Santa Isabel terá 30 dias para quitar pendência do aumento retroativo salarial

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Reunião na SRT define prazo para hospital cumprir acordo coletivo
Reunião na SRT define prazo para hospital cumprir acordo coletivo

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 12/04/2018 às 06:41:00

 

O Hospital Santa Isabel terá prazo de 30 dias para fazer um levantamento financeiro a fim de quitar a pendência retroativa concernente ao aumento salarial formalizado na Convenção Coletiva junto ao Sindicato dos Hospitais e Clínicas do Estado de Sergipe (Sindhose). A decisão foi fruto do pedido do próprio procurador do hospital, Thiago Tavares Cabral, que pediu este prazo durante a audiência mediada por Nilson Barreto Socorro, da Superintendência Regional do Trabalho (SRT), com a direção do Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa), na manhã desta quarta-feira, na sede da SRT.
Durante a mediação, o Sintasa cobrou ainda a formalização do Acordo Coletivo 2017/2018, que mesmo depois de mediação da SRT no final do ano passado, ainda não foi finalizada. Na ocasião, a direção do hospital teria se comprometido a continuar as negociações diretas para o fechamento do acordo, mas não respondeu dois ofícios do sindicato cobrando uma reunião para finalizar a confecção da norma coletiva. Daí, a necessidade do auxílio da SRT para a atual audiência.
"O Hospital não só não formalizou o Acordo Coletivo de Trabalho da data-base 2017-2018 como também não vem cumprindo integralmente a Convenção Coletiva de Trabalho. Inclusive, com registro de passivo decorrente da retroatividade da norma coletiva a data-base, 1º de junho", explica o presidente do Sintasa, Augusto Couto.
Participaram ainda da mediação, a tesoureira do Sintasa, Maria de Lourdes, e o advogado do sindicato, Adalício Morbeck.

O Hospital Santa Isabel terá prazo de 30 dias para fazer um levantamento financeiro a fim de quitar a pendência retroativa concernente ao aumento salarial formalizado na Convenção Coletiva junto ao Sindicato dos Hospitais e Clínicas do Estado de Sergipe (Sindhose). A decisão foi fruto do pedido do próprio procurador do hospital, Thiago Tavares Cabral, que pediu este prazo durante a audiência mediada por Nilson Barreto Socorro, da Superintendência Regional do Trabalho (SRT), com a direção do Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa), na manhã desta quarta-feira, na sede da SRT.
Durante a mediação, o Sintasa cobrou ainda a formalização do Acordo Coletivo 2017/2018, que mesmo depois de mediação da SRT no final do ano passado, ainda não foi finalizada. Na ocasião, a direção do hospital teria se comprometido a continuar as negociações diretas para o fechamento do acordo, mas não respondeu dois ofícios do sindicato cobrando uma reunião para finalizar a confecção da norma coletiva. Daí, a necessidade do auxílio da SRT para a atual audiência.
"O Hospital não só não formalizou o Acordo Coletivo de Trabalho da data-base 2017-2018 como também não vem cumprindo integralmente a Convenção Coletiva de Trabalho. Inclusive, com registro de passivo decorrente da retroatividade da norma coletiva a data-base, 1º de junho", explica o presidente do Sintasa, Augusto Couto.
Participaram ainda da mediação, a tesoureira do Sintasa, Maria de Lourdes, e o advogado do sindicato, Adalício Morbeck.