E o golpe completou dois anos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/04/2018 às 00:02:00

 

* Rômulo Rodrigues
Terça feira, 17 de abril, completou dois anos do golpe, exibido para o Brasil e o mundo, como o capítulo de estreia da novela "como destruir um País para atender os desejos do Mercado".
Os brasileiros que com toda coragem e patriotismo se postaram, em minoria, do lado certo da História, viram ao vivo e em cores o bandido, já identificado como tal, Eduardo Cunha, dar sequência a um crime de lesa-pátria, sem precedente na História do Brasil, com a complacência do STF e da PGR, também comprometidos na trama para que uma quadrilha se instalasse no poder, na sequência dos capítulos do folhetim macabro.
Três anos antes já chegara por aqui uma Embaixadora que trouxera debaixo do braço um decálogo a ser posto em andamento, por ordem do patrão; que constava dos seguintes pontos como condição essencial para o êxito da missão.
1) Criar um mote comum e irrepreensível; combater a corrupção, que foi posto em prática massivamente; 2) criar um instrumento legal para usar a estrutura do Estado, para destruir o Estado por dentro; no caso, a Operação Lava Jato; 3) conseguir o apoio  de toda a Imprensa, capitaneada pela Rede Globo ; 4) financiar grupos e manifestações sociais para fingir que o golpe tivesse amplo apoio da sociedade; exemplos; MBL, Vem Pra Rua e outros, desde as manifestações de junho de 2013; 5) proteger de todas as formas os políticos corruptos, exemplo; Eduardo Cunha, no âmbito da Lava Jato e PGR, até a consumação do Impeachment; 6) centrar as investigações só no PT e buscar envolver todos os investigados ao PT; 7) alongar as investigações ao máximo para instalar a insegurança e a desesperança na sociedade, para que desta forma os agentes econômicos parassem de investir e a economia entrasse em colapso; 8) prender lula antes da consumação do golpe; tentativa que fracassou em 04 de Março de 2016 e só veio a acontecer em 07 de Abril de 2018, sob outra correlação de forças; 9) consumar o Impeachment da Presidenta Dilma e pôr uma verdadeira quadrilha, submissa  aos EUA, no poder; 10 ) realizar novas eleições (sem Lula e sem o PT), colocando novos corruptos no poder.
Sem quadros expressivos na área política e na militar que possa fazer frente a uma sociedade bem mais organizada que em 1964, dependendo apenas dos Generais, Coronéis e Capitães togados o golpismo encontra-se na maior encruzilhada com a prisão de Lula e se mostra ao mundo como autor do maior crime já cometido pelo Estado brasileiro em todos os tempos.
A fratura exposta na Suprema Corte deixa à mostra uma realidade que eles não poderão mais esconder.Lula, Dilma e o petismo estão sendo vítimas de um punitivismo exacerbado, preservado da ditadura militar, como ficou claro nas palavras do Ministro Barroso ao dizer que seu voto será sempre para punir as massas por não saberem separar o Joio do Trigo e por isso, estarem nas ruas lutando por justiça e gritando "Lula livre".
As sentenças de Moro, o ativismo do Dallagnol, os votos dos desembargadores do TRF-4 e a negação do HC de Lula provam que Ministros do STF, juízes, Procuradores e Delegados estão cercados de tucanos por todos os lados, por uma questão de classe. É aí que eles são maioria.
Para as elites, se for necessário sacrificar meia dúzia ou mais um pouco de aliados como Aécio, Alckmin, Temer e outros para aprofundar o desmonte da CLT, fazer a Reforma da previdência, privatizar a Eletrobrás e manter o poder da Globo, não piscam nem os olhos.
Ao longo dos últimos 170 anos está constatado que a Burguesia não hesita em sacrificar suas mais prezadas liberdades, criadas por ela mesma, como presunção de inocência, direitos civis, justiça isenta e equilibrada, sufrágio universal, autonomia parlamentar e divisão de poderes, se isto for necessário para impedir que as consignas populares sejam conquistadas e ameacem sua hegemonia enquanto classe.
Ao se sentir ameaçada, na correlação de forças, devido o fortalecimento das organizações populares ela parte para a subversão da ordem com disposição de rasgar a Constituição e todos os contratos que ela mesma, com muito zelo, havia criado, vendo que a classe trabalhadora se torna ardente defensora desses contratos e a joga nas cordas exigindo que ela cumpra o que suas próprias leis, ou será colocada na ilegalidade.
Afora a tirania judicial, não tem mais como essa classe dominante corroída pela corrupção, desmoralizada perante o mundo, manter a prisão e a inelegibilidade de um Líder que já está fazendo falta no sistema de equilíbrio de forças da agenda mundial, onde já não é descartada a possibilidade de uma terceira guerra mundial que poderá destruir todo oPlaneta.
Sendo o próprio pilar de sustentação do domínio imposto com o golpe, a Mídia Corporativa vive dias de intensa contradição ao ter que noticiar a ocupação pelo MTST doTriplex do Guarujá. As manchetes de capa dos Jornalões das três famílias que controlam a opinião publicada são exatamente iguais ao noticiarem que os Sem Teto ocuparam o apartamento atribuído a Lula, na confissão mais clara de que Lula está condenado e preso, sob a acusação de ser dono de um imóvel atribuído a ele e pasmem; dito também pelo Juiz, lá nos EUA.
O ridículo fecha o pacote de insanidade por dois fatos simultâneos: 1) as fotos publicadas do interior do Apartamento provam que não nunca houve reforma alguma no imóvel, muito menos uma de R$ 1,2 milhões e 2) o dito cujo colocado em leilão por Moro, ao preço de R$ 2,0 milhões, não apareceu um mísero interessado. Fala sério.
* Rômulo Rodrigues é militante político

