Valadares defende acesso à água e ao saneamento básico como direito social

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Valadares discursa no Senado em defesa da \'PEC da Água\'
Valadares discursa no Senado em defesa da \'PEC da Água\'

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 12/04/2018 às 07:00:00

 

O senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) defendeu, na tribuna, a inclusão do acesso à água e ao saneamento básico no rol dos direitos sociais garantidos pela Constituição. Ele pediu a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 35/2017), de sua autoria, que tem esse objetivo e alertou sobre a preservação das fontes de água.
Valadares lembrou que a PEC se alinha com os desdobramentos do 8º Fórum Mundial da Água, realizado em Brasília, em março deste ano. Para ele, não são novos os alertas para a necessidade de preservação das fontes de água potável e em favor de seu uso racional. "Em 1995, o então presidente do Banco Mundial, Ismail Serageldin, apresentou um diagnóstico sombrio, de que as guerras que viriam não seriam geradas pela política, religião ou petróleo, mas pela escassez de água", citou.
O senador recordou que várias autoridades, entre elas o Papa Francisco, também já se pronunciaram sobre o assunto. Segundo ele, por serem inquietantes, esses prognósticos demandam atitudes urgentes para garantir uma "sobrevivência digna e pacífica da humanidade". "Acontece que ainda hoje, no Brasil, o acesso à água e ao saneamento muitas vezes é considerado questão de caridade ou abordado como um serviço de prestação facultativa. E isso durante o recrudescimento da seca, são os famosos carros-pipas", lamentou.
Valadares reforçou a importância do Parlamento na missão de contribuir por meio da edição de leis que protejam e forcem a tomada da ação governamental. "Reitero o chamamento pela união de esforços no Senado para que avancemos nesse desafio, de garantir um futuro para o nosso país, com acesso igualitário e farto a um bem irrenunciável, fundamental para a dignidade humana", concluiu.

O senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) defendeu, na tribuna, a inclusão do acesso à água e ao saneamento básico no rol dos direitos sociais garantidos pela Constituição. Ele pediu a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 35/2017), de sua autoria, que tem esse objetivo e alertou sobre a preservação das fontes de água.
Valadares lembrou que a PEC se alinha com os desdobramentos do 8º Fórum Mundial da Água, realizado em Brasília, em março deste ano. Para ele, não são novos os alertas para a necessidade de preservação das fontes de água potável e em favor de seu uso racional. "Em 1995, o então presidente do Banco Mundial, Ismail Serageldin, apresentou um diagnóstico sombrio, de que as guerras que viriam não seriam geradas pela política, religião ou petróleo, mas pela escassez de água", citou.
O senador recordou que várias autoridades, entre elas o Papa Francisco, também já se pronunciaram sobre o assunto. Segundo ele, por serem inquietantes, esses prognósticos demandam atitudes urgentes para garantir uma "sobrevivência digna e pacífica da humanidade". "Acontece que ainda hoje, no Brasil, o acesso à água e ao saneamento muitas vezes é considerado questão de caridade ou abordado como um serviço de prestação facultativa. E isso durante o recrudescimento da seca, são os famosos carros-pipas", lamentou.
Valadares reforçou a importância do Parlamento na missão de contribuir por meio da edição de leis que protejam e forcem a tomada da ação governamental. "Reitero o chamamento pela união de esforços no Senado para que avancemos nesse desafio, de garantir um futuro para o nosso país, com acesso igualitário e farto a um bem irrenunciável, fundamental para a dignidade humana", concluiu.