Final de semana será de muitas atividades no Festival de Artes Cênicas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 13/04/2018 às 08:06:00

 

Neste final de semana o IV Festival Sergipano de Artes Cênicas segue com suas atividades. Sempre gratuitas, as apresentações que acontecerão nos Teatro Atheneu e Tobias Barreto, retratarão espetáculos que valorizam a cultura negra, além de peças com companhias de outros estados do país.
Na sexta-feira, 13, a maratona de espetáculos tem início, a partir das 20h, no Teatro Tobias Barreto, com a apresentação do grupo GINKÁ - Coletivo Afro Contemporâneo de Sergipe, que subirá ao palco com o espetáculo de dança Anaué. Com classificação indicativa livre, a peça é resultado de relatos, vivências e linguagem dos antepassados, seja no ato de cantar, dançar, ou mesmo em trajes presentes na cultura atual, com coreografias e interpretações oriundas da releitura corporal da África no Brasil.
Já no sábado, dia 14, às 19h30, o Teatro Tobias Barreto receberá a apresentação do grupo "Um que de negritude", que leva ao público o espetáculo "Omió - Omiró, Águas que lavam a vida e lavam a alma". O grupo, formado por alunos do Colégio Estadual Atheneu Sergipense, é conhecido por divulgar a cultura afro-brasileira através da dança e promover reflexões sobre o racismo e o preconceito racial na atualidade. O espetáculo tem classificação indicativa livre.
Ainda no sábado, o grupo Tato Criação Cênica, do Paraná, levará ao Teatro Atheneu, a partir das 21h, a peça "O tropeço". O espetáculo tem público reduzido, apenas 200 pessoas, e a distribuição das senhas para acesso será realizada uma hora antes do espetáculo.
A encenação é realizada apenas com as mãos dos atores, em uma mesa com  luz de velas, e conta a história de duas idosas que moram juntas. Partindo da costumeira visão que temos da velhice, mostra-se sua solidão e as pequenas ações rotineiras, porém cria-se um universo de sutileza e extravagância, poesia e comicidade em mãos que andam, dançam, bebem, respiram, riem e choram. A classificação indicativa do espetáculo é 14 anos.
Finalizando a programação do final da semana, a Companhia de Teatro Etc. e Tal, do Rio de Janeiro, apresenta o espetáculo "No buraco", uma apresentação totalmente sem palavras, unindo humor, mímica, circo e teatro em uma peça em que o público vê somente parte do corpo dos atores. A classificação indicativa do espetáculo é 14 anos. 
Sobre o Festival - O IV Festival Sergipano de Artes Cênicas é uma realização do Governo de Sergipe através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), que reúne apresentações diversas em mais de um mês de atividade. Todas as atividades são gratuitas, viabilizadas pelo Fundo de Desenvolvimento Cultural e Artístico (Funcart) e aprovado pelo Conselho Estadual de Cultura, e contam com o apoio da Impacto Comunicação Digital, Fundação Aperipê e Bipolar Operações Artísticas. A programação completa e mais informações podem ser acompanhadas pelo site www.cultura.se.gov.br e pelas redes sociais da Secult.

Neste final de semana o IV Festival Sergipano de Artes Cênicas segue com suas atividades. Sempre gratuitas, as apresentações que acontecerão nos Teatro Atheneu e Tobias Barreto, retratarão espetáculos que valorizam a cultura negra, além de peças com companhias de outros estados do país.
Na sexta-feira, 13, a maratona de espetáculos tem início, a partir das 20h, no Teatro Tobias Barreto, com a apresentação do grupo GINKÁ - Coletivo Afro Contemporâneo de Sergipe, que subirá ao palco com o espetáculo de dança Anaué. Com classificação indicativa livre, a peça é resultado de relatos, vivências e linguagem dos antepassados, seja no ato de cantar, dançar, ou mesmo em trajes presentes na cultura atual, com coreografias e interpretações oriundas da releitura corporal da África no Brasil.
Já no sábado, dia 14, às 19h30, o Teatro Tobias Barreto receberá a apresentação do grupo "Um que de negritude", que leva ao público o espetáculo "Omió - Omiró, Águas que lavam a vida e lavam a alma". O grupo, formado por alunos do Colégio Estadual Atheneu Sergipense, é conhecido por divulgar a cultura afro-brasileira através da dança e promover reflexões sobre o racismo e o preconceito racial na atualidade. O espetáculo tem classificação indicativa livre.
Ainda no sábado, o grupo Tato Criação Cênica, do Paraná, levará ao Teatro Atheneu, a partir das 21h, a peça "O tropeço". O espetáculo tem público reduzido, apenas 200 pessoas, e a distribuição das senhas para acesso será realizada uma hora antes do espetáculo.
A encenação é realizada apenas com as mãos dos atores, em uma mesa com  luz de velas, e conta a história de duas idosas que moram juntas. Partindo da costumeira visão que temos da velhice, mostra-se sua solidão e as pequenas ações rotineiras, porém cria-se um universo de sutileza e extravagância, poesia e comicidade em mãos que andam, dançam, bebem, respiram, riem e choram. A classificação indicativa do espetáculo é 14 anos.Finalizando a programação do final da semana, a Companhia de Teatro Etc. e Tal, do Rio de Janeiro, apresenta o espetáculo "No buraco", uma apresentação totalmente sem palavras, unindo humor, mímica, circo e teatro em uma peça em que o público vê somente parte do corpo dos atores. A classificação indicativa do espetáculo é 14 anos. 
Sobre o Festival - O IV Festival Sergipano de Artes Cênicas é uma realização do Governo de Sergipe através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), que reúne apresentações diversas em mais de um mês de atividade. Todas as atividades são gratuitas, viabilizadas pelo Fundo de Desenvolvimento Cultural e Artístico (Funcart) e aprovado pelo Conselho Estadual de Cultura, e contam com o apoio da Impacto Comunicação Digital, Fundação Aperipê e Bipolar Operações Artísticas. A programação completa e mais informações podem ser acompanhadas pelo site www.cultura.se.gov.br e pelas redes sociais da Secult.