Um político santo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/04/2018 às 00:03:00

 

* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB
Infelizmente, não é um político brasilei
ro dos nossos dias...
Trata-se de Attilio Giordani, político italiano, atuando na Milão do imediato pós-guerra entre 1950 e 1963, como colaborador de Alcide De Gasperi, chefe do governo da Itália na época; e depois, como missionário no Brasil.
Seu arcebispo era o Cardeal Montini. O futuro Papa Paulo VI, realizador do Concílio Vaticano II, iniciado por João XXIII, definia a Milão da época como "terra de missão".  E assim a entendeu Attilio, acolhendo o convite que lhe fazia seu arcebispo, de que os católicos milaneses usassem o estilo da fraternidade para com seus irmãos, católicos ou não.
E foi assim que entre as tantas características excepcionais que se notaram em Giordani, está a bondade para com todos, a acolhida dos jovens mais difíceis, trabalhando com os Salesianos de Milão, no Oratório da capital da Lombardia, e depois no Brasil, como missionário leigo.
Cooperador Salesiano, a terceira família de Dom Bosco, depois dos Irmãos e das Filhas de Maria Auxiliadora, Attilio nasceu em Milão em 3 de fevereiro de 1912. Casou em 1944, com uma jovem de sua paróquia, também ela engajada no trabalho pastoral de leigos, em plena guerra mundial, num dos poucos momentos de possível tranquilidade. Não foi apenas a união de dois corações que se amavam, mas a comunhão de duas existências que condividiam entre elas ideais e idênticas metas de perfeição cristã. Nascem três filhos, para os quais Attilio foi um pai sempre presente e afetuoso, em meio a tantas atividades políticas e religiosas.
Attilio foi educador nato no estilo de Dom Bosco. Acabado o conflito mundial de 1939-l945, assume um emprego na fábrica de pneus Pirelli, onde trabalha pela manhã, e à tarde, está com os jovens pobres do Oratório Salesiano de Milão.
Sempre alegre e otimista, dá a receita: "Quando te levantas pela manhã, começa teu dia assoviando uma alegre canção". "Na vida, o que vale não é o que se diz, mas o que se faz. A verdadeira pregação é o viver". "É preciso demonstrar com a vida aquilo em que acreditamos".
Quando seus filhos, já adultos, vieram para o Brasil na chamada "Operação Mato Grosso", dos Salesianos Cooperadores, poucos anos depois, já com 59 anos, em vez de começar a gozar merecida aposentadoria na política e na Pirelli, ele com a esposa acompanha os filhos como missionários leigos. Explica ele: "Se queremos e devemos condividir a vocação dos nossos filhos, devemos estar dispostos a segui-los nas provas, para poder julgar com consciência de causa o que eles estão fazendo".
"A morte deve encontrar-nos vivos!" - dizia ele com humor. No dia 18 de dezembro de 1972, em Campo Grande (MS), enquanto falava aos jovens da importância de se doar aos outros, improvisamente cai sobre os ombros do Salesiano Pe. Ugo De Censi, fulminado por um enfarte. Tem apenas tempo para recomendar, com incrível lucidez, ao filho que o socorria: "Continue você!".
A Santa Sé reconheceu as virtudes heroicas de Attilio Giordani em 9 de outubro de 2013, já no pontificado do Papa Francisco, dando-lhe o título de "Venerável", que é caminho para a beatificação.
***
A todos os amigos, abraço e pedido de orações. Amanhã, 20/04, com a graça de Deus farei 43 anos de bispo. Rezem muito por mim.
* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB é Arcebispo Emérito de Maceió
(foi Bispo Auxiliar de Aracaju - 1975 a 1980)
dedvaldo@salesianorecife.com.br 

* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB


Infelizmente, não é um político brasilei ro dos nossos dias...Trata-se de Attilio Giordani, político italiano, atuando na Milão do imediato pós-guerra entre 1950 e 1963, como colaborador de Alcide De Gasperi, chefe do governo da Itália na época; e depois, como missionário no Brasil.
Seu arcebispo era o Cardeal Montini. O futuro Papa Paulo VI, realizador do Concílio Vaticano II, iniciado por João XXIII, definia a Milão da época como "terra de missão".  E assim a entendeu Attilio, acolhendo o convite que lhe fazia seu arcebispo, de que os católicos milaneses usassem o estilo da fraternidade para com seus irmãos, católicos ou não.
E foi assim que entre as tantas características excepcionais que se notaram em Giordani, está a bondade para com todos, a acolhida dos jovens mais difíceis, trabalhando com os Salesianos de Milão, no Oratório da capital da Lombardia, e depois no Brasil, como missionário leigo.
Cooperador Salesiano, a terceira família de Dom Bosco, depois dos Irmãos e das Filhas de Maria Auxiliadora, Attilio nasceu em Milão em 3 de fevereiro de 1912. Casou em 1944, com uma jovem de sua paróquia, também ela engajada no trabalho pastoral de leigos, em plena guerra mundial, num dos poucos momentos de possível tranquilidade. Não foi apenas a união de dois corações que se amavam, mas a comunhão de duas existências que condividiam entre elas ideais e idênticas metas de perfeição cristã. Nascem três filhos, para os quais Attilio foi um pai sempre presente e afetuoso, em meio a tantas atividades políticas e religiosas.
Attilio foi educador nato no estilo de Dom Bosco. Acabado o conflito mundial de 1939-l945, assume um emprego na fábrica de pneus Pirelli, onde trabalha pela manhã, e à tarde, está com os jovens pobres do Oratório Salesiano de Milão.
Sempre alegre e otimista, dá a receita: "Quando te levantas pela manhã, começa teu dia assoviando uma alegre canção". "Na vida, o que vale não é o que se diz, mas o que se faz. A verdadeira pregação é o viver". "É preciso demonstrar com a vida aquilo em que acreditamos".
Quando seus filhos, já adultos, vieram para o Brasil na chamada "Operação Mato Grosso", dos Salesianos Cooperadores, poucos anos depois, já com 59 anos, em vez de começar a gozar merecida aposentadoria na política e na Pirelli, ele com a esposa acompanha os filhos como missionários leigos. Explica ele: "Se queremos e devemos condividir a vocação dos nossos filhos, devemos estar dispostos a segui-los nas provas, para poder julgar com consciência de causa o que eles estão fazendo".
"A morte deve encontrar-nos vivos!" - dizia ele com humor. No dia 18 de dezembro de 1972, em Campo Grande (MS), enquanto falava aos jovens da importância de se doar aos outros, improvisamente cai sobre os ombros do Salesiano Pe. Ugo De Censi, fulminado por um enfarte. Tem apenas tempo para recomendar, com incrível lucidez, ao filho que o socorria: "Continue você!".
A Santa Sé reconheceu as virtudes heroicas de Attilio Giordani em 9 de outubro de 2013, já no pontificado do Papa Francisco, dando-lhe o título de "Venerável", que é caminho para a beatificação.
***
A todos os amigos, abraço e pedido de orações. Amanhã, 20/04, com a graça de Deus farei 43 anos de bispo. Rezem muito por mim.
* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB é Arcebispo Emérito de Maceió(foi Bispo Auxiliar de Aracaju - 1975 a 1980)dedvaldo@salesianorecife.com.br