Ataque a tiros deixa 2 feridos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
LOCAL É PRÓXIMO AO PRÉDIO ONDE O EX-PRESIDENTE ESTÁ PRESO EM CURITIBA
LOCAL É PRÓXIMO AO PRÉDIO ONDE O EX-PRESIDENTE ESTÁ PRESO EM CURITIBA

Os tiros disparados na madrugada de sábado deixaram dois feridos
Os tiros disparados na madrugada de sábado deixaram dois feridos

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 29/04/2018 às 00:56:00

Yara Aquino
Agência Brasil

Um ataque a tiros na madrugada de on-tem (28) ao acampamento onde apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fazem vigília desde sua prisão, em Curitiba, deixou duas pessoas feridas, de acordo com a coordenação do movimento. A Polícia Militar de Curitiba confirma a ocorrência de tiros na região e informou que o caso está em investigação. Ainda não há informações sobre a autoria dos disparos.

A coordenação do Acampamento Lula Livre divulgou que Jeferson Lima de Menezes, de São Paulo, foi atingido por um tiro no pescoço e está internado em estado grave. Os tiros foram disparados entre 3h e 4h da manhã.
A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, divulgou um vídeo na página do partido relatando o episódio e disse que, momentos antes do ataque, pessoas haviam passado várias vezes pelo local gritando e se manifestando de forma contrária à mobilização. "A situação de violência e intolerância no país está muito grave, não podemos aceitar isso", disse Gleisi no vídeo. Segundo ela, Jeferson Lima é do movimento sindical de São Paulo.
"Muito grave o atentado nesta madrugada ao acampamento da vigília democrática de solidariedade ao Lula. Companheiro Jeferson, de São Paulo, baleado no pescoço, corre risco de morte. Esperamos providência rigorosa por parte das autoridades de segurança", denunciou a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, no Twitter. Em um vídeo postado nas redes, ela detalha como foi o ataque.

No vídeo, ela conta que "mais de 20 tiros foram disparados contra o acampamento" Marisa Letícia nesta madrugada. "A situação de violência e intolerância no País está muito grave. Nós não podemos aceitar isso. Isso vem num rastro de violência que movimentos sociais, movimentos de esquerda estão sendo vítimas desde o golpe", diz Gleisi, citando mortes de indígenas, líderes de terras e a vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ).
Gleisi diz ainda que a violência "é resultado desse processo construído de perseguição contra o presidente Lula, o PT e os movimentos de esquerda". Para ela, "a Lava Jato tem responsabilidade nisso, assim como a Globo". "Nós não podemos silenciar diante disso", afirma.
A nota do acampamento diz que a violência contra os apoiadores de Lula não vai diminuir a mobilização e que o local vai receber grande quantidade de pessoas no feriado do 1° de maio, Dia do Trabalhador.
O ex-presidente Lula chegou à prisão em Curitiba no dia 7 de abril. Desde então, manifestações pró e contra Lula ocorrem na cidade.