Segurança em pauta

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 13/04/2018 às 23:29:00

 

Poucos setores da administração 
pública são tão sensíveis no co-
tidiano da população como a Segurança. Deriva da liberdade de ir e vir, sem temer o crime, a sensação de bem estar indispensável à qualidade de vida em um dado lugar. Em Sergipe, por exemplo, poucos se sentem confortáveis e seguros, obrigados às maiores precauções antes de botar os pés fora de casa. É esse quadro de desconfiança que o governador Belivaldo Chagas pretende enfrentar.
A redução da criminalidade em Sergipe é foco de um conjunto de medidas de Segurança anunciado ontem. Entre as principais ações, destacam-se a ampliação do policiamento no interior, com o funcionamento de 11 delegacias plantonistas, reforço do policiamento nas divisas estaduais, criação da 6ª Companhia, além da convocação de 50 policiais civis. Trata-se aqui de medidas práticas, há muito aguardadas.
Em que pese o esforço de seus antecessores no posto, a verdade é que o governador Belivaldo Chagas pode ser o primeiro gestor público a enfrentar de maneira franca alguns dos problemas identificados há tempos. O abandono do policiamento no interior do estado, por exemplo, fato público e notório, com repercussão desastrosa nas estatísticas de criminalidade registradas ao longo dos últimos anos, reclamava providências urgentes.
Vira e mexe, o noticiário local reporta a ousadia crescente da bandidagem em Sergipe, em episódios cada vez mais absurdos. A ousadia dos marginais cresce na exata medida e proporção da paralisia que acomete o estado. Sem razão para temer qualquer espécie de represália, os criminosos investem contra escolas, hospitais e até contra as igrejas. Já era tempo de se chamar o feito à ordem.

Poucos setores da administração  pública são tão sensíveis no co- tidiano da população como a Segurança. Deriva da liberdade de ir e vir, sem temer o crime, a sensação de bem estar indispensável à qualidade de vida em um dado lugar. Em Sergipe, por exemplo, poucos se sentem confortáveis e seguros, obrigados às maiores precauções antes de botar os pés fora de casa. É esse quadro de desconfiança que o governador Belivaldo Chagas pretende enfrentar.
A redução da criminalidade em Sergipe é foco de um conjunto de medidas de Segurança anunciado ontem. Entre as principais ações, destacam-se a ampliação do policiamento no interior, com o funcionamento de 11 delegacias plantonistas, reforço do policiamento nas divisas estaduais, criação da 6ª Companhia, além da convocação de 50 policiais civis. Trata-se aqui de medidas práticas, há muito aguardadas.
Em que pese o esforço de seus antecessores no posto, a verdade é que o governador Belivaldo Chagas pode ser o primeiro gestor público a enfrentar de maneira franca alguns dos problemas identificados há tempos. O abandono do policiamento no interior do estado, por exemplo, fato público e notório, com repercussão desastrosa nas estatísticas de criminalidade registradas ao longo dos últimos anos, reclamava providências urgentes.
Vira e mexe, o noticiário local reporta a ousadia crescente da bandidagem em Sergipe, em episódios cada vez mais absurdos. A ousadia dos marginais cresce na exata medida e proporção da paralisia que acomete o estado. Sem razão para temer qualquer espécie de represália, os criminosos investem contra escolas, hospitais e até contra as igrejas. Já era tempo de se chamar o feito à ordem.