A direita enxovalha o Brasil

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 27/04/2018 às 05:38:00

 

* Rômulo Rodrigues
Muitos amigos que me acompanham pelos artigos semanais do Jornal do Dia e no Face, têm solicitado opiniões sobre a política local e sempre me comprometo que será na próxima semana mas, convenhamos, os absurdos nacionais dos Partidos Moderador e da Justiça não deixam.
E como todo dia tem sua agonia, toda semana vem um turbilhão de desastres da Farsa jato, fica cada vez mais difícil cumprir o prometido.
No feriado deste sábado, 21 de abril, consagrado à figura de Tiradentes provou que a História é muito maior que as vontades dos tiranos.
Neste dia o impostor da presidência, usurpador empossado pelos imbecis movidos pelo ódio, aproveitou o feriado em reconhecimento a um herói nacional, para insultar a história, ao comparar-se ao herói da Inconfidência, condenado à morte por traidores, executado e esquartejados por imbecis guiados pelo ódio; vangloriando-se ao dizer que tinha uma torcida, contra com inveja do seu sucesso.
A única coisa que ficou do papelão feito foi a repercussão negativa a um País, que o golpe jogou no ridículo.
Já o Jornal O Estado de São Paulo noticiou, no mesmo dia, que a cúpula do Partido da Justiça enviou recados a Lula dizendo que se ele deixasse de questionar sua prisão e prometesse retirar sua candidatura a presidente; seria prontamente libertado e todas as acusações anuladas e não se falaria mais nisso.
Aí, ficam algumas perguntas; e o Triplex deixaria de existir? Então foi tudo montado porque Lula atrapalha os planos dos vendilhões da Pátria? Por isso estão repetindo a chanchada feita contra Juscelino Kubitschek?
O golpe militar de 1964 também tinha como bandeira combater a corrupção para disfarçar que atendia aos interesses dos EUA na sua cruzada anti-comunista.
Dado o golpe, um problema foi identificado: havia um calendário eleitoral para 1965 e Juscelino pontificava com 43,7% de intenções de votos. Logo veio a decisão: desmoraliza-lo, cassar seus direitos políticos e criar o clima para suspender as eleições; tudo protegido por uma infame campanha midiática dos Jornais O Globo, Folha, Estadão, Jornal do Commércio, Diários Associados, Correio da Manhã e toda as outra mídias.
O massacre da Direita, toda ela udenista, que perdera quatro eleições presidenciais seguidas, acusava Juscelino de ser o maior ladrão do Brasil e ser dono de um Triplex, que não era dele e também criminalizavam sua esposa Dona Sara.
O objeto da denúncia foi o apartamento em que Juscelino morava e pagava aluguel, a seu ex-ministro Sebastião Paes de Almeida, milionário, mas que foi acusado de ser laranja do ex-presidente. Anos depois, Juscelino morreu em um acidente com suspeita de crime planejado e a as mentiras foram desmascaradas.
Sem esperar tanto tempo para descobrir a verdade sobre outro Triplex, o MTST ocupou o tal apartamento do edifício Solares e revelou para o mundo que o imóvel não tem elevador privativo, cozinha planejada e nunca passou por reforma alguma; o que dá bem a dimensão do Moro nunca ter autorizado as perícias pedidas pelos Advogados de Lula.
Para piorar ainda mais a imagem da Justiça brasileira no mundo, os mais importantes Jornais do planeta e a mídia independente do Brasil divulgaram que a Empresa AZ, é fantasma, sem nenhum funcionário, mas foi fornecedora das notas Fiscais Frias que atestavam o Projeto, Construção e Instalação do elevador particular de Lula, fartamente mostrado nos telejornais e portais e que de repente sumiram após a farsa ser desmontada.
Para manchar, ainda mais, a imagem do País, no exterior, a Senadora golpista do RS, Ana Relho, mostrou o perfil que identifica os seguidores do golpe, ao acusar a Senadora Gleisi Hoffmann de conclamar o E.I para invadir o Brasil e defender Lula, por ela ter dado uma entrevista à TV Al Jazeera, a mais respeitada do mundo Árabe, chocando o mundo inteiro, que ficou perplexo ao ver uma Senadora brasileira não ter o mínimo de conhecimento para exercer um cargo tão importante.
Depois, tentando justificar a lambança, fez outra pior; elogiou o mundo Árabe na pessoa do mandatário da Arábia Saudita, justamente, quem é acusado de financiar o Exército Islâmico.
Se não bastasse tudo isso, vem o Ministro Barroso e solta essa: Juízes tem que estar do lado certo da história; há controvérsias Ministro. Juízes apoiaram a Escravidão; apoiaram a Inquisição; o Nazismo; o Fascismo; o Apartheid; a Ditadura Militar de 1964 e não estavam do lado certo da história, como o senhor e seus parceiro de STF,  também não estão agora.
Quem está do lado certo da História são os Prêmio Nobel da Paz, os mais respeitados intelectuais do mundo, os mais de 300 artistas brasileiros e internacionais, as mais de 300 mil pessoas que assinaram a petição para que Lula ganhe o Nobel, os milhares de manifestantes que se revezam na acampamento Lula Livre, as centenas de milhares que o abraçaram nas Caravanas, a multidão que o protegeu em São Bernardo e os milhões que querem a Democracia de volta. Juiz tem que estar do lado das Leis e do respeito à Constituição.
* Rômulo Rodrigues é militante político

