Salário mínimo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 13/04/2018 às 08:26:00

 

O governo propôs salário míni-
mo de R$ 1002 para o próxi-
mo ano. O valor consta do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019, apresentado ontem pelo governo Temer. Segundo a equipe econômica do presidente, o ajuste obedece à regra vigente, de correção do mínimo pela inflação do ano anterior mais a variação do Produto Interno Bruto. Daí o acréscimo, ínfimo. Na percepção dos trabalhadores, o salário mínimo seguirá ainda muito aquém das necessidades básicas.
Verdade seja dita: O trabalhador brasileiro transpira de sol a sol apenas para colocar comida na mesa. E quem afirma é o Departamento Intersindical de Estatística e Estudo Socioeconômico (Dieese), uma fonte acima de qualquer suspeita.
É com base no custo apurado da cesta básica e levando em consideração a determinação constitucional que inclui moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência entre as despesas fundamentais, que o Dieese estima o valor do salário mínimo ideal. Em março, por exemplo, o Dieese calculou que o salário mínimo ideal para sustentar uma família de quatro pessoas deveria ser de R$ 3.706,44. O valor é 3,89 vezes o salário atualmente em vigor.
Os cálculos do Dieese deixam claro que estamos muito longe ainda de um estado de bem estar social. Para viver de verdade, todo trabalhador precisa de comida, diversão e arte. Para tanto, os R$ 1002 estipulados para o próximo ano não chegam nem perto. Trata-se, ao contrário, de um salário de fome.

O governo propôs salário míni- mo de R$ 1002 para o próxi- mo ano. O valor consta do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019, apresentado ontem pelo governo Temer. Segundo a equipe econômica do presidente, o ajuste obedece à regra vigente, de correção do mínimo pela inflação do ano anterior mais a variação do Produto Interno Bruto. Daí o acréscimo, ínfimo. Na percepção dos trabalhadores, o salário mínimo seguirá ainda muito aquém das necessidades básicas.
Verdade seja dita: O trabalhador brasileiro transpira de sol a sol apenas para colocar comida na mesa. E quem afirma é o Departamento Intersindical de Estatística e Estudo Socioeconômico (Dieese), uma fonte acima de qualquer suspeita.
É com base no custo apurado da cesta básica e levando em consideração a determinação constitucional que inclui moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência entre as despesas fundamentais, que o Dieese estima o valor do salário mínimo ideal. Em março, por exemplo, o Dieese calculou que o salário mínimo ideal para sustentar uma família de quatro pessoas deveria ser de R$ 3.706,44. O valor é 3,89 vezes o salário atualmente em vigor.
Os cálculos do Dieese deixam claro que estamos muito longe ainda de um estado de bem estar social. Para viver de verdade, todo trabalhador precisa de comida, diversão e arte. Para tanto, os R$ 1002 estipulados para o próximo ano não chegam nem perto. Trata-se, ao contrário, de um salário de fome.