* Rômulo Rodrigues


Terça feira, 17 de abril, completou dois anos do golpe, exibido para o Brasil e o mundo, como o capítulo de estreia da novela "como destruir um País para atender os desejos do Mercado".
Os brasileiros que com toda coragem e patriotismo se postaram, em minoria, do lado certo da História, viram ao vivo e em cores o bandido, já identificado como tal, Eduardo Cunha, dar sequência a um crime de lesa-pátria, sem precedente na História do Brasil, com a complacência do STF e da PGR, também comprometidos na trama para que uma quadrilha se instalasse no poder, na sequência dos capítulos do folhetim macabro.
Três anos antes já chegara por aqui uma Embaixadora que trouxera debaixo do braço um decálogo a ser posto em andamento, por ordem do patrão; que constava dos seguintes pontos como condição essencial para o êxito da missão.
1) Criar um mote comum e irrepreensível; combater a corrupção, que foi posto em prática massivamente; 2) criar um instrumento legal para usar a estrutura do Estado, para destruir o Estado por dentro; no caso, a Operação Lava Jato; 3) conseguir o apoio  de toda a Imprensa, capitaneada pela Rede Globo ; 4) financiar grupos e manifestações sociais para fingir que o golpe tivesse amplo apoio da sociedade; exemplos; MBL, Vem Pra Rua e outros, desde as manifestações de junho de 2013; 5) proteger de todas as formas os políticos corruptos, exemplo; Eduardo Cunha, no âmbito da Lava Jato e PGR, até a consumação do Impeachment; 6) centrar as investigações só no PT e buscar envolver todos os investigados ao PT; 7) alongar as investigações ao máximo para instalar a insegurança e a desesperança na sociedade, para que desta forma os agentes econômicos parassem de investir e a economia entrasse em colapso; 8) prender lula antes da consumação do golpe; tentativa que fracassou em 04 de Março de 2016 e só veio a acontecer em 07 de Abril de 2018, sob outra correlação de forças; 9) consumar o Impeachment da Presidenta Dilma e pôr uma verdadeira quadrilha, submissa  aos EUA, no poder; 10 ) realizar novas eleições (sem Lula e sem o PT), colocando novos corruptos no poder.
Sem quadros expressivos na área política e na militar que possa fazer frente a uma sociedade bem mais organizada que em 1964, dependendo apenas dos Generais, Coronéis e Capitães togados o golpismo encontra-se na maior encruzilhada com a prisão de Lula e se mostra ao mundo como autor do maior crime já cometido pelo Estado brasileiro em todos os tempos.
A fratura exposta na Suprema Corte deixa à mostra uma realidade que eles não poderão mais esconder.Lula, Dilma e o petismo estão sendo vítimas de um punitivismo exacerbado, preservado da ditadura militar, como ficou claro nas palavras do Ministro Barroso ao dizer que seu voto será sempre para punir as massas por não saberem separar o Joio do Trigo e por isso, estarem nas ruas lutando por justiça e gritando "Lula livre".
As sentenças de Moro, o ativismo do Dallagnol, os votos dos desembargadores do TRF-4 e a negação do HC de Lula provam que Ministros do STF, juízes, Procuradores e Delegados estão cercados de tucanos por todos os lados, por uma questão de classe. É aí que eles são maioria.
Para as elites, se for necessário sacrificar meia dúzia ou mais um pouco de aliados como Aécio, Alckmin, Temer e outros para aprofundar o desmonte da CLT, fazer a Reforma da previdência, privatizar a Eletrobrás e manter o poder da Globo, não piscam nem os olhos.
Ao longo dos últimos 170 anos está constatado que a Burguesia não hesita em sacrificar suas mais prezadas liberdades, criadas por ela mesma, como presunção de inocência, direitos civis, justiça isenta e equilibrada, sufrágio universal, autonomia parlamentar e divisão de poderes, se isto for necessário para impedir que as consignas populares sejam conquistadas e ameacem sua hegemonia enquanto classe.
Ao se sentir ameaçada, na correlação de forças, devido o fortalecimento das organizações populares ela parte para a subversão da ordem com disposição de rasgar a Constituição e todos os contratos que ela mesma, com muito zelo, havia criado, vendo que a classe trabalhadora se torna ardente defensora desses contratos e a joga nas cordas exigindo que ela cumpra o que suas próprias leis, ou será colocada na ilegalidade.
Afora a tirania judicial, não tem mais como essa classe dominante corroída pela corrupção, desmoralizada perante o mundo, manter a prisão e a inelegibilidade de um Líder que já está fazendo falta no sistema de equilíbrio de forças da agenda mundial, onde já não é descartada a possibilidade de uma terceira guerra mundial que poderá destruir todo oPlaneta.
Sendo o próprio pilar de sustentação do domínio imposto com o golpe, a Mídia Corporativa vive dias de intensa contradição ao ter que noticiar a ocupação pelo MTST doTriplex do Guarujá. As manchetes de capa dos Jornalões das três famílias que controlam a opinião publicada são exatamente iguais ao noticiarem que os Sem Teto ocuparam o apartamento atribuído a Lula, na confissão mais clara de que Lula está condenado e preso, sob a acusação de ser dono de um imóvel atribuído a ele e pasmem; dito também pelo Juiz, lá nos EUA.
O ridículo fecha o pacote de insanidade por dois fatos simultâneos: 1) as fotos publicadas do interior do Apartamento provam que não nunca houve reforma alguma no imóvel, muito menos uma de R$ 1,2 milhões e 2) o dito cujo colocado em leilão por Moro, ao preço de R$ 2,0 milhões, não apareceu um mísero interessado. Fala sério.
* Rômulo Rodrigues é militante político