Trabalhadores fazem protesto em aniversário de 2 anos do impeachment

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 16/04/2018 às 23:59:00

 

No aniversário de dois anos do impeachment que derrubou o governo da presidente Dilma Rousseff e desestabilizou a democracia brasileira, nessa terça-feira, dia 17 de abril, as organizações dos trabalhadores que formam a Frente Brasil Popular em Sergipe realizam mais um ato público em Aracaju. A concentração está marcada para às 16 horas, na Pça General Valadão.
O foco do protesto é o apoio que a Rede Globo de Televisão concedeu ao golpe que tirou a presidente eleita pela maioria da população e levou ao poder o governo de Michel Temer e seus aliados que vinham sendo, sucessivamente, derrotados nas eleições presidenciais. Desde então, o governo ilegítimo de Temer segue em investidas para destruir a Petrobrás e acabar com direitos sociais da população, com apoio da Globo.
A Central Única dos Trabalhadores (CUT) é uma das entidades que compõem a Frente Brasil e explica que a luta contra o golpe deve ser um compromisso da classe trabalhadora. "Aqueles que derrubaram o governo Dilma têm o objetivo claro de retirar direitos para aumentar a exploração, por isso, desde 2016, atacam os trabalhadores. Lula não está preso por ter cometido crime algum, até hoje não apareceu prova contra ele, mas sim porque representa uma ameaça a esses políticos que atacam os direitos e querem vender o Brasil. Os trabalhadores precisam ter consciência de qual o seu lado nessa luta de classes e da responsabilidade de se unificar para lutar, acima das divergências partidárias, em defesa dos direitos," defende o vice-presidente da central, Plínio Pugliesi.
Frente Brasil Popular - A Frente foi formada no segundo semestre de 2015, naquela época como organização de resistência em defesa da democracia. Desde seu surgimento, as entidades que compõem a Frente alertavam que a derrubada do governo eleito Dilma Rousseff não seria apenas um golpe contra o governo e seu partido, mas principalmente um golpe contra os direitos da classe trabalhadora. Percebe-se que, na atualidade, as avaliações da Frente Brasil Popular foram acertadas e hoje o governo ilegítimo Michel Temer desmonta os direitos sociais, trabalhistas e previdenciários, conquistados pelo povo brasileiro no último século.
Em Sergipe, a Frente Brasil Popular tem sido um espaço de articulação dessas entidades. Tem entre os integrantes a Central Única dos Trabalhadores (CUT), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento Organizado dos Trabalhadores Urbanos (MOTU), Levante Popular da Juventude, além de partidos de esquerda e outros movimentos sociais.

No aniversário de dois anos do impeachment que derrubou o governo da presidente Dilma Rousseff e desestabilizou a democracia brasileira, nessa terça-feira, dia 17 de abril, as organizações dos trabalhadores que formam a Frente Brasil Popular em Sergipe realizam mais um ato público em Aracaju. A concentração está marcada para às 16 horas, na Pça General Valadão.
O foco do protesto é o apoio que a Rede Globo de Televisão concedeu ao golpe que tirou a presidente eleita pela maioria da população e levou ao poder o governo de Michel Temer e seus aliados que vinham sendo, sucessivamente, derrotados nas eleições presidenciais. Desde então, o governo ilegítimo de Temer segue em investidas para destruir a Petrobrás e acabar com direitos sociais da população, com apoio da Globo.
A Central Única dos Trabalhadores (CUT) é uma das entidades que compõem a Frente Brasil e explica que a luta contra o golpe deve ser um compromisso da classe trabalhadora. "Aqueles que derrubaram o governo Dilma têm o objetivo claro de retirar direitos para aumentar a exploração, por isso, desde 2016, atacam os trabalhadores. Lula não está preso por ter cometido crime algum, até hoje não apareceu prova contra ele, mas sim porque representa uma ameaça a esses políticos que atacam os direitos e querem vender o Brasil. Os trabalhadores precisam ter consciência de qual o seu lado nessa luta de classes e da responsabilidade de se unificar para lutar, acima das divergências partidárias, em defesa dos direitos," defende o vice-presidente da central, Plínio Pugliesi.
Frente Brasil Popular - A Frente foi formada no segundo semestre de 2015, naquela época como organização de resistência em defesa da democracia. Desde seu surgimento, as entidades que compõem a Frente alertavam que a derrubada do governo eleito Dilma Rousseff não seria apenas um golpe contra o governo e seu partido, mas principalmente um golpe contra os direitos da classe trabalhadora. Percebe-se que, na atualidade, as avaliações da Frente Brasil Popular foram acertadas e hoje o governo ilegítimo Michel Temer desmonta os direitos sociais, trabalhistas e previdenciários, conquistados pelo povo brasileiro no último século.
Em Sergipe, a Frente Brasil Popular tem sido um espaço de articulação dessas entidades. Tem entre os integrantes a Central Única dos Trabalhadores (CUT), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento Organizado dos Trabalhadores Urbanos (MOTU), Levante Popular da Juventude, além de partidos de esquerda e outros movimentos sociais.