Sergipe tem quase 200 mil idosos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 02/10/2012 às 15:49:00

Cândida Oliveira
candidaoliveira@jornaldodiase.com.br

No Dia Internacional do Idoso, comemorado ontem, 1° de outubro, o desafio dessa parcela da população cada vez mais representativa é melhorar a qualidade de vida. Em Sergipe, o número de idosos chega a quase 200 mil.

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que a população idosa residente em Sergipe totaliza 185.957, ou seja, 8,99 % da população. Desse total, 51.887 idosos estão em Aracaju, o que equivale a 9,08% da população aracajuana.

No ano 2000, eram em todo o Estado 131.171, sendo 7,35% da população. Em Aracaju, 32.363 ou 7,01% dos da população. Em todo o Estado, economicamente ativo há 61.393 idosos e não ativos 156.392.

Nos próximos oito anos, a parcela de idosos na população brasileira passará para 14,6%. Isso significa um salto de 21 milhões de pessoas em 2012, para 30 milhões em 2020. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística mostram que as pessoas estão vivendo mais: expectativa de vida passou para 73 anos em 2010 e em 2020, chegará até 78 anos.

Quem chega à terceira idade geralmente sabe o quanto é importante praticar atividades físicas e intelectuais para manter em dia a saúde. A Organização Mundial da Saúde define a qualidade de vida na terceira idade como a manutenção da saúde em seu melhor nível, em todos os aspectos, físico, social, mental e espiritual.
Ativos - Definidos como a população de 60 anos ou mais, os idosos estão presentes no mercado de trabalho e movimentam diversos setores da economia, como comércio, turismo, e entretenimento. Conforme dados do IBGE, cerca de 20% dos domicílios no Brasil têm idosos como o principal provedor.

O economista do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, Luiz Moura, alerta que os governos precisam pensar políticas públicas de saúde, lazer e profissional. "A sociedade precisa começar a pensar no idoso com atenção e carinho. Existem hoje agências especializadas em roteiros para idosos. Mas diversos outros setores, como supermercado, comércio e bancos, por exemplo, precisam dar uma atenção maior a essa população. Os bancos estimulam o atendimento eletrônico, mas o idoso não está habituado a trabalhar com essa ferramenta", explicou.