* Rômulo Rodrigues


Muitos amigos que me acompanham pelos artigos semanais do Jornal do Dia e no Face, têm solicitado opiniões sobre a política local e sempre me comprometo que será na próxima semana mas, convenhamos, os absurdos nacionais dos Partidos Moderador e da Justiça não deixam.
E como todo dia tem sua agonia, toda semana vem um turbilhão de desastres da Farsa jato, fica cada vez mais difícil cumprir o prometido.No feriado deste sábado, 21 de abril, consagrado à figura de Tiradentes provou que a História é muito maior que as vontades dos tiranos.
Neste dia o impostor da presidência, usurpador empossado pelos imbecis movidos pelo ódio, aproveitou o feriado em reconhecimento a um herói nacional, para insultar a história, ao comparar-se ao herói da Inconfidência, condenado à morte por traidores, executado e esquartejados por imbecis guiados pelo ódio; vangloriando-se ao dizer que tinha uma torcida, contra com inveja do seu sucesso.
A única coisa que ficou do papelão feito foi a repercussão negativa a um País, que o golpe jogou no ridículo.
Já o Jornal O Estado de São Paulo noticiou, no mesmo dia, que a cúpula do Partido da Justiça enviou recados a Lula dizendo que se ele deixasse de questionar sua prisão e prometesse retirar sua candidatura a presidente; seria prontamente libertado e todas as acusações anuladas e não se falaria mais nisso.
Aí, ficam algumas perguntas; e o Triplex deixaria de existir? Então foi tudo montado porque Lula atrapalha os planos dos vendilhões da Pátria? Por isso estão repetindo a chanchada feita contra Juscelino Kubitschek?
O golpe militar de 1964 também tinha como bandeira combater a corrupção para disfarçar que atendia aos interesses dos EUA na sua cruzada anti-comunista.
Dado o golpe, um problema foi identificado: havia um calendário eleitoral para 1965 e Juscelino pontificava com 43,7% de intenções de votos. Logo veio a decisão: desmoraliza-lo, cassar seus direitos políticos e criar o clima para suspender as eleições; tudo protegido por uma infame campanha midiática dos Jornais O Globo, Folha, Estadão, Jornal do Commércio, Diários Associados, Correio da Manhã e toda as outra mídias.
O massacre da Direita, toda ela udenista, que perdera quatro eleições presidenciais seguidas, acusava Juscelino de ser o maior ladrão do Brasil e ser dono de um Triplex, que não era dele e também criminalizavam sua esposa Dona Sara.
O objeto da denúncia foi o apartamento em que Juscelino morava e pagava aluguel, a seu ex-ministro Sebastião Paes de Almeida, milionário, mas que foi acusado de ser laranja do ex-presidente. Anos depois, Juscelino morreu em um acidente com suspeita de crime planejado e a as mentiras foram desmascaradas.
Sem esperar tanto tempo para descobrir a verdade sobre outro Triplex, o MTST ocupou o tal apartamento do edifício Solares e revelou para o mundo que o imóvel não tem elevador privativo, cozinha planejada e nunca passou por reforma alguma; o que dá bem a dimensão do Moro nunca ter autorizado as perícias pedidas pelos Advogados de Lula.
Para piorar ainda mais a imagem da Justiça brasileira no mundo, os mais importantes Jornais do planeta e a mídia independente do Brasil divulgaram que a Empresa AZ, é fantasma, sem nenhum funcionário, mas foi fornecedora das notas Fiscais Frias que atestavam o Projeto, Construção e Instalação do elevador particular de Lula, fartamente mostrado nos telejornais e portais e que de repente sumiram após a farsa ser desmontada.
Para manchar, ainda mais, a imagem do País, no exterior, a Senadora golpista do RS, Ana Relho, mostrou o perfil que identifica os seguidores do golpe, ao acusar a Senadora Gleisi Hoffmann de conclamar o E.I para invadir o Brasil e defender Lula, por ela ter dado uma entrevista à TV Al Jazeera, a mais respeitada do mundo Árabe, chocando o mundo inteiro, que ficou perplexo ao ver uma Senadora brasileira não ter o mínimo de conhecimento para exercer um cargo tão importante.
Depois, tentando justificar a lambança, fez outra pior; elogiou o mundo Árabe na pessoa do mandatário da Arábia Saudita, justamente, quem é acusado de financiar o Exército Islâmico.
Se não bastasse tudo isso, vem o Ministro Barroso e solta essa: Juízes tem que estar do lado certo da história; há controvérsias Ministro. Juízes apoiaram a Escravidão; apoiaram a Inquisição; o Nazismo; o Fascismo; o Apartheid; a Ditadura Militar de 1964 e não estavam do lado certo da história, como o senhor e seus parceiro de STF,  também não estão agora.
Quem está do lado certo da História são os Prêmio Nobel da Paz, os mais respeitados intelectuais do mundo, os mais de 300 artistas brasileiros e internacionais, as mais de 300 mil pessoas que assinaram a petição para que Lula ganhe o Nobel, os milhares de manifestantes que se revezam na acampamento Lula Livre, as centenas de milhares que o abraçaram nas Caravanas, a multidão que o protegeu em São Bernardo e os milhões que querem a Democracia de volta. Juiz tem que estar do lado das Leis e do respeito à Constituição.
* Rômulo Rodrigues é militante político