Sonora Brasil completa 20 anos com programação em todo o País

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 20/04/2018 às 23:23:00

 

O Sonora Brasil completa, este ano, duas décadas de circulação pelo País. Promovido pelo Sesc, já realizou 5.726 apresentações de 85 grupos, em mais de 150 cidades brasileiras, com um alcance de 600 mil espectadores. Este ano o lançamento será em Recife, no dia 26 de abril, com abertura da inédita exposição interativa "Experiência Sonora Brasil", que apresenta a diversidade da música brasileira exibida desde a primeira edição, por meio de recursos audiovisuais, instrumentos, depoimentos e documentos. Já no dia 28 acontece o concerto de lançamento  com apresentação dos grupos União Josefense (SC) e o Coco de Tebei (PE).
"O Sonora busca despertar o interesse para a produção musical que está fora dos grandes eixos, divulgando expressões musicais identificadas com a história da música no Brasil. Este ano vai passar por 97 cidades, com 372 concertos, reforçando sua principal característica que é circular com uma ampla programação em todo o país", destaca Gilberto Figueiredo, analista de cultura do Departamento Nacional do Sesc.
Ainda como parte das atividades da comemoração pelos 20 anos, o Sesc realizará um concerto especial no dia 2 de maio, em Maceió, com o grupo Quadro Cervantes, que participou da primeira edição do Sonora Brasil. O evento será na mesma data e na mesma cidade onde ocorreu a apresentação em 1998.
A programação terá também uma Roda de Conversa, no dia 3 de maio, com profissionais do Sesc e sete convidados que participaram do projeto ao longo desses anos: Wagner Campos, musicólogo, Letícia Bertelli, musicista mineira, Richard Serraria, músico gaúcho, líder do grupo Alabê Ôni, Seu Nelson da Rabeca, que participou de duas edições do Sonora Brasil e é um dos mais importantes representantes da cultura musical de tradição, Mário Orlando, mestre em música antiga, Regineide Rosa, que circulou pelo projeto com o grupo Destaladeiras de Fumo de Arapiraca, e José Amaro, professor de História na Universidade Federal de Pernambuco.
No biênio 2017/2018, as abordagens temáticas são 'Na pisada dos cocos' e 'Bandas de Música: formações e repertórios', desenvolvidas por quatro grupos, cada. A seleção deles, bem como a definição das temáticas, é feita por curadoria de profissionais do Sesc de todo o país. Este ano, os grupos invertem os roteiros e Estados por onde se apresentaram em 2017, de forma que todos circulem pelas cinco regiões do país.

O Sonora Brasil completa, este ano, duas décadas de circulação pelo País. Promovido pelo Sesc, já realizou 5.726 apresentações de 85 grupos, em mais de 150 cidades brasileiras, com um alcance de 600 mil espectadores. Este ano o lançamento será em Recife, no dia 26 de abril, com abertura da inédita exposição interativa "Experiência Sonora Brasil", que apresenta a diversidade da música brasileira exibida desde a primeira edição, por meio de recursos audiovisuais, instrumentos, depoimentos e documentos. Já no dia 28 acontece o concerto de lançamento  com apresentação dos grupos União Josefense (SC) e o Coco de Tebei (PE).
"O Sonora busca despertar o interesse para a produção musical que está fora dos grandes eixos, divulgando expressões musicais identificadas com a história da música no Brasil. Este ano vai passar por 97 cidades, com 372 concertos, reforçando sua principal característica que é circular com uma ampla programação em todo o país", destaca Gilberto Figueiredo, analista de cultura do Departamento Nacional do Sesc.
Ainda como parte das atividades da comemoração pelos 20 anos, o Sesc realizará um concerto especial no dia 2 de maio, em Maceió, com o grupo Quadro Cervantes, que participou da primeira edição do Sonora Brasil. O evento será na mesma data e na mesma cidade onde ocorreu a apresentação em 1998.
A programação terá também uma Roda de Conversa, no dia 3 de maio, com profissionais do Sesc e sete convidados que participaram do projeto ao longo desses anos: Wagner Campos, musicólogo, Letícia Bertelli, musicista mineira, Richard Serraria, músico gaúcho, líder do grupo Alabê Ôni, Seu Nelson da Rabeca, que participou de duas edições do Sonora Brasil e é um dos mais importantes representantes da cultura musical de tradição, Mário Orlando, mestre em música antiga, Regineide Rosa, que circulou pelo projeto com o grupo Destaladeiras de Fumo de Arapiraca, e José Amaro, professor de História na Universidade Federal de Pernambuco.
No biênio 2017/2018, as abordagens temáticas são 'Na pisada dos cocos' e 'Bandas de Música: formações e repertórios', desenvolvidas por quatro grupos, cada. A seleção deles, bem como a definição das temáticas, é feita por curadoria de profissionais do Sesc de todo o país. Este ano, os grupos invertem os roteiros e Estados por onde se apresentaram em 2017, de forma que todos circulem pelas cinco regiões do país.