Galeria de arte J. Inácio receberá exposição fotográfica

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Os caminhos do São Francisco, no olhar de Mozart Daltro
Os caminhos do São Francisco, no olhar de Mozart Daltro

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 18/04/2018 às 23:37:00

 

A Galeria de Arte J. Inácio receberá a partir da próxima segunda-feira, 23 de abril, a instigante exposição "Pelas Águas", do artista visual, Mozart Daltro. A mostra que foi contemplada no Edital de Ocupação da Galeria, contará com 17 fotografias do Rio São Francisco, enfocando sua nascente e os percursos pelos Estados de Minas Gerais,  Sergipe e Alagoas.
A exposição propõe levar o público por três vias: a investigação, a memória e a interação, através de imagens que não buscaram captar apenas o instante, mas que instalam e questionam deliberadamente o tempo. A sequência das fotos não é apenas um jogo de formas e materiais, é a visão do artista do mundo, que transforma uma hidrelétrica desativada em um local onírico que também questiona, graças a sua força e a sua universalidade.
Durante a mostra serão apresentadas cinco séries fotográficas. Na primeira, constarão quatro imagens da nascente do São Francisco, uma do ponto mais alto, localizando a estátua do "Chico", a outra da Casca D'Anta, acompanhada pelas primeira e segunda quedas d'agua. Na segunda série serão apresentadas cinco imagens das circunvizinhanças da cidade de Piranhas, suas correntezas, a pesca, as cachoeiras e o ponto mais alto onde foi construída uma igreja.
Na terceira, série de imagens o artista observa os Cânions e a antiga hidrelétrica de Delmiro Gouveia, atualmente desativada. Na quarta série de imagens da exposição chega-se a Canindé de São Francisco por caminhos ribeirinhos que emblematicamente nos impressiona por sua força imagética provocando questionamentos sobre a preservação do rio e a sua importância para o Brasil.
Por fim, a quinta série das imagens da exposição 'Pelas Águas', são imagens noturnas que evocam memórias e permite uma interpretação criadora do receptor e, portanto, do observador das obras apresentadas, reafirmando a ideia de que a arte é triangular. "Nosso objetivo é despertar o olhar do público para a magnitude do rio e a importância da sua preservação", aponta Mozart Daltro.

A Galeria de Arte J. Inácio receberá a partir da próxima segunda-feira, 23 de abril, a instigante exposição "Pelas Águas", do artista visual, Mozart Daltro. A mostra que foi contemplada no Edital de Ocupação da Galeria, contará com 17 fotografias do Rio São Francisco, enfocando sua nascente e os percursos pelos Estados de Minas Gerais,  Sergipe e Alagoas.
A exposição propõe levar o público por três vias: a investigação, a memória e a interação, através de imagens que não buscaram captar apenas o instante, mas que instalam e questionam deliberadamente o tempo. A sequência das fotos não é apenas um jogo de formas e materiais, é a visão do artista do mundo, que transforma uma hidrelétrica desativada em um local onírico que também questiona, graças a sua força e a sua universalidade.
Durante a mostra serão apresentadas cinco séries fotográficas. Na primeira, constarão quatro imagens da nascente do São Francisco, uma do ponto mais alto, localizando a estátua do "Chico", a outra da Casca D'Anta, acompanhada pelas primeira e segunda quedas d'agua. Na segunda série serão apresentadas cinco imagens das circunvizinhanças da cidade de Piranhas, suas correntezas, a pesca, as cachoeiras e o ponto mais alto onde foi construída uma igreja.
Na terceira, série de imagens o artista observa os Cânions e a antiga hidrelétrica de Delmiro Gouveia, atualmente desativada. Na quarta série de imagens da exposição chega-se a Canindé de São Francisco por caminhos ribeirinhos que emblematicamente nos impressiona por sua força imagética provocando questionamentos sobre a preservação do rio e a sua importância para o Brasil.
Por fim, a quinta série das imagens da exposição 'Pelas Águas', são imagens noturnas que evocam memórias e permite uma interpretação criadora do receptor e, portanto, do observador das obras apresentadas, reafirmando a ideia de que a arte é triangular. "Nosso objetivo é despertar o olhar do público para a magnitude do rio e a importância da sua preservação", aponta Mozart Daltro.