Ação contra o tráfico tem seis presos e três mortos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Um dos presos na operação desencadeada no Bairro Santa Maria
Um dos presos na operação desencadeada no Bairro Santa Maria

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 13/04/2018 às 07:41:00

 

Gabriel Damásio
Três homens morreram e 
outros seis foram presos 
ontem de manhã, durante uma operação deflagrada pela Polícia Civil para cumprir 15 mandados de prisão. O alvo é um grupo responsável por vários crimes de homicídio e tráfico de drogas, além da fabricação e venda ilegal de armas de fogo no bairro Santa Maria, zona sul de Aracaju. A quadrilha foi investigada durante quatro meses pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) e era baseada principalmente na favela do 'Suvaco da Gata', considerada uma das mais pobres e violentas da capital sergipana.
Um dos que morreram durante as buscas foiVanderson Tenório da Silva, o 'Mau Conduta', 34 anos, apontado como líder do tráfico no 'Suvaco da Gata' e apontado como responsável por pelo menos nove assassinatos ocorridos na região e em comunidades próximas, como Jardim Recreio e Jardim Paraisópolis. Cinco destes crimes tiveram a autoria comprovada nos inquéritos do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). 'Mau Conduta' morreu no povoado Betume, em Neópolis, onde reagiu a um cerco dos policiais e foi baleado em um tiroteio.
Já no bairro Santa Maria, outros dois homens considerados auxiliares diretos de Vanderson também morreram em confronto com a polícia: José Lucas Santos Carvalho, o 'Rato', 20; e Daniel dos Santos, o 'Xana', 25. Eles, de acordo com a polícia, executavam as ordens dadas por à distância pelo líder da quadrilha. 
Os crimes estão relacionados à disputa pelo controle do tráfico de drogas nas comunidades e era o próprio acusado quem decidia as vítimas a serem mortas, cobrava as dívidas de drogas, comprava armas de fogo e gerenciava o andamento do tráfico. "O Vanderson assumiu o controle do tráfico e cometeu essa série de homicídios para estabelecer a hegemonia do crime nesses locais. Era considerada a parte mais rentável do tráfico de drogas no Santa Maria", disse o delegado Hugo Leonardo Melo, do Cope.
Já entre os presos, está José Domingo Assis Santos, 42, funcionário da empresa Reviver, que administra o Complexo Penitenciário Antônio Jacinto Filho (Compajaf), no Santa Maria. Segundo a polícia, ele fornecia munições de diversos calibres aos integrantes da quadrilha e foi flagrado com uma pistola calibre 380 e um revólver calibre 38. O delegado garante não haver indícios de que o agente prisional tenha cometido qualquer tipo de crime dentro do Compajaf, mas apenas fora do presídio, pois ele está afastado do serviço devido a uma licença médica.  
Outros dois presos, oserralheiroEdivaldo dos Anjos Ferreira, 26; e o soldadorJoão Paulo dos Santos Amaral, 22; eram responsáveis pela fabricação e pela venda de armas caseiras, como garruchas, revólveres e escopetas de calibre 12 e 38. As armas eram fabricadas a partir de materiais comuns, como canos de ferro ou aço, escapamentos de moto, pregos, molas de guarda-chuva e batentes de madeira. Entre as sete armas de fogo apreendidas na operação, incluindo a pistola e o revólver do agente da Reviver, foram encontradas duas espingardas caseiras calibre 12 e uma espingarda calibre 36, que tinha uma espécie de tambor giratório semelhante ao que existe nos revólveres 38, mas adaptados para munição de escopeta.
A técnica usada na fabricação do armamento impressionou os policiais, principalmente pelos acusados não terem passagem pela polícia e nem experiência técnica na fabricação de armamentos, mas o que foi definido como "curiosidade". Edivaldo e João Paulo também seriam responsáveis pela manutenção dos armamentos do grupo. "Digamos que era a parcela não violenta da quadrilha. Eles vão responder pela associação ao tráfico e pela associação criminosa. E também pela fabricação e pelo comércio das armas de fogo, o que é um crime grave", disse o delegado. 
Os outros três presos na operação foram identificados como Gabriel de Jesus Santos, o 'Motoboy', 20; David dos Santos Gomes, 22; e Ronald Carlos dos Santos, 23. A polícia também apreendeu uma moto roubada, aparelhos celulares, uma televisão de 50 polegadas, uma balança de precisão e porções de drogas com os acusados. 
Ao todo, foram mobilizados 60 policiais civis durante a operação, com equipes do Cope, do DHPP, da Divisão de Inteligência Policial (Dipol), do Grupo Especial de Repressão e Busca (Gerb) e da 9ª Delegacia Metropolitana (9ªDM), responsável pelos bairros Santa Maria e 17 de Março. A previsão é de que as investigações continuem para descobrir outras pessoas ligadas à quadrilha e desbaratar outros grupos criminosos que tentem assumir o controle do tráfico nas regiões antes dominadas pelo grupo de 'Mau Conduta'. "A gente sabe que temos nomes tentando levantar a criminalidade no Suvaco. Estamos monitorando eles e não vamos deixar [o tráfico] crescer de novo, assim como no Jardim Paraisópolis e no Recreio. E vamos agir da mesma forma nas outras comunidades do Santa Maria", assegurou o delegado. 

