CONSTRUÇÃO DE MANDALAS

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 01/05/2018 às 05:30:00

 

CONSTRUÇÃO DE MANDALAS
 
Simbologia da mandala, utilização das cores, brilhos, texturas (dos diversos tipos de tecidos) associados à técnica da colagem, pintura, entre outros recursos. Foi assim a tarde de sexta-feira, 27, para os pacientes da clínica Onco Hematos, que participaram da Oficina Terapêutica - Construção de Mandalas. Após a atividade, os pacientes puderam compartilhar suas experiências sobre a importância de participar da oficina e o desafio de elaborar uma mandala com a representação das suas emoções. De acordo com a psicóloga da Onco Hematos, Viviana Aragão, a construção de mandalas foi escolhida como atividade para abrir a temporada de oficinas terapêuticas que serão realizadas pela clínica. "Percebemos que os pacientes, em alguns momentos durante o tratamento, se apresentam ociosos e isso é compreensível. Porém, é necessário trabalhar o processo de adaptação ao tratamento com as redescobertas de si, com o resgate e a experiência de diversas atividades que atribuam o sentido à vida. O afastamento da atividade laborativa e as mudanças no estilo de vida advindo com o tratamento faz com que eles necessitem a todo momento se reinventarem no processo", explicou.

Simbologia da mandala, utilização das cores, brilhos, texturas (dos diversos tipos de tecidos) associados à técnica da colagem, pintura, entre outros recursos. Foi assim a tarde de sexta-feira, 27, para os pacientes da clínica Onco Hematos, que participaram da Oficina Terapêutica - Construção de Mandalas. Após a atividade, os pacientes puderam compartilhar suas experiências sobre a importância de participar da oficina e o desafio de elaborar uma mandala com a representação das suas emoções. De acordo com a psicóloga da Onco Hematos, Viviana Aragão, a construção de mandalas foi escolhida como atividade para abrir a temporada de oficinas terapêuticas que serão realizadas pela clínica. "Percebemos que os pacientes, em alguns momentos durante o tratamento, se apresentam ociosos e isso é compreensível. Porém, é necessário trabalhar o processo de adaptação ao tratamento com as redescobertas de si, com o resgate e a experiência de diversas atividades que atribuam o sentido à vida. O afastamento da atividade laborativa e as mudanças no estilo de vida advindo com o tratamento faz com que eles necessitem a todo momento se reinventarem no processo", explicou.