ministério do Trabalho, foi efetivado no cargo.
Temer discursou por 16 minutos, nos quais reservou espaço para falar um pouco de cada ministro, tanto os que saíram quanto os que assumem. Desejou sucesso aos que chegam e agradeceu ao trabalho dos que deixam o governo. A reforma ministerial foi conduzida por Temer em virtude da saída dos ministros que pretendem disputar as eleições deste ano, na chamada desincompatibilização.
Temer lembrou o trabalho do ex-ministro Mendonça Filho à frente do Ministério da Educação, com a aprovação da Base Nacional Comum Curricular, a reforma do ensino médio, as mudanças no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e a ampliação das vagas para o ensino médio em tempo integral. O presidente desejou êxito ao novo ministro, Rossieli Soares, ressaltando que ele é um "conhecedor" da educação do Brasil. "À altura do que merecem nossas crianças e jovens, à altura do potencial do Brasil", disse Temer.
Temer disse que o trabalho de Meirelles à frente da pasta da Fazenda foi essencial para que o Brasil recuperasse a credibilidade das contas públicas e retomasse o crescimento. Acrescentou ainda que o país, hoje, tem bases firmes graças à atuação de Meirelles na área econômica. Sobre Guardia, Temer disse que ele assume um "navio que está no rumo certo", o rumo do crescimento e da geração de empregos e renda.
O presidente elogiou o trabalho de Osmar Terra e citou o que chamou de "revalorização do Bolsa Família" como um de seus legados. Temer citou o fato de Beltrame, assim como Terra, também ser médico e disse que "os médicos sempre trazem para a vida pública a preocupação de cuidar das pessoas".