Três homens morreram e  outros seis foram presos  ontem de manhã, durante uma operação deflagrada pela Polícia Civil para cumprir 15 mandados de prisão. O alvo é um grupo responsável por vários crimes de homicídio e tráfico de drogas, além da fabricação e venda ilegal de armas de fogo no bairro Santa Maria, zona sul de Aracaju. A quadrilha foi investigada durante quatro meses pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) e era baseada principalmente na favela do 'Suvaco da Gata', considerada uma das mais pobres e violentas da capital sergipana.
Um dos que morreram durante as buscas foiVanderson Tenório da Silva, o 'Mau Conduta', 34 anos, apontado como líder do tráfico no 'Suvaco da Gata' e apontado como responsável por pelo menos nove assassinatos ocorridos na região e em comunidades próximas, como Jardim Recreio e Jardim Paraisópolis. Cinco destes crimes tiveram a autoria comprovada nos inquéritos do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). 'Mau Conduta' morreu no povoado Betume, em Neópolis, onde reagiu a um cerco dos policiais e foi baleado em um tiroteio.
Já no bairro Santa Maria, outros dois homens considerados auxiliares diretos de Vanderson também morreram em confronto com a polícia: José Lucas Santos Carvalho, o 'Rato', 20; e Daniel dos Santos, o 'Xana', 25. Eles, de acordo com a polícia, executavam as ordens dadas por à distância pelo líder da quadrilha. 
Os crimes estão relacionados à disputa pelo controle do tráfico de drogas nas comunidades e era o próprio acusado quem decidia as vítimas a serem mortas, cobrava as dívidas de drogas, comprava armas de fogo e gerenciava o andamento do tráfico. "O Vanderson assumiu o controle do tráfico e cometeu essa série de homicídios para estabelecer a hegemonia do crime nesses locais. Era considerada a parte mais rentável do tráfico de drogas no Santa Maria", disse o delegado Hugo Leonardo Melo, do Cope.Já entre os presos, está José Domingo Assis Santos, 42, funcionário da empresa Reviver, que administra o Complexo Penitenciário Antônio Jacinto Filho (Compajaf), no Santa Maria. Segundo a polícia, ele fornecia munições de diversos calibres aos integrantes da quadrilha e foi flagrado com uma pistola calibre 380 e um revólver calibre 38. O delegado garante não haver indícios de que o agente prisional tenha cometido qualquer tipo de crime dentro do Compajaf, mas apenas fora do presídio, pois ele está afastado do serviço devido a uma licença médica.  
Outros dois presos, oserralheiroEdivaldo dos Anjos Ferreira, 26; e o soldadorJoão Paulo dos Santos Amaral, 22; eram responsáveis pela fabricação e pela venda de armas caseiras, como garruchas, revólveres e escopetas de calibre 12 e 38. As armas eram fabricadas a partir de materiais comuns, como canos de ferro ou aço, escapamentos de moto, pregos, molas de guarda-chuva e batentes de madeira. Entre as sete armas de fogo apreendidas na operação, incluindo a pistola e o revólver do agente da Reviver, foram encontradas duas espingardas caseiras calibre 12 e uma espingarda calibre 36, que tinha uma espécie de tambor giratório semelhante ao que existe nos revólveres 38, mas adaptados para munição de escopeta.
A técnica usada na fabricação do armamento impressionou os policiais, principalmente pelos acusados não terem passagem pela polícia e nem experiência técnica na fabricação de armamentos, mas o que foi definido como "curiosidade". Edivaldo e João Paulo também seriam responsáveis pela manutenção dos armamentos do grupo. "Digamos que era a parcela não violenta da quadrilha. Eles vão responder pela associação ao tráfico e pela associação criminosa. E também pela fabricação e pelo comércio das armas de fogo, o que é um crime grave", disse o delegado. Os outros três presos na operação foram identificados como Gabriel de Jesus Santos, o 'Motoboy', 20; David dos Santos Gomes, 22; e Ronald Carlos dos Santos, 23. A polícia também apreendeu uma moto roubada, aparelhos celulares, uma televisão de 50 polegadas, uma balança de precisão e porções de drogas com os acusados. 
Ao todo, foram mobilizados 60 policiais civis durante a operação, com equipes do Cope, do DHPP, da Divisão de Inteligência Policial (Dipol), do Grupo Especial de Repressão e Busca (Gerb) e da 9ª Delegacia Metropolitana (9ªDM), responsável pelos bairros Santa Maria e 17 de Março. A previsão é de que as investigações continuem para descobrir outras pessoas ligadas à quadrilha e desbaratar outros grupos criminosos que tentem assumir o controle do tráfico nas regiões antes dominadas pelo grupo de 'Mau Conduta'. "A gente sabe que temos nomes tentando levantar a criminalidade no Suvaco. Estamos monitorando eles e não vamos deixar [o tráfico] crescer de novo, assim como no Jardim Paraisópolis e no Recreio. E vamos agir da mesma forma nas outras comunidades do Santa Maria", assegurou o delegado.