Adutora rompe e sertão fica sem água

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 11/04/2018 às 06:16:00

 

Em virtude do rompimento da adutora da região semiárida do Estado, a Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) informou na tarde de ontem que o reinício do fornecimento nas dez cidades atingidas está sendo realizado de forma gradativa, e pode durar até 24 horas para atingir todas as regiões por completo. Além da zona rural do município de Porto da Folha, moradores das cidades de Poço Redondo, Monte Alegre, Nossa Senhora da Glória, São Miguel do Aleixo, Nossa Senhora Aparecida, Frei Paulo, Pedra Mole, Pinhão e Carira sofrem desde a madrugada de ontem com o desabastecimento.
De acordo com a Assessoria de Comunicação do órgão, durante este período de manutenção, o Governo do Estado tem fornecido apoio operacional com prioridade para creches, hospitais, asilos e demais entidades apontadas como de ampla vulnerabilidade. Unidades escolares e postos de saúde também se enquadram neste grupo. Paralelo ao serviço parcialmente concluído no que se refere ao fornecimento de água, peritos da Deso iniciaram ainda na manhã de ontem um estudo técnico a fim de identificar os possíveis motivos que resultaram no contratempo que afetou mais de 200 mil pessoas.
Diante da suspensão, comerciantes do centro de Nossa Senhora da Glória tiveram que trabalhar por alternativas na tentativa de evitar que o atendimento público fosse inviabilizado e o setor contabilizasse prejuízo. Destinar a água que restava nos reservatórios apenas para promover a preparação de alimentos foi uma das ações paliativas. Banheiros e algumas panelas tiveram que aguardar para hoje. Por telefone, apesar de entender o contratempo enfrentado, a microempresária Alice Novaes lamentou o problema e pediu agilidades nas ações. Ela garante que o setor de comércio alimentício foi o maior prejudicado com o problema.

Em virtude do rompimento da adutora da região semiárida do Estado, a Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) informou na tarde de ontem que o reinício do fornecimento nas dez cidades atingidas está sendo realizado de forma gradativa, e pode durar até 24 horas para atingir todas as regiões por completo. Além da zona rural do município de Porto da Folha, moradores das cidades de Poço Redondo, Monte Alegre, Nossa Senhora da Glória, São Miguel do Aleixo, Nossa Senhora Aparecida, Frei Paulo, Pedra Mole, Pinhão e Carira sofrem desde a madrugada de ontem com o desabastecimento.
De acordo com a Assessoria de Comunicação do órgão, durante este período de manutenção, o Governo do Estado tem fornecido apoio operacional com prioridade para creches, hospitais, asilos e demais entidades apontadas como de ampla vulnerabilidade. Unidades escolares e postos de saúde também se enquadram neste grupo. Paralelo ao serviço parcialmente concluído no que se refere ao fornecimento de água, peritos da Deso iniciaram ainda na manhã de ontem um estudo técnico a fim de identificar os possíveis motivos que resultaram no contratempo que afetou mais de 200 mil pessoas.
Diante da suspensão, comerciantes do centro de Nossa Senhora da Glória tiveram que trabalhar por alternativas na tentativa de evitar que o atendimento público fosse inviabilizado e o setor contabilizasse prejuízo. Destinar a água que restava nos reservatórios apenas para promover a preparação de alimentos foi uma das ações paliativas. Banheiros e algumas panelas tiveram que aguardar para hoje. Por telefone, apesar de entender o contratempo enfrentado, a microempresária Alice Novaes lamentou o problema e pediu agilidades nas ações. Ela garante que o setor de comércio alimentício foi o maior prejudicado com o